Educação Financeira
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
Guerra na Ucrânia: o que pode acontecer com os investimentos? EQI faz live sobre o tema

Guerra na Ucrânia: o que pode acontecer com os investimentos? EQI faz live sobre o tema

Redação EuQueroInvestir

Redação EuQueroInvestir

24 Fev 2022 às 19:00 · Última atualização: 24 Fev 2022 · 7 min leitura

Redação EuQueroInvestir

24 Fev 2022 às 19:00 · 7 min leitura
Última atualização: 24 Fev 2022

Guerra na Ucrânia

Reprodução/Pixabay

O pior cenário esperado para o mundo aconteceu: a Rússia decidiu deflagrar uma invasão a territórios da Ucrânia nesta quinta-feira (24). As reações do mercado foram instantâneas: as principais bolsas internacionais caíram fortemente. E o petróleo, que já vinha crescendo nos últimos dias, atingiu a barreira dos US$ 100 assim que o presidente russo, Vladimir Putin, autorizou as ações militares.

Na véspera, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, havia anunciado sanções contra a Rússia. Ainda assim, Putin atacou. Agora, a Europa discute novas sanções contra a Rússia, principalmente por parte do Reino Unido.

No entanto, o presidente russo parece ter dado de ombros. Em reunião com empresários de seu país, Putin adiantou que o governo estaria preparado para aguentar as sanções. Participaram da reunião mais de 30 empresários, como executivos ligados ao setor de petróleo e gás – duas das principais commodities russas – além de executivos ligados a bancos.

Guerra na Ucrânia: e agora, o que fazer?

Diante desse cenário de guerra, o que pode ocorrer com os investimentos? Elias Wiggers, assessor de investimentos da EQI Investimentos, afirmou que o momento demanda cautela. Isto porque pode ter uma série de consequências e que podem se refletir inclusive no Brasil.

De acordo com Wiggers, as commodities são as primeiras a serem afetadas, e o petróleo é sempre o primeiro da lista, como ficou evidenciado nas horas que se seguiram à invasão. A produção de minério de aço também pode ser impactada, porque pode ocorrer uma grande demanda, seja para forja de armas ou outros equipamentos.

Por um lado, o Brasil, por ser exportador de minério de aço, poderia se beneficiar com possível aumento dos preços. Por outro lado, pode ser impactado negativamente por conta das restrições de compras de fertilizantes, produto do qual a Rússia é uma grande exportadora.

“Parte dos fertilizantes usados no Brasil, cerca de 30%, vem do leste europeu e também da Rússia. Se diminuir, pode prejudicar a produção de grãos e impactar o agronegócio brasileiro”, avaliou.

Veja no mapa abaixo, os territórios por onde começaram os conflitos:

Guerra na Ucrânia

O que acontece com os mercados emergentes

Além disso, os mercados de países emergentes, como o Brasil podem ter  impacto negativo. Isto porque a lógica é que os investidores passem a realocar seus investimentos em países de maior segurança financeira e econômica.

Isto significa investir mais em dólar. E caso os EUA decidam entrar militarmente na guerra, pode significar uma arrecadação maior de recursos para prover os esforços de guerra. Isto se dá via emissão de mais títulos do tesouro americano.

Wiggers explica que, em momentos como esse, pode ser mais interessante investir em bonds norte-americanos. Porém, esse movimento pode demandar um ajuste maior aos juros norte-americanos além do que já estava previsto anteriormente.

BTG (BPAC11) vê pouco impacto direto

O banco BTG Pactual (BPAC11) avaliou a situação e informou que os impactos diretos são pequenos, pois apenas as empresas de Bens de Capital têm exposição de vendas para a região hoje.

Segundo o banco, as empresas de Bens de Capital são os únicos nomes com exposição direta, mas com números muito tímidos. É o caso da Weg (WEGE3), que possui vendas na região e um escritório comercial na Rússia, mas a relevância é muito pequena, representou 0,3 % do lucro líquido da Weg em 2021.

Outra empresa com relações, é a Randon (RAPT4), que também vende produtos para a região, mas representa 0,3% das vendas totais. Por fim, há a Iochpe (MYPK3) que também comercializa rodas nesse mercado, mais uma vez, representando apenas uma fração das vendas consolidadas, sendo abaixo de 1%.

Além disso, Marcopolo (POMO4) e a Tupy (TUPY3) não têm exposição direta à região.

Impactos indiretos

Os impactos indiretos podem esta relacionados ao aumento dos preços das matérias-primas, que afetam algumas das empresas com cobertura do BTG.

“Em empresas Industriais, dado que o aumento da matéria-prima traz pressão de custo (principalmente aço), e a capacidade de repasse varia de empresa para empresa. Para empresas maiores, com carteiras de pedidos sólidas, a tendência é um repasse mais rápido de custos”, diz trecho do relatório.

Poderá ter ainda o aumento dos preços do petróleo, que também representa uma pressão de custo adicional para companhias aéreas. “Lembramos que o segmento está operando com baixos níveis de hedge de petróleo atualmente”, informou.

Além disso, a pressão contínua sobre os preços do petróleo e, consequentemente, sobre o diesel, deve continuar pressionando as margens também das empresas logísticas.

O que está por trás do conflito

As tensões entre Rússia e Ucrânia não são recentes. As duas ex-repúblicas soviéticas sempre tiveram suas diferenças. O desenho atual da Ucrânia, que historicamente sempre foi ligada à Rússia, foi feito ainda na época da URSS, com a criação da República Soviética da Ucrânia.

Com a dissolução do bloco soviético, em 1991, a Ucrânia declarou sua independência e logo em seguida buscou uma aproximação com o Ocidente, afastando-se da influência os russos, algo que jamais agradou o governo de Moscou.

Há o agravante da Europa ser muito dependente do gás produzido na Rússia: o gasoduto que leva o insumo deste país para o restante da Europa, passa justamente por território ucraniano. E não foi parte de acordo internacional. É uma herança da época soviética, quando nem se imaginava que as ex-repúblicas socialistas mudassem de rumo.

Após sua independência, a Ucrânia ficou com centenas de ogivas nucleares dos tempos soviéticos em seu território. Buscando uma mudança de rumos, decidiu, mediante acordo de não agressão, devolver todos os artefatos os russos. Em contrapartida, exigiu que sua independência e sua integridade territorial fosse respeitada.

Porém, a partir de 2014, a Ucrânia decidiu se aproximar da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), considerado um ato que ameaçaria a segurança interna na visão russa.

Daí, Putin decidiu tomar o controle da Península da Criméia, onde está a base militar russa de Sebastopol. Pouco tempo depois, começaram as hostilidades de populações pró-russas que vivem no leste da Ucrânia conta o governo de Kiev e pedindo uma anexação por parte de Moscou.

A situação agora se agrava porque Putin decidiu reconhecer a independência de Donetsk e Luhanski e enviou para lá tropas a fim de garantir o que ele chamou de “paz”.

Porém, a escalada já havia começado e agora a Guerra da Ucrânia está em andamento e Moscou está a cada hora ganhando mais terreno dentro do país vizinho, no mais violento ataque em solo europeu após o fim da Segunda Guerra Mundial.

Live EQI esta noite

Na quinta-feira (24), a partir das 20h30, André Arantes, head de assessoria, Aline Cardoso, head da EQI Research, e e Álvaro Frasson, economista do BTG Pactual (BPAC11) vão estar ao vivo no canal do Youtube da EQI para falar sobre os impactos desse conflito nos seus investimentos. Confira no vídeo abaixo como foi.

newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias