Ações
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
Ativos financeiros: conheça os tipos e invista com segurança

Ativos financeiros: conheça os tipos e invista com segurança

Osni Alves

Osni Alves

29 Mai 2022 às 17:40 · Última atualização: 19 Jun 2022 · 11 min leitura

Osni Alves

29 Mai 2022 às 17:40 · 11 min leitura
Última atualização: 19 Jun 2022

Imagem mostra gráfico indicando o caminho de rentabilidade de um ativo financeiro.

Todo investidor que se preze deve conhecer os tipos de ativos financeiros para, desta forma, investir com assertividade.

É compreensível, porém, que investidores de “primeira viagem” acessem o mercado de capitais influenciados por dicas de amigos, familiares ou até mesmo influencers na internet.

Não há qualquer problema nisso. Entretanto, é recomendável que aqueles que desejam ingressar no mundo dos investimentos adquiram um certo nível de conhecimento antes.

Isso porque o mercado costuma ser volátil, e o perfil do investidor deve ser conhecido e levado em consideração na hora de operar.

Existem pessoas com personalidade mais comedida e que não estão dispostas a correr riscos. Existem outras que até aceitam tomar algum risco, mas baixo. Por fim, existem aqueles que estão dispostos a tomar muito risco para tentar potencializar seu retorno.

Estes três tipos de perfis são classificados como conservador, moderado e agressivo. Depois de se encontrar dentro deste espectro, é o momento de estudar os tipos de ativos financeiros.

Quais são os tipos de ativos financeiros?

Agora, se você já está curioso acerca dos tipos de ativos financeiros, vamos detalhar cada um no decorrer deste artigo de maneira que você possa conhecer e, assim, investir melhor.

Para início de conversa, é importante que você saiba que existem vários tipos de ativos financeiros e isso é bom pela pluralidade, mas o excesso de opção também pode se transformar em um empecilho. Principalmente se não estiver bem certo do que deseja e como deseja.

Para além disso, cada classe de ativos costuma apresentar uma rentabilidade e isso deve ser levado em consideração ao cruzar essa informação com seus objetivos. É a isso que chamamos investir com assertividade.

Para ficar mais claro, podemos definir ativo financeiro como tudo aquilo que está à sua disposição no mercado financeiro ou de capitais. Um exemplo do mercado de capitais é a própria bolsa de valores.

Inclusive a B3, que é a bolsa brasileira, está se popularizando cada vez mais e atraindo diariamente novos investidores, principalmente Pessoa Física (PF), ou seja, aquele que não é institucional e nem aloca dinheiro com a mesma envergadura.

Claro que existem muitos investidores autônomos que aportam de maneira PF e têm muita “bala na agulha”, mas a grande maioria é de pessoas com nem tanto dinheiro assim, mas se interessam por ações, debêntures, dividendos, ADRs, BDRs e por aí vai…

O importante é saber que investir não é um bicho de sete cabeças, dá para obter retornos expressivos quando se faz com conhecimento e segurança, e pode ser a maneira de obter uma renda extra em relação à sua atividade laboral diária.

Depois de algum tempo investindo com assertividade e alcançando um lugar a que chamamos acima da média, é bastante possível que essa atividade passe a ser a sua atividade primária. Afinal de contas, o mercado está aí para quem quiser conhecê-lo e aproveitá-lo, e ele não faz qualquer tipo de distinção.

Por fim, cabe ressaltar que ativos financeiros são diferentes de passivos financeiros. O primeiro gera renda, retorno ou lucro, enquanto o segundo é um custo, uma despesa, ou uma saída de dinheiro.

Imagem mostra para que serve cada tipo de ativo.

Os ativos financeiros se caracterizam de que maneira?

Imagino que sua dúvida neste momento é saber quais são e como se classificam os ativos financeiros. Pois bem, primeiramente deve compreender que eles são divididos em três tipos, sendo os que geram renda, os de reserva de emergência e os de crescimento de capital.

O mais prudente, sempre, é formatar uma carteira de investimentos que contenha uma combinação dessas categorias. E não apenas isso, mas essa combinação deve “casar” com o perfil do investidor, bem como com seus objetivos.

Dito isto, vamos listar os tipos de ativos para que visualmente a compreensão seja bem mais simples. Então segue:

  • Ativos financeiros que geram renda

Os ativos que geram renda são aqueles que, obrigatoriamente, assegurem uma fonte de rendimentos. Existem diferentes formas de rendimentos como juros, dividendos ou o pagamento de aluguéis, além de outros mais.

  • Ativos financeiros usados como reserva de emergência

Os ativos financeiros usados como reserva de emergência são “veículos de investimentos” que reportam alta segurança e liquidez imediata. Na prática, significa dizer que eles estão à sua disposição imediatamente, de maneira a serem usados em questões de saúde, educação e afins.

Por isso, são chamados de reserva de emergência, pois são uma reserva e, ao mesmo tempo, exclusivamente usados para emergências pessoais ou familiares (até profissionais). Desta forma, o resgate deve ser fácil e rápido.

Você pode encontrar inúmeros ativos financeiros com esta característica dentro da renda fixa.

  • Ativos financeiros de crescimento de capital

Os ativos financeiros de crescimento de capital têm por objetivo fazer sua fazenda crescer, e leia “fazenda” entendendo dinheiro, bens e coisas do tipo. Certamente, um ativo financeiro não vai te dar uma casa, literalmente falando, mas vai te oferecer uma rentabilidade, ou retorno imediato, que pode ser o suficiente para comprar esta casa, ou um carro, ou ser uma fração financeira que está sendo levantada para a aquisição desses bens.

Entretanto, você deve compreender que esta classe de ativos costuma ser bem mais arriscada e também apresenta maior volatilidade. Na prática, isso faz com que os preços deles se movimentem, seja para cima, seja para baixo.

Imagem mostra boneco juntando moedas com uma pá, representando ativos financeiros.

Então, além de ações, quais são os demais tipos de ativos financeiros?

Esta é uma excelente pergunta e você deve saber que as ações são apenas uma opção entre tantos tipos de ativos. Nós vamos elencar cada um deles e você passará a enxergar o mercado com mais acurácia.

Em relação aos tipos, vamos começar por esta que já foi citada mais de uma vez. Veja a lista:

  • Ações

Conceitualmente, podemos dizer que as ações são a menor parte do capital de uma empresa. Imagine que a companhia tenha sido dividida em milhares de ações e você agora pode adquirir uma ou mais ações e passar a ser um sócio dela. Não é demais?

Que empresa você admira? Já pesquisou sobre ela? Sabe se ela está listada na bolsa de valores? Bom, caso esteja, saiba que você pode se tornar um acionista dela… O Brasil tem muitas empresas admiráveis e que dão um bom retorno a seus “sócios”.

Já em relação às ações propriamente ditas, você deve saber que existem dois tipos no mercado, sendo as ordinárias (ON) e as preferenciais (PN). As primeiras dão ao acionista o direito de participar das assembleias do negócio. Já as preferenciais garantem privilégios no recebimento dos dividendos.

  • Títulos Públicos

Os Títulos Públicos, por sua vez, são papéis do governo federal usados como forma de se auto capitalizar. Ou seja, o governo coloca no mercado uma certa quantia, oferecendo uma certa rentabilidade em um prazo específico e o investidor pode adquiri-los.

Tenho certeza de que você já entendeu a dinâmica que é, basicamente, emprestar o seu dinheiro para o governo de maneira a receber ele de volta com juros e correção em um prazo específico. Podemos elencar, ainda, que isso faz todo o sentido do ponto de vista financeiro, já que o governo precisa, continuamente, de mais dinheiro para se autofinanciar.

Obviamente, existem outras formas que o governo costuma fazer isso, mas estamos tratando aqui dos títulos públicos e estes são bem valorizados pelo investidor por uma série de razões, dentre as quais a segurança do investimento.

Assim, os títulos públicos são negociados via Tesouro Direto e qualquer pessoa, com módicos R$ 30 já pode adquirir estes ativos. Claro, você pode investir com muito mais dinheiro, pois o objetivo aqui é deixar claro que os títulos em si são muito baratos.

Podemos afirmar, ainda, que o Tesouro Direto é um mecanismo de empréstimo de dinheiro ao governo federal, que tem como objetivo sanar as dívidas públicas da União. O investidor que adquire esses papéis, por sua vez, recebe o investimento de forma indexada à taxa básica de juros, à inflação ou a um valor pré-fixado.

  • Títulos Privados

Já que acabamos de falar de títulos públicos, é justo que na sequência possamos dar conta dos Títulos Privados. Basicamente, estes seguem a mesma lógica dos outros, sendo que a diferença é que eles são emitidos por instituições financeiras privadas.

Por função, os títulos privados visam captar recursos e estes costumam ser utilizados para que o banco ou empresa do ramo faça novos empréstimos para seus clientes. Já o investidor obtém o dinheiro de volta com juros e rentabilidade dentro de um prazo específico.

Como exemplo, podemos citar os Certificados de Depósitos Bancários (CDB), geralmente à disposição do investidor em bancos de varejo. Há ainda as LCI/LCA, que vêm ganhando espaço, principalmente, por serem isentas de Imposto de Renda. Estas são letras imobiliárias e agrícolas.

  • Cotas de fundos de investimentos

O investidor que adquire cotas de fundos de investimentos participa, na prática, de um veículo de investimento com outros investidores e passa a receber remuneração (retorno) de maneira periódica, a que chamamos divisão dos lucros. Há fundos que também pagam dividendos e juros sobre capital próprio (JCP).

Depois de formado, o fundo funciona como uma espécie de condomínio tendo, inclusive, um administrador, e o valor total de recursos costuma ser alocado no mercado financeiro, em aplicações que variam de acordo com as características do fundo. Existe um gestor que realiza todo esse trabalho, por isso o investidor não precisa se preocupar com o controle e administração dos recursos.

É importante dizer que as decisões sobre os investimentos e regras são alinhadas previamente, e o gestor precisa seguir essas políticas. A rentabilidade total do fundo é dividida entre os cotistas na proporção de suas cotas.

Recorrendo a assessores para se municiar de todas as informações

Mesmo compreendendo tudo, é recomendável também contar com profissionais especializados na hora de fazer levantamentos, cálculos e decidir por vender ou segurar ativos financeiros.

A EQI Investimentos, por exemplo, conta com mais de mil profissionais treinados para oferecer sempre a melhor assessoria sobre todo tipo de investimento. A empresa atende por telefone, chat, e-mail e coloca seu time à disposição para ligar aos interessados também.

Além disso, mantém no ar o portal Euqueroinvestir.com com notícias, artigos e análises de maneira a manter seu público sempre bem-informado. E não apenas isso, mas também um canal no YouTube com aulas, análises, call de mercado e tudo o que é essencial ao investidor, seja ele iniciante ou alguém com uma carteira robusta.

EQI é BTG Pactual (BPAC11)

A EQI alcançou, recentemente, R$ 15 bilhões sob custódia, o que faz dela uma das maiores assessorias do país. Isso se dá também por conta dos muitos escritórios em cidades importantes, sendo capitais ou não.

Além disso, a EQI é associada do BTG Pactual (BPAC11), ou seja, tratar com a EQI é tratar com o maior banco de investimentos do Brasil, o que garante agilidade e segurança, além de uma infinidade de opções e operações à disposição do investidor.

  • Quer saber mais sobre ativos financeiros? Então preencha este formulário que um assessor da EQI Investimentos entrará em contato para mostrar as aplicações disponíveis!
A retomada das Criptos?
newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias