Educação Financeira
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
Dólar em queda é janela para investir no exterior? Saiba agora!

Dólar em queda é janela para investir no exterior? Saiba agora!

Redação EuQueroInvestir

Redação EuQueroInvestir

10 Fev 2022 às 21:22 · Última atualização: 10 Fev 2022 · 6 min leitura

Redação EuQueroInvestir

10 Fev 2022 às 21:22 · 6 min leitura
Última atualização: 10 Fev 2022

Reprodução/Pixabay

O dólar vem apresentando queda frente ao real ao ponto de alcançar a menor cotação em 5 meses. Bons investidores enxergam isso como uma oportunidade, mas antes de investir é recomendável buscar informações.

É nesse sentido que este artigo faz um overview completo do cenário atual. Leia-o e entenda se vale a pena dolarizar parte do patrimônio investindo no exterior.

Confira!

Investir no exterior: o que dizer a respeito do histórico atual de cotação do dólar?

O histórico recente do dólar vem apresentando uma forte movimentação quando comparamos seu desempenho frente ao real. São vários topos e fundos em um espaço de tempo não tão grande assim.

Em um período de apenas 12 meses, tivemos a cotação caindo 16% e subindo o mesmo percentual, para agora apresentar queda novamente.

A máxima dentro desse tempo de R$ 5,87 foi alcançada em março de 2021, após diversas consequências causadas pela crise da pandemia e o início de um ano difícil para o Brasil.

A partir de então, diversos fatores contribuíram para o início de uma queda que levou o valor da moeda norte-americana para R$ 4,91 em junho do mesmo ano, caindo mais de 16%.

A partir de então, uma reversão teve início e os patamares altos foram alcançados novamente. A máxima de R$ 5,70 foi alcançada em dezembro do ano passado, indicando nova valorização percentual de dois dígitos.

Quem investiu em dólar naquela baixa experimentou ótimos ganhos, diga-se de passagem.

E eis que uma nova baixa se apresenta nesse momento. Apesar do cenário internacional dar indícios que a moeda dos Estados Unidos se valorizará, a cotação vem caindo e já apresenta a menor cotação em 5 meses.

O que estaria acontecendo para justificar uma queda tão acentuada?

Por quais motivos o dólar está se comportando dessa maneira?

Um dos principais fatores para ocasionar a queda da cotação do dólar recentemente certamente é a grande entrada da moeda no país.

A tirar pelo fechamento do ano passado, o crescimento do investimento estrangeiro na bolsa foi muito expressivo.

Nada menos que cerca de R$ 100 bilhões tiveram entrada registrada, batendo o recorde de 2009 que foi metade desse valor.

Para se ter ideia, cerca de 25% de toda a movimentação atual da B3 é promovida pelos estrangeiros.

No entanto, a conjuntura internacional e o cenário doméstico indicam que essa valorização do real frente ao dólar pode não ser permanente.

No exterior, o principal fator de atenção tem o foco no aumento da taxa de juros básica da economia dos EUA.

O Fed, Banco Central americano, já sinalizou e o mercado espera cinco altas nos juros esse ano e mais três no ano que vem.

Isso é um baita combustível para que o capital do mundo inteiro “fuja” para aplicações em títulos públicos norte-americanos, dada a sua solidez no pagamento de rendimentos.

Já no cenário nacional, 2022 promete ser um ano de muita agitação, principalmente pelas eleições presidenciais previstas para ocorrerem em 2 de outubro.

Normalmente, a volatilidade dos mercados fica bastante alta nesse período, e por conta da polarização recente vivida pelo país, o clima pode se acentuar mais ainda.

A queda atual pode ser entendida como uma oportunidade de investir no exterior?

A contar o cenário atual, o histórico passado e a perspectiva presente, um bom investidor pode ver com bons olhos a queda atual do dólar.

“O futuro a Deus pertence”, mas as condições apresentadas indicam períodos de forte turbulência para o real.

Se esse cenário se concretizar, é bastante provável que a moeda norte-americana se aprecie novamente frente à moeda nacional.

É nesses momentos que o capital de quem aproveitou a baixa momentânea pode se valorizar bastante.

Além disso, é sempre bom dolarizar parte do patrimônio, pois isso permite uma boa diversificação de carteira e diminui o risco Brasil.

As projeções indicam uma taxa de câmbio a R$ 5,60 ainda para o final de 2022. Segundo o BTG Pactual, o cenário base é R$ 5,60, sendo o cenário otimista R$ 5,40 e o pessimista, R$ 5,90.

Se for para comprar, que seja na baixa então.

Quais são as formas possíveis para os brasileiros investirem em dólar?

Veja a seguir as principais maneiras de dolarizar o patrimônio.

BDR

Os BDRs são uma maneira eficiente de investir em ações de empresas americanas. São títulos lastreados nos papéis de companhias negociadas em bolsas dos EUA e refletem o seu comportamento.

Como são negociados diretamente na B3, a bolsa brasileira, têm a vantagem da simplicidade. Não é necessário remeter dinheiro para o exterior para comprar ativos internacionais.

Entre as opções, encontram-se BDRs da Amazon (AMZO34), Google (GOGL34), Meta (FBOK34), Netflix (NFLX34) e tantos outros. Basta digitar o código e fazer a operação.

ETF

Já os ETFs também são uma forma muito prática de tornar parte do patrimônio dolarizado e investir no exterior. No entanto, eles possuem a particularidade de serem instrumentos condensados de investimento.

Isso ocorre porque os ETFs são fundos de investimento atrelados a algum índice do mercado. Alguns deles representam o investimento em várias empresas ao mesmo tempo.

Assim, o investidor não precisa analisar cada aplicação feita com seu recurso. O próprio ETF se encarrega disso ao acompanhar determinado índice financeiro.

Apenas como exemplo, é possível investir em dólar via ETF adquirindo títulos como o IVVB11, SPXI11 e SPXB11 que refletem o índice americano S&P500.

Ou ainda o NASD11, que acompanha o desempenho da bolsa NASDAQ, focada principalmente em empresas de tecnologia dos Estados Unidos.

Leia também: Conheça o GURU11, ETF da EQI Asset listado em bolsa
E mais: HASH11, primeiro ETF de criptos, já é o segundo em número de cotistas

Fundos de investimento

Por fim, há também a opção de investir em fundos de investimento e delegar a gestão para um profissional especializado em alocação de ativos financeiros.

Existem veículos no mercado com a política de investimentos totalmente voltada para o mercado internacional.

É o caso dos fundos cambiais, como o BTG DOLAR CAMBIAL FIC DE FI, que atualmente conta com patrimônio líquido de cerca de R$ 250 milhões.

A vantagem desse fundo é a baixa barreira de entrada: é possível começar a investir a partir de apenas R$ 100. Caso o investidor decida resgatar o valor investido, o prazo de liquidação é de apenas 1 dia.

Outra alternativa é buscar fundos que aloquem parte do seu patrimônio em operações no exterior. Nesse espectro, temos o EQI MACRO FIC FIM e o EQI LONG BIAS FIC FIM.

Ambos possuem estratégia de alocação internacional e pode-se investir neles com aporte inicial de R$ 500.

Live EQI discute tema na quinta-feira

Para quem quiser saber mais sobre as projeções para o dólar e os impactos nos investimentos, com foco no exterior, a EQI Investimentos promove na quinta-feira (10), às 19h15, uma live sobre política brasileira e internacional, com Alexandre Viotto, head de câmbio da EQI Investimentos, Denys Wiese, head de renda fixa da EQI, e William Castro, head de investimentos da Avenue, no canal da EQI Investimentos no Youtube.

Quer conhecer melhor os investimentos em dólar e as possibilidades para investir no exterior? Então preencha este formulário que um assessor da EQI Investimentos entrará em contato para apresentar as aplicações disponíveis!

newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias