Educação Financeira
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
Melhores investimentos para setembro: faça uma escalação perfeita

Melhores investimentos para setembro: faça uma escalação perfeita

Vanessa Araujo

Vanessa Araujo

06 Set 2022 às 08:04 · Última atualização: 29 Set 2022 · 14 min leitura

Vanessa Araujo

06 Set 2022 às 08:04 · 14 min leitura
Última atualização: 29 Set 2022

Campo de futebol

Onde estão os melhores investimentos para setembro? O Brasil figura entre os destinos mais certeiros do mundo.

O país apresentou nos últimos meses um cenário de deflação – julho (-068) e agosto (-0,29%). Além disso, as projeções indicam que a inflação deve desacelerar nos próximos meses, chegando a 6,5% no fim de 2022.

“O Brasil está melhor que outros países no que diz respeito ao crescimento e inflação. Isso mostra que políticas econômicas, como a subida da taxa Selic iniciada em março de 2021 surtiram efeito”, avalia Denys Wiese, head de renda fixa da EQI Investimentos.

“Mesmo com a expectativa de baixo crescimento para 2023, qualquer surpresa positiva nesses indicadores também trará boas notícias ao mercado”, comenta Valter Manfro, head de produtos estruturados da EQI Investimentos.

EUA e Europa: ambientes incertos

Os EUA entraram oficialmente em recessão, apresentando PIB negativo nos dois últimos trimestres. A inflação acumulada do país já ultrapassa a casa dos 8% nos últimos 12 meses. 

Na Europa, além do baixo crescimento e inflação alta, o continente enfrenta crise hídrica e energética, além dos desdobramentos da guerra na Ucrânia, conflito que completou seis meses em agosto. “Os países daquela região estão vivendo ‘uma tempestade perfeita’. A postura deve continuar sendo de cautela”, destaca Wiese. 

O head da EQI lembra ainda que a região está atrasada no movimento de subida de juros. “O Banco Central Europeu está diante de um dilema: criar uma recessão ou deixar a inflação corroer a renda das pessoas. E, para os governos, a inflação é sempre melhor que uma recessão”, analisa.

Brasil atrai investimentos

Comparativamente aos demais países, o Brasil saiu na frente na escalada dos juros no pós-pandemia e, ao contrário do restante do mundo, tem o Produto Interno Bruto (PIB) sendo constantemente revisado para cima. 

“Até mesmo a eleição, que promete polarização política, não vem, na realidade, afetando os mercados. É possível ver que as oportunidades de hoje são muito melhores que há um ano atrás”, avalia Denys. 

O país se revela muito interessante para quem busca oportunidades tanto na renda fixa, com IPCA+ e prefixados, quanto na renda variável, com ações descontadas de empresas com bons fundamentos e fundos imobiliários (FIIs) ainda sendo negociados com desconto.  

Dentro deste contexto, como escolher os melhores investimentos para setembro? 

Denys Wiese e Valter Manfro apontaram como montar uma “escalação” perfeita para uma carteira de investimentos nesse período, durante a live EQI Talks “O Brasil é a bola da vez?”.

Acompanhe a seguir! 

Análise dos investimentos: desempenho dos ativos em 2022

Entre os meses de janeiro a agosto de 2022, o CDI apresentou a melhor performance. Já o Bitcoin teve a pior evolução do período.  

Gráfico com desempenho dos principais ativos

Desempenho dos ativos em agosto de 2022

Já durante o mês de agosto, as small caps confirmaram a melhor performance e o Bitcoin permaneceu como o mais volátil.  

Gráfico com desempenho dos principais ativos

Evolução dos rendimentos dos principais investimentos 

Na comparação do desempenho dos principais ativos nos últimos 11 anos, é possível analisar a flutuação natural que ocorre a longo prazo. 

“A tabela mostra que não existe um melhor investimento, mas sim, o mais adequado para cada perfil investidor e para cada fase de um ciclo econômico”, pondera Denys Wiese. 

Já Valter Manfro destaca que o histórico dos ativos não deve ser o único parâmetro a ser observado no momento da decisão dos investidores 

“Não se deve olhar apenas para o passado, pois há variações importantes de ano para ano. É sempre bom enxergar o que está acontecendo no mundo para determinar o que faz sentido para a carteira atual”, completa.

Gráfico com desempenho dos principais ativos
Ranking de rentabilidade dos investimentos nos últimos anos. Para entender a tabela: Ifix – fundos imobiliários; RF – renda fixa; S&P – desempenho das ações EUA; SMLL – small caps; MM – fundos multimercado

Cenário macro: o que está acontecendo com o mundo?

“A pandemia foi um acontecimento imprevisível ocorrido nos dois últimos anos. Para lidar com ela, os governos tiveram de reagir imprimindo dinheiro para segurar a economia no curto prazo. Ao passo que esse tipo de medida é inflacionária no médio prazo”, explica Wiese

Para conter esse cenário, o Brasil se antecipou e começou a subir juros em março de 2021. “No entanto, os EUA começaram a escalada somente em março de 2022 e a Europa começou no mês passado”, observa o head da EQI. 

E conforme os juros sobem, a atividade econômica esfria, conforme é possível ver a seguir no desempenho do PIB nos EUA nos dois últimos semestres.

EUA: PIB negativo pelo segundo trimestre consecutivo 

Gráfico com PIB dos EUA

Inflação americana atrai a atenção do mundo

“O mundo inteiro está olhando para a economia americana. Se a inflação se segurar e os juros pararem de subir, os ativos de risco melhoram. Caso a inflação continue a subir, os ativos de risco pioram”, comenta Valter Manfro.

Para ele, a inflação vai cair, provavelmente mais do que o consenso. No entanto, não descerá para perto da meta de 2%. “Efeitos secundários e mercado de trabalho deverão ser os principais motivos”, destaca.

Inflação americana acumulado em 12 meses

Brasil: perspectiva de juros indicam juros caindo em 2023

Para Denys Wiese, o Brasil já fez sua lição de casa subindo os juros antes dos demais países do mundo. 

“Atualmente, as expectativas já estão mais ancoradas. O Copom já sinaliza que a Selic – hoje a 13.75% – deve ser ajustada mais uma vez, chegando a 14.25% e encerrando o ciclo de alta. Com isso, teremos alguns meses de juros estáveis e caindo a partir de junho de 2023”.

Projeção de juros em 2023

Gráfico com projeção para juros Brasil

Inflação: sob controle até o final de 2022

Gráficos com projeção para inflação

PIB: perspectiva de crescimento baixo em 2022, mas não negativo

Gráfico com projeções para PIB

Migração do capital internacional: como estão os países emergentes?

Entenda a situação dos países emergentes pelo olhar dos investidores:

  • Rússia: país vive uma guerra e sofre sanções diretas do ocidente, fazendo com que os investimentos fujam do país;
  • China: bolha imobiliária, intervenção governamental nas empresas da bolsa e tensão com os EUA. Além disso, o país está mais atrasado que a Europa na subida de juros;
  • Turquia: o país já foi forte no recebimento de capital, no entanto, agora está passando por intervenção governamental no câmbio, o que afugenta os investidores; 
  • África do Sul: país passa por conflitos políticos históricos, que levou à revolta popular. O país vive uma taxa de desemprego altíssima e uma das maiores desigualdades sociais do mundo;
  • Colômbia: economia forte na América do Sul, porém possui um leque pequeno de investimentos a oferecer;
  • Chile: outro vizinho que recebe investimento internacional, mas possui muita volatilidade devido à questões políticas. Também possui um mercado pequeno para receber quantias significativas de investimento.

Por que o Brasil é a bola da vez para os investimentos?

“O Brasil está ganhando esse jogo por ‘W.O.’, como o mundo inteiro está ruim, quem está ‘menos pior’ se destaca”, avalia Denys. 

Na percepção dele, desde o governo de Michel Temer o Brasil vem tendo impactos favoráveis em medidas que envolveram reformas políticas e econômicas, que se tornam a receita quase perfeita para ser escolhido entre os países emergentes para receber recursos. 

“O Brasil tem mercado e grande diversidade de ativos, o que permite receber uma quantia abundante de investimentos”.

Wise também analisa como outro fator positivo a pandemia, que trouxe um cenário de desglobalização. 

“O fechamento das cadeias logísticas elevou a incerteza sobre a produção das empresas, que agora procuram fornecedores mais perto. Nesse sentido, a América do Sul se torna bastante atrativa para os EUA”, avalia.

Ciclo econômico: onde investir em setembro de 2022

gráfico com ciclo econômico atual

Pelo gráfico acima, é possível ver que o Brasil não chegou a entrar em recessão, mas deve ficar com baixo crescimento – fase em que os juros atingem o pico e que a inflação começa a ceder.

“Os juros costumam caminhar na frente das ações. Por esse motivo, nos posicionaremos em títulos prefixados e IPCA +. Porém, a Bolsa costuma andar mais quando os juros efetivamente começam a cair. Por isso, nessa fase ainda vamos nos manter em ações de valor. Ainda mais que o contexto mundial é um pouco diferente do Brasil”, destaca Denys.

“Os EUA começaram a subir juros agora, mas os juros futuros já estão subindo há um bom tempo. A economia norte-americana está em recessão, com o segundo trimestre negativo no PIB. Nessa fase é importante se manter conservador, com aplicações em pós fixados, títulos curtos e ações de valor”, observa..

“A Europa, está entrando em recessão, um pouco atrás dos EUA. O grande problema da região é que está vivendo uma tempestade perfeita: guerra na Ucrânia, crise energética, crise hídrica, baixo crescimento e inflação alta, o que pode acarretar uma estagflação. Por esse motivo, vamos também nos manter bem conservadores em aplicações européias”, conclui o head da EQI.

Carteira de Investimentos: como escalar os melhores ativos

“Uma carteira de investimentos é como um time de futebol. O investidor deve colocar os melhores ativos em campo”, comenta Denys Wiese. 

Dentro dessa analogia, ele indica a seguinte escalação de ativos para setembro.

Zagueiros: defendem a carteira de investimentos

Quem são: Pós-Fixados – se o mercado começar a “azedar” e os juros começarem a subir, eles vão acompanhar essa alta e rentabilizar ainda mais.

Exemplo de investimento: Fundo Microcrédito: Rentabilidade: CDI + 4,5%, rendeu 1,51% em agosto.

Lateral: ajudam na defesa e também atacam

Quem são: atrelados à inflação: se o mercado melhora, a inflação diminui, o juro cai, trazendo ótima rentabilidade nesse ativo. Se o mercado piora, a inflação sobe, o juro sobe, o título se defende da inflação.

Exemplo de investimento: NTN-B: rentabilidade IPCA + 5,5%.

Meio Campo: criam equilíbrio na carteira

Quem são: Pré-fixados: não importa o que aconteça no mercado, a rentabilidade vai permanecer do início ao fim do investimento.

Exemplos de investimentos: COE BONDS Petrobras: rentabilidade: 14% a.a e multimercados.

Atacantes: alta rentabilidade para a carteira

Quem são: ações / Fundos Imobiliários: devem fazer gols na carteira e levar a carteira para o máximo de rentabilidade.

Goleiro: trazem toda a proteção para a carteira de investimentos

Quem são: blindagem patrimonial com os seguros: Se tudo der errado, a última defesa é o goleiro. Atuam na boa defesa para os momentos ruins.. Em caso de falecimento, acidente ou outros problemas, uma boa blindagem patrimonial protege o patrimônio, agregando liquidez imediata. 

Exemplos de investimentos: Blindagem Patrimonial – Whole Life.

Carteira de investimentos para inflação e juros altos 

ilustração com investimentos recomendados com inflação e juro alto

Carteira de investimentos para inflação e juros baixos

ilustração com investimentos recomendados com inflação e juro baixo

Investimentos: oportunidades de investimento 2022 

Veja quais foram os Investimentos dos últimos meses:
 

Gráfico com oportunidades de investimentos em 2022

Planejamento de longo prazo: independência financeira  

Além da proteção dos investimentos para o momento atual, é preciso pensar no longo prazo. Nesse caso, a previdência privada pode atuar como o investimento mais adequado.

Por que investir em previdência? 

Segundo o IBGE, apenas 1% dos aposentados são independentes financeiramente e conseguem viver plenamente com a renda de sua aposentadoria.

Fazer esse tipo de investimento custa bem menos do que se imagina. É possível fazer aqui uma simulação do planejamento financeiro longo prazo.  

Gráfico com realidade dos aposentados no Brasil

Perdeu a live? Assista aqui o vídeo.

Como investir em setembro: O Brasil é a bola da vez?

newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias