Educação Financeira
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
Consórcio: entenda o que é e como funciona esta forma popular de fazer poupança

Consórcio: entenda o que é e como funciona esta forma popular de fazer poupança

Redação EuQueroInvestir

Redação EuQueroInvestir

26 Jan 2022 às 18:00 · Última atualização: 24 Jun 2022 · 8 min leitura

Redação EuQueroInvestir

26 Jan 2022 às 18:00 · 8 min leitura
Última atualização: 24 Jun 2022

img-capa

Banco Central

O consórcio é uma das formas mais populares de fazer poupança no Brasil. Basicamente, ele é uma forma de autofinanciamento, na qual um grupo se reúne com o objetivo de juntar dinheiro para viabilizar a compra de algum bem ou serviço.

Essa maneira de formar reserva financeira surgiu na década de 1960. Na ocasião, funcionários do Banco do Brasil reuniram pessoas que desejavam adquirir automóveis. Para isso, essas pessoas depositavam recursos mensalmente com o intuito de criar um fundo suficiente para que todos pudessem ter o seu automóvel.

A soma das contribuições de todos era suficiente para adquirir um veículo a cada mês. E, para decidir quem ficaria com o bem, a solução foi sortear o contemplado.

Regulamentação do consórcio

Com o surgimento da modalidade, veio também a criação da ABAC (Associação Brasileira das Administradoras de Consórcios) em 1967.

Na época, existia três tipos de administradoras: as ligadas às montadoras, as ligadas às concessionárias e as independentes. Nesse sentido, a ABAC tinha o objetivo de reunir essas administradoras e representá-las junto ao poder público.

Anos depois, em 1991, a regulamentação e fiscalização dos consórcios passaram a ser feitas pelo Banco Central, a partir da lei 8.177. No entanto, com o crescimento da modalidade no país, foi instituída a lei 11.795 em 2008, que é a que que regula os consórcios no Brasil atualmente.

Como funciona o consórcio?

Como vimos, o consórcio é formado por um grupo de pessoas (físicas ou jurídicas) reunidas para formarem um capital. Periodicamente, essas pessoas pagam parcelas a fim de formar esse capital que, posteriormente, servirá para adquirir algum bem ou serviço.

O prazo e o número de cotas de um consórcio são preestabelecidos. Também é predefinida a periodicidade na qual a administradora fará o sorteio de parte do fundo entre os participantes do consórcio.

O sorteio é uma das formas de os participantes receberem o crédito do consórcio. Se for sorteado, o cotista recebe o dinheiro para adquirir o bem ou serviço de forma antecipada, e continua pagando as prestações com as quais se comprometeu.

Outra maneira de receber o dinheiro é por meio de lances. Da mesma forma que em um leilão, o cotista pode dar lances (ou seja, antecipar parcelas) para ser contemplado mais rapidamente. Se houver capital suficiente em caixa, o maior lance será contemplado. Inclusive, há chances de mais de um cotista ser contemplado por lances no mesmo mês.

Dependendo do consórcio, há também a possibilidade de o cotista oferecer um lance fixo, que é igual para todos no grupo. Nesse caso, todos os consorciados oferecem o mesmo lance, e a carta contemplada será aquela com a numeração mais próxima da sorteada.

Contemplação

A contemplação acontece quando, por sorteio ou por lances, o cotista recebe os recursos do consórcio. Esses recursos são pagos por meio de uma carta de crédito, que a pessoa pode utilizar para adquirir o bem ou serviço no estabelecimento que desejar.

Vale observar que, na hora da aquisição do bem ou serviço, o consórcio permite algumas flexibilidades. Nesse sentido, o cotista pode optar por um item diferente do que era previsto inicialmente, desde que seja da mesma natureza.

Por exemplo: quem recebeu uma carta de crédito para comprar um carro, pode adquirir uma moto, se assim preferir. Ou, se a carta de crédito era da montadora “X”, nada impede que o cotista a utilize em um modelo da montadora “Y”.

Há também a possibilidade de que o cotista utilize recursos próprios para complementar o valor de um bem mais caro. No caso de imóveis, em alguns casos o saldo do FGTS pode ser utilizado para esse complemento.

Da mesma forma, quando o bem ou serviço for mais barato, o consorciado pode receber a diferença em dinheiro. Nesse caso, é preciso respeitar algumas condições em relação a prazo e eventuais obrigações pendentes.

Quando o cotista ainda tem prestações a serem pagas, é preciso que apresente garantias adicionais para utilizar a carta de crédito. No caso deconsórcio de veículos, a garantia é o próprio bem, que fica alienado à administradora até o pagamento total das parcelas.

Principais tipos de consórcios

Ao contrário do que muitos pensam, um consórcio não serve somente para adquirir bens. Ele pode ser utilizado como um eficiente instrumento de planejamento financeiro para diversas finalidades, como uma viagem ou um procedimento de saúde ou estético, por exemplo.

A seguir, conheça os principais tipos de consórcios do mercado.

Consórcio de veículos

Esse é o tipo mais popular de consórcio. Normalmente, ele visa aquisição de carros e motos, tanto novos quanto seminovos. Mas também é possível adquirir via consórcio bens como tratores, barcos e, até mesmo, aeronaves.

Em relação a outras formas de financiamento, é mais vantajoso financeiramente adquirir um carro via consórcio. Além disso, é possível ter mais de um consórcio em andamento. Isso auxilia quem possui frota de veículos e deseja renová-la ou expandir o negócio, por exemplo.

Consórcio de imóveis

Outra modalidade bastante conhecida de consórcio é a de imóveis, sejam eles para uso residencial, comercial, imóveis rurais ou mesmo adquiridos na planta.

Além dos benefícios já vistos, esse tipo de consórcio tem outra vantagem, que é a de possibilitar o financiamento a quem já tem um imóvel. Isso porque quem já tem uma propriedade imobiliária não consegue financiar outra pelo Sistema Financeiro de Habitação (SFH).  Além disso, o SFH também não permite que sejam financiados imóveis comerciais ou terrenos sem construção. Nesse sentido, o consórcio é bem mais flexível, pois prevê todas essas possibilidades.

Consórcio de eletrodomésticos e outros bens móveis

Itens como televisores, computadores, tablets, geladeiras, móveis e diversos outros também podem ser adquiridos por meio de consórcios.

Dependendo da urgência, pode ser bem mais vantajoso adquirir esses bens via consórcio. Dessa forma, há mais prazo para pagar e o consumidor evita os juros das lojas. Quem está iniciando o projeto da casa própria, por exemplo, pode investir em um consórcio de moveis planejados.

Consórcio de serviços

Provavelmente, essa seja a modalidade menos conhecida entre os consórcios. No entanto, pode-se contratar viagens internacionais, festas de casamento ou aniversário, cirurgias plásticas, cursos e diversos outros tipos de serviços.

Aqui, novamente a grande vantagem é o planejamento financeiro antecipado. Digamos que você esteja pensando na festa de casamento, ou no intercâmbio que fará daqui a alguns anos. Ao programar um consórcio, você tem condições de diluir esses custos no tempo. Além disso, os preços são bem mais acessíveis do que se tomasse um empréstimo ou financiamento junto ao seu banco.

poupança

Vantagens e desvantagens dos consórcios

Uma das grandes vantagens de um consórcio é não precisar dar uma entrada para adquirir um bem ou serviço. Além disso, também não é necessário apresentar garantias adicionais antes da contemplação.

Se tiver sorte, o consorciado pode ser sorteado logo no início, receber sua carta de crédito e continuar pagando as prestações já de posse do objeto do consórcio.

Outro ponto positivo é o fato de os consórcios serem regulados e fiscalizados pelo Banco Central. Isso confere mais segurança aos participantes da modalidade.

Por outro lado, caso o consorciado não seja sorteado rapidamente e não consiga dar lances, pode demorar bastante para que seja contemplado. E isso deve estar bem claro no seu planejamento financeiro, para evitar frustrações.

Outro ponto a considerar são os custos do consórcio. Um deles é a taxa recebida pela administradora, que é calculada sobre o valor do bem ou serviço e dividida pelo prazo total.

Imagine um consórcio de 50 parcelas, com taxa de administração total de 15% e valor do bem de R$ 30 mil. Dessa forma, temos:

15% / 50 parcelas = 0,3% ao mês

R$ 30 mil + 0,3% ao mês = R$ 90

Ou seja, a cada mês, o consorciado terá um acréscimo de R$ 90 referente à taxa de administração.

Além disso, pode haver outras cobranças, como seguro e contribuições para fundo de reserva. Por isso, é muito importante observar todos esses detalhes no contrato de cada administradora.

Consórcios na EQI Investimentos

A EQI Investimentos tem consórcios para todas as categorias. Os mais comuns são para imóveis e automóveis, mas há também consórcios para serviços.

Em relação ao consórcio de imóvel, pode ser feito tanto para compra do bem já construído quanto para reformas ou, até mesmo, para compra do terreno. Já na parte de automóveis, as operações contemplam também veículos de luxo, caminhões e implementos agrícolas.

Um dos principais diferenciais de EQI nos consórcios é o atendimento personalizado. Nesse sentido, Cauê Ostetto, head de consórcios da EQI, afirma que sempre se busca entender o que o cliente deseja. Dessa forma, a equipe consegue buscar as melhores alternativas para cada caso.

“Quando o cliente tem dúvidas, explicamos detalhadamente como funciona o consórcio. Se a ideia é financiar um imóvel, fazemos um comparativo de custos. Nesse caso, mostramos que ele pagará uma taxa mais alta se buscar um financiamento bancário”, exemplifica o especialista da EQI.

Há também a possibilidade de o cliente trocar a dívida de um financiamento imobiliário por um consórcio. “Isso faz com que reduzam o prazo e as parcelas, pois os custos do consórcio são bem mais em conta do que os de um financiamento”, observa Cauê.

Quer saber mais a respeito dos consórcios na EQI? Então, preencha o formulário abaixo para que um especialista entre em contato com você!

newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias