Educação Financeira
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
Madero (MDRO3): conheça a rede de restaurantes que está na fila do IPO

Madero (MDRO3): conheça a rede de restaurantes que está na fila do IPO

Redação EuQueroInvestir

Redação EuQueroInvestir

07 Ago 2021 às 10:00 · Última atualização: 07 Ago 2021 · 8 min leitura

Redação EuQueroInvestir

07 Ago 2021 às 10:00 · 8 min leitura
Última atualização: 07 Ago 2021

Madero

A rede de restaurantes Madero (MDRO3) é a mais nova integrante das empresas na fila para IPO (Oferta Pública Inicial) este ano.

A partir da abertura do seu primeiro restaurante Madero em 2005, na cidade de Curitiba, a companhia cresceu para um portfólio de 238 restaurantes multimarcas (incluindo franquias) em 18 estados brasileiros até 30 de junho de 2021.

A empresa quer usar os recursos do IPO para liquidar dívidas, se reerguer, renovar seus restaurantes e inaugurar novas unidades.

Vamos conhecer melhor a empresa?

Madero

História do Madero

Do primeiro Madero inaugurado por Junior Durski no centro histórico de Curitiba, em 2005, aos mais de 200 restaurantes presentes em diversas cidades brasileiras nos dias de hoje, a rede de restaurantes espalhou-se pelo Brasil. Hoje conta com cerca de 6.700 funcionários.

Autodidata, Junior Durski transformou a paixão pela cozinha em profissão. Ele é até hoje responsável pela elaboração do cardápio, preparação dos pratos e combinação dos sabores do Grupo Madero.

Junior é formado em direito, foi vereador, madeireiro e garimpeiro na Amazônia, mas foi na cozinha que encontrou sua paixão. Em 1999 ele abriu o Durski, que apesar de hoje premiado, enfrentou muitas dificuldades. Lançou mais cinco restaurantes, todos com prejuízo. Mas em 2005 inaugurou o Madero, que mudaria sua história. O restaurante não decolou de primeira, foram necessários muitos ajustes, reduções nos preços e uma incursão de pesquisa gastronômica nos EUA, onde experimentou hambúrgueres em 70 restaurantes.

Ele criou a própria receita, com toque brasileiro, que daria origem a um dos responsáveis pelo sucesso da marca: o Burger Madero. Daí para frente, a rede expandiu-se com diversas lojas e unidades em shoppings por todo o país.

Os restaurantes da marca

Os restaurantes do Madero estão divididos sob duas marcas principais, Madero e Jeronimo, com múltiplos conceitos distintos que incluem Madero Steak House e Madero Container sob a marca Madero, e Jeronimo e Jeronimo Track sob a marca Jeronimo.

O Madero Steak House é o formato original de serviço completo (full-service) adotado pela companhia, que oferece um ambiente descontraído e adequado para empresas e famílias.

O Madero Steak House oferece um cardápio com ampla variedade de refeições, incluindo desde grelhados e saladas a outros pratos, com destaque para os hambúrgueres.

Posteriormente, foi lançado o Madero Container, um formato fast-casual que oferece um cardápio mais restrito focado em hambúrgueres grelhados. A companhia acredita que o Madero Container foi um dos primeiros conceitos de restaurante fastcasual no Brasil.

Jeronimo é um conceito de fast-casual centrado em tecnologia e focado em um público mais jovem. Oferece um cardápio orientado em preço, focado em hambúrgueres prensados na chapa, desenvolvidos para garantir frescor e qualidade na entrega, e ostenta um ambiente vibrante e colorido. O Jeronimo inclui restaurantes em shopping centers, tanto em praças de alimentação como restaurantes independentes.

Jeronimo Track é um conceito de Jeronimo independente que também apresenta uma opção de drive-thru.

A tabela abaixo ilustra nossos principais indicadores operacionais em 30 de junho de 2021 ou no período de seis meses encerrado em tal data, exceto se de outra forma indicado. Com relação aos indicadores financeiros, as informações referemse ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2019, por ser o último ano de funcionamento contínuo, com os restaurantes operando em sua normalidade, sem impacto dos fechamentos e capacidades reduzidas determinados por decretos governamentais em função da pandemia COVID-19, que ocorreram a partir de março de 2020.

Madero

Pontos fortes do Madero

Os ingredientes que tornam o Grupo Madero especial. Foco na qualidade e na experiência do grupo Madero.

Plataforma Verticalmente Integrada nos permite manter a qualidade em escala.

Os investimentos em tecnologia ajudarão a impulsionar o crescimento futuro e a lucratividade da companhia.

Aspectos econômicos robustos de cada unidade de negócio impulsionam fortes margens.

Comprometimento com a Responsabilidade Ambiental e Social.

Forte cultura organizacional com time de gestores motivados.

Estratégia da empresa

  • Plano da companhia para aumentar as receitas e os lucros. A companhia acredita estar bem posicionada para capitalizar as tendências favoráveis do setor e seu posicionamento competitivo único, executando uma série de iniciativas estratégicas chave.
  • Continuar a crescer a rede de Restaurantes Madero por meio do Madero Steak House e do Madero Container. A marca Madero cresceu de um único restaurante em 2005 para 157 restaurantes em todo o Brasil em 30 de junho de 2021. A empresa diz que o forte crescimento dos restaurantes durante este período demonstra ao sucesso de modelo de negócios da companhia entre diferentes cidades e estados e o apelo em massa a diferentes demografias. Apesar disso, o Madero ainda está fragmentado em várias regiões do Brasil. Assim, a Companhia planeja priorizar estas regiões para uma expansão a curto prazo. “Acreditamos que há um espaço significativo ainda a ser ocupado pela marca Madero, com potencial para estabelecer mais de 400 restaurantes em ambos os conceitos ao longo dos próximos 10 anos, com base em estimativas gerenciais”.
  • Acelerar significativamente o crescimento do Jeronimo. Recentemente a companhia acelerou a expansão da marca Jeronimo, aumentando rapidamente o número de restaurantes, de 1 em 2017 para 74 em 30 de junho de 2021. Dadas as características da marca, o Madero acredita que ela apresenta a oportunidade mais significativa de crescimento em toda a sua plataforma. Com base em estimativas da administração, a companhia acredita que tem o potencial de abrir 700 restaurantes Jeronimo em todo o Brasil durante os próximos 10 anos.
  • Impulsionar o crescimento das vendas nos mesmos restaurantes. O objetivo da companhia é aumentar a frequência e o ticket médio de clientes existentes, bem como estender o alcance a novos clientes através de seis principais premissas, incluindo aumentar o reconhecimento das marcas, usar marketing para alcançar clientes novos e existentes, aumentar o uso de dados no programa de fidelidade da empresa, expandir as vendas no happy hour, inovar as ofertas do menu e ter mais drive-thrus.
  • Expandir o delivery em todas as marcas.
  • Alavancar os investimentos recentes na cadeia de fornecimento e tecnologia para expandir as margens.
  • Expandir por meio de novas operações e marcas, aproveitando as sinergias da plataforma verticalmente integrada da companhia.

Fatores de risco

  • A extensão da pandemia, a percepção de seus efeitos e a forma como ela afetará os negócios são incertos e imprevisíveis, assim como seus possíveis desdobramentos e consequências, os quais podem afetar material e adversamente os negócios do Madero, a condição financeira, resultado de operações e fluxos de caixa e, finalmente, a capacidade de continuar a operar os negócios.
  • O sucesso futuro da companhia depende do apelo contínuo de conceitos alimentares e a empresa está vulnerável a mudanças nas preferências dos consumidores.
  • A indústria de restaurantes em geral, e os segmentos de fast casual e full service em particular, são afetados por mudanças nas condições econômicas, que poderiam afetar negativamente o tráfego de clientes, negócios, condição financeira e resultados nas operações.
  • Falhas ou interrupções significativas no fornecimento ou entrega de produtos alimentícios podem afetar adversamente os resultados operacionais e a lucratividade.
  • A empresa depende da Cozinha Central para produzir praticamente todos os produtos alimentícios, e se houver um desastre natural ou outra interrupção grave em tais instalações, eles podem ser incapazes de produzir os produtos alimentícios para entrega aos restaurantes e clientes.

Sobre o IPO do Madero

O Madero protocolou o pedido de IPO na CVM (Comissão de Valores Mobiliários) em 3 de agosto. O ticker já foi definido: MDRO3.

Desde 2020 a empresa planeja se tornar uma empresa de capital aberto, mas adiou os planos devido à Covid-19.

No início do ano, quando planejava fazer seu pedido de IPO, a empresa chegou a pensar em trocar a B3 pela Nasdaq. Na época se falou que a empresa poderia chegar a um valor de mercado de quase R$ 8 bilhões.

Mas a realidade se impôs e agora a rede definiu seu pedido de IPO na bolsa brasileira.

A oferta será primária (quando os recursos da empresa vão para o caixa) e secundária (quando parte dos acionistas vende ações).

Os acionistas vendedores são o fundo de investimento Madrid (do fundo de private equity Carlyle, que investiu R$ 70 milhões no Madero em 2019), além de Luiz Renato Durski Junior, Kethlen Ferreira Ribas Durski, Ariel Leonardo Szwarc, Rafael de Oliveira Mello, Nicolas Raymond Gorguet, Luiz Adriano Urbanski e Murillo Piloto Proença.

Com os recursos da oferta primária a companhia pretende investir na expansão de novos restaurantes, renovação da frota e cozinhas centrais (50%), além do pagamento de contratos financeiros (50%).

A dívida bruta da empresa passou de R$ 705 milhões, em dezembro de 2020, para R$ 989,6 milhões, em junho deste ano. Em relação a dezembro de 2019, o passivo quase triplicou. O Madero fechou junho com R$ 1,8 bilhão em obrigações, incluindo a dívida bruta, arrendamentos, despesas com impostos e previdência.

Ainda não há informações sobre prazos e valores da oferta.

A coordenação da oferta é de BTG Pactual (BPAC11), Bank of America, Bradesco BBI, Itaú BBA, UBS-BB e JPMorgan.

newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias