Ações
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
BTG Pactual (BPAC11) cita ambiente favorável para investir na WEG (WEGE3)

BTG Pactual (BPAC11) cita ambiente favorável para investir na WEG (WEGE3)

Victor Meira

Victor Meira

13 Set 2022 às 17:02 · Última atualização: 13 Set 2022 · 10 min leitura

Victor Meira

13 Set 2022 às 17:02 · 10 min leitura
Última atualização: 13 Set 2022

Transformadores pedestais da WEG

Divulgação WEG (WEGE3)

O BTG Pactual (BPAC11) divulgou um extenso relatório explicando as causas para o crescimento da receita da WEG (WEGE3), multinacional do setor de energia. Diante dos resultados apresentados pela empresa, os analistas de research do banco de investimentos indicam que há um ambiente favorável para investir na WEG (WEGE3).

O banco de investimentos colocou um preço-alvo de R$ 40. Na cotação desta terça-feira (13), os papéis da gigante do setor elétrico estão em R$ 30,63. Em 2022, a WEG tem uma desvalorização de 4,34%.

Gráfico das ações da WEG (WEGE3)
Google Finanças

Diante disso, o portal EuQueroInvestir apresenta as principais informações divulgadas pelo BTG para orientar o investidor se vale a pena investir na WEG.

Mercado energético e elétrico ajuda investir na WEG (WEGE3)

O primeiro ponto de defesa do BTG Pactual para investir na WEG é que o setor de motores elétricos de baixa tensão é uma indústria com potencial de crescimento de até 7% ao ano em todo o mundo. Dessa forma, o principal produto da WEG conta com uma base de crescimento propício para a evolução da empresa.

“Em nosso último relatório de atualização, escrevemos que um elemento-chave de sua trajetória de crescimento constante é a adaptabilidade e flexibilidade de seu produto principal, o motor elétrico, que é usado em praticamente todas as atividades industriais, expondo-a a inúmeras tendências da indústria”, cita o relatório do BTG Pactual.

Com o crescimento do portfólio da WEG nos últimos anos, ter um produto tão flexível quanto o motor elétrico oferece uma vantagem na sua capacidade de entrar em novos mercados de forma competitiva.
A adaptabilidade deste produto é um poderoso motor para o crescimento sustentável de longo prazo, que aumenta sua exposição a múltiplas tendências industriais globais no setor manufatureiro.

Gráfico sobre a evolução da receita da WEG (WEGE3)

Para ilustrar o potencial de crescimento da WEG, o BTG citou algumas projeções das empresas concorrentes da brasileira no mundo. Por exemplo, a ABB, gigante da produção de equipamentos elétricos, prevê que a demanda mundial por motores elétricos dobrará até 2040.

A Siemens, rival da ABB e da WEG na liderança global em motores elétricos, estima que a sua divisão de Digital Industries crescerá 6% ao ano até 2025.

Além disso, o relatório usou os dados da Emerson Electric, grande fabricante sediada nos EUA que também opera na indústria de automação, que indica uma demanda normalizada de equipamentos elétricos na faixa de 5 a 10%.

Novos negócios do Brasil

O terreno do setor elétrico não é positivo apenas no exterior. No Brasil, a receita apresentou um crescimento considerável nos últimos anos. Ela foi impulsionada pela capacidade da WEG de criar novos caminhos de progresso.

“Isso pode ser explicado pelo fato de a Weg possuir alta participação no mercado brasileiro de motores elétricos, alinhando o crescimento do seu segmento principal com o crescimento do setor”, explica os analistas do BTG.

A WEG cresceu seu faturamento local em 13% (CAGR 2004-21). Este número é superior à expansão do mercado de motores elétricos. De acordo com o relatório, o avanço da receita conduzido pelas novas avenidas de crescimento da Weg criadas nos últimos anos, principalmente no segmento de energia.

Aerogeradores

A WEG ingressou no mercado de aerogeradores no início da década de 2010, quando assinou seu primeiro contrato em 2013 com a Geradora Bons Ventos da Serra. Em 2022, a empresa conta com 650MW de capacidade instalada de sua turbina de 2,3MW.

Em relação a sua turbina de 4,2MW, a Weg possui 1GW de capacidade instalada. Além disso, a companhia tem diversos contratos para os próximos anos.

“Assumindo um preço médio de R$ 4 milhões/MW (conservador, considerando a recente alta de preços), os aerogeradores representaram 15% das vendas do segmento de energia na última década, demonstrando a relevância desse fator de crescimento para a Weg. Mais recentemente, a Weg anunciou seu novo aerogerador, com capacidade de 7MW/máquina”, cita o BTG.

Energia solar

Outro setor importante para a WEG é o crescimento da receita de energia solar. De acordo com o banco de investimentos, a multinacional brasileira tem uma capacidade instalada total de, aproximadamente, 3GW no Brasil (quase o dobro da capacidade eólica).

Dito isso, o portfólio de produtos em energia solar possui uma diversificação maior que a eólica, uma das preferidas quanto ao critério de ESG.

Em energia solar, a receita da Weg pode ser dividida em dois segmentos: geração distribuída, representando 90% e sistema de geração centralizada, representando os outros 10%.

Na distribuição dessa energia, grande parte das receitas são projetos para PMEs (Pequenas e Médias Empresas), com uma parcela menor destinada para consumo doméstico.

“Utilizando uma premissa conservadora de R$ 5 milhões por MW instalado, alcançamos um faturamento acumulado de R$ 15 bilhões, o que significa um total de ~40% das vendas de Energia da Weg na última década”, calcula o BTG.

Transmissão e distribuição de energia

Não é de apenas produção que vive a WEG, ela também conta com um amplo portfólio de produtos para o segmento de transmissão e distribuição de energia, incluindo transformadores de potência, transformadores secos, transformadores de distribuição e subestações.

O investimento em transmissão de energia no Brasil cresce a cada ano. Recentemente, foram realizados 26 leilões de transmissão no Brasil, com investimentos de R$ 217 bilhões.

“Em uma abordagem conservadora, do total de capex para linhas de transmissão, 10-15% referem-se a investimentos em equipamentos de transmissão. A participação de mercado da Weg no segmento de transmissão variou entre 30% e 40%, o que significa uma carteira de pedidos de até R$ 7-13 bilhões nos últimos dez anos, ou 26% da receita de energia da Weg no segmento”, aponta o BTG.

Além dos produtos citados acima, a WEG segue na ampliação do seu portfólio de produtos, com destaque para o ramo de automação. Os produtos mais relevantes dessa área são:

  • comando, controle e proteção de circuitos elétricos;
  • sistemas de eletrificação, aquisição de dados, supervisão e controle;
  • automação de máquinas;
  • eletrificação predial;
  • armazenamento de energia. Vemos este segmento como uma indústria promissora, sustentada por crescentes exigências de digitalização e eficiência energética.

Com a migração da mobilidade elétrica ganhando força no Brasil, a WEG está preparando um grande portfólio de produtos para atender a crescente demanda de nicho do mercado.

“Já é referência local neste segmento, fornecendo componentes elétricos automotivos locais e infraestrutura de carregamento para players de energia”, cita o BTG.

Ganho de market share no mundo

Fora do Brasil, a WEB conquistou um crescimento notável no mercado de motores elétricos por causa do ganho de market share.

Ainda que a companhia tenha um programa internacional de longa data, ela ainda é um pequeno player ao ser comparado com os líderes de mercado de algumas regiões. Entretanto, a WEG tem capacidade de ampliar a sua participação do mercado na medida em que aumenta a sua competência de fabricação no exterior, além do avanço do reconhecimento de marca.

“Acreditamos que as receitas externas da Weg cresceram 18% ao ano em 2005-21 em reais e 12% em dólares. Este crescimento (mais uma vez acima do crescimento do mercado de motores elétricos) reflete principalmente a conquista de market share em grandes mercados externos e a abertura de novos mercados”, diz o relatório.

O BTG Pactual estima que o faturamento da WEG no mercado dos Estados Unidos subiu 19% ao ano (CAGR 2005-21) em reais e 13% em dólares.

O avanço da verticalização da WEG na região possibilitou que ela se tornasse relevante em outros segmentos, como o mercado de transformadores. cuja participação no mercado norte-americano é de 7% em transformadores de distribuição e 4% em transformadores de potência.

Ademais, em setembro passado, a WEG inaugurou a sua quinta fábrica de transformadores na América do Norte.

“As receitas da EMEA cresceram 17% ao ano (2005-21 CAGR) em reais e 11% em dólares. A principal linha de produtos da Weg na região continua sendo seu principal produto, o motor elétrico, onde possui uma participação de mercado decente de 8%. Mas muitos segmentos correlacionados, como drives e motores de média tensão, ainda possuem pequena participação de mercado de 1% e 5%”, diz os analistas do BTG.

A Ásia também é um local de relevância para a WEG. Em vista disso, a multinacional brasileira está investindo pesado na sua capacidade de produção chinesa. Em consequência disso, a empresa expandiu a fábrica de Rugao.

A importância do câmbio para a WEG

A receita da WEG também varia conforme as principais tendências de preços do dólar e das depreciações do real. Logo, o câmbio é uma peça-chave para a companhia. Deste modo, há três motivos para refletir essa realidade:

  • a Weg continua sendo uma grande exportadora, principalmente no Brasil, beneficiando-se da grande escala de sua planta fabril de Jaraguá do Sul;
  • aumento da participação das operações externas no faturamento, uma vez que a Weg iniciou seu programa de internacionalização anos atrás;
  • a depreciação do real ajuda o poder de precificação da Weg nos mercados locais, pois a maioria dos concorrentes precisa importar componentes e/ou equipamentos.

“As vendas externas, que incluem exportações e receitas de operações no exterior, vêm crescendo em relevância para a Weg, passando de 37% da receita em 2004 para 54% em 2021”, destaca o relatório.

Vale a pena investir na WEG

Com base nas informações citadas, o BTG salienta que o desempenho histórico da WEG é impressionante. Porém, os analistas fazem a seguinte provocação: será que as frequentes crises macroeconômicas podem indicar que o crescimento recorrente do faturamento é sustentável?

Na avaliação deles, sim. O crescimento da receita da WEG é sustentável. Haja vista que o planejamento de crescimento da empresa se mantém próximo da realidade nos últimos dez anos, por exemplo.

“A mensagem acima nos leva a acreditar que nossa fórmula de crescimento sugerida é muito válida e nos deixa confiantes de que o ritmo de crescimento do faturamento persistirá por muitos anos”, encerra o relatório.

  • Quer saber como investir na WEG (WEGE3)? Preencha o cadastro que um assessor da EQI Investimentos irá entrar em contato.
newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias