Educação Financeira
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
CDB pré ou pós: qual deles escolher? Saiba agora!

CDB pré ou pós: qual deles escolher? Saiba agora!

Redação EuQueroInvestir

Redação EuQueroInvestir

23 Fev 2022 às 19:12 · Última atualização: 24 Jun 2022 · 6 min leitura

Redação EuQueroInvestir

23 Fev 2022 às 19:12 · 6 min leitura
Última atualização: 24 Jun 2022

CDB pré ou pós

Existe muita dúvida sobre CDB pré ou pós a respeito de qual deve ser o escolhido para uma carteira de investimentos. A verdade é que isso dependerá dos objetivos do investidor, pois os dois papéis são bons e são indicados para compor um bom portfólio.

Acompanhe o artigo abaixo e tire todas as suas dúvidas referentes a esse assunto. Confira agora!

CDB pré ou pós: quais são as razões para investir em renda fixa?

Existem alguns motivos pelos quais a renda fixa sempre terá sua utilidade em uma carteira de investimentos. Sendo assim, essas razões são atemporais, não dependem das condições macroeconômicas.

Um desses motivos é manter a reserva de emergência devidamente investida. Como se trata de uma parcela do capital que não pode ficar exposta a riscos, a renda fixa é o veículo mais indicado para aportar esse investimento.

Outro ponto fundamental é quando um portfólio de investimento possui aplicações em renda variável com uma parcela do capital.

A renda fixa nesse caso surge como responsável pelo controle de risco, impedindo que a volatilidade afete muito toda a carteira.

E há também os motivos pelos quais o investimento em renda fixa se torna atraente devido às condições macroeconômicas. Nesse caso, pode ser bastante rentável fazer essas aplicações quando a taxa Selic está mais alta.

Devido a crise do corona vírus, foi exatamente isso que aconteceu. A inflação aumentou em todos os países, inclusive no Brasil.

Como medida protetiva da economia, o Governo Federal iniciou um aumento na taxa de juros básico da economia, e ainda está promovendo essa elevação.

Assim, uma taxa Selic de dois dígitos representa uma ótima oportunidade de fazer aplicações rentáveis na renda fixa, em títulos como o CDB, por exemplo.

O que é um certificado de depósito bancário (CDB)?

O certificado de depósito bancário, mais conhecido como CDB, é um título emitido por um dos três grandes grupos de emissores de títulos do mercado de renda fixa.

Estamos falando das instituições financeiras, que são mais lembradas pelos bancos, apensar de existirem outros emissores dentro dessa categoria. Um exemplo são as sociedades de crédito.

Quando um investidor adquire um CDB, ele empresta seu dinheiro para a instituição que, por sua vez, usará o recurso em sua carteira de crédito junto aos seus clientes.

Em contrapartida, o investidor recebe uma taxa de juros que pode ser pré ou pós determinada, a depender das características do papel.

Um grande ponto que joga a favor de um CDB é que ele conta com a proteção do FGC, o Fundo Garantidor de Crédito.

Caso a instituição venha a falir, o investidor pode ser ressarcido em até R$ 250 mil por cada instituição que tiver aplicações em CDB, limitadas ao teto de R$ 1 milhão.

O que é um CDB pré fixado?

O CDB pré fixado é aquele título no qual o investidor aplica seu recurso já sabendo qual será a rentabilidade ao final do período.

Ou seja, o percentual de juros que sua aplicação renderá já é previamente conhecido, como 12% ao ano, por exemplo.

Desse modo, não há surpresas quanto ao rendimento final, desde que o investidor mantenha seu título até o vencimento.

No entanto, caso ele precise resgatar o valor antecipadamente, terá que vender seu título no mercado secundário.

Nesses casos, o investidor fica sujeito ao mecanismo conhecido como “marcação a mercado”, quando o valor futuro é trazido a valor presente e o papel é precificado de acordo com as taxas de juros praticadas no momento.

Dependendo do cenário econômico, o investidor pode até mesmo resgatar menos dinheiro do que investiu.

No entanto, pode ser que o acordo inicial com a instituição bancária preveja que o mínimo a ser resgatado seja de fato a quantia investida.

Assim, em caso de resgate antecipado ele não perde nada, mas também não ganha. Por isso o planejamento da aplicação é fundamental.

O que é um CDB pós-fixado?

Já o CDB pós-fixado tem algumas características interessantes também. Uma delas é que não é possível saber qual será a rentabilidade ao final do período contratado.

Isso pode causar arrepios em investidores mais conservadores, mas não é preciso aflição.

Apesar de não conhecer exatamente a rentabilidade apurada no final, sabe-se que ela sempre será positiva. Por isso, o investidor não precisa se preocupar.

Isso acontece porque o CDB pós-fixado sempre é atrelado (acompanha) a um indicador de mercado. Se o indicador eleva sua rentabilidade, o CDB renda mais. Se o indicador é rebaixado, o CDB rende menos.

No entanto, o CDB sempre terá rentabilidade positiva.

Os indicadores mais usados em títulos pós-fixados são 3, basicamente: a taxa Selic, o CDI e a inflação, representado pelo IPCA. Esse é o índice do IBGE tomado como indicador oficial da inflação no Brasil.

No caso dos CDBs, é muito comum vê-los atrelados ao CDI. Assim, essa modalidade de aplicação financeira vem expressa em seu título a rentabilidade como um percentual do CDI.

Exemplos são 105% do CDI ou mesmo 115% do CDI.

Cabe ao investidor analisar qual dos papéis fazem mais sentido para a sua carteira em determinado momento.

CDB pré ou pós: qual deles escolher?

A resposta a essa pergunta pode frustrar muitos investidores, mas infelizmente é a mais pura verdade: depende.

Para escolher adequadamente o CDB a ser colocado na carteira, é preciso considerar diversos fatores e, como eles variam de investidor para investidor, a decisão acaba sendo muito particular de cada um.

Para quem deseja compor uma reserva de emergência, talvez o pós-fixado seja a melhor alternativa. Pois como o próprio nome diz pode ser que haja uma emergência e haja necessidade de resgatar o valor.

Para não incorrer em perdas, é melhor deixar o valor aplicado no pós-fixado.

No entanto, caso o investidor tenha uma previsibilidade de manter o recurso aplicado por mais tempo, pode-se optar pelo pré fixado. Caso o investidor encontre uma taxa interessante, nada o impede de fazer a aplicação nesse papel.

Para saber qual CDB pré ou pós escolher, é preciso ter antes em mente quais são os objetivos, e isso deve ser feito de modo muito claro. Sabendo disso, basta consultar o mercado em busca dos melhores títulos disponíveis.

BTG Talks
newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias