Economia
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
Serviços puxam alta de 0,6% da atividade, diz Monitor do PIB da FGV

Serviços puxam alta de 0,6% da atividade, diz Monitor do PIB da FGV

Redação EuQueroInvestir

Redação EuQueroInvestir

20 Abr 2022 às 14:28 · Última atualização: 24 Jun 2022 · 4 min leitura

Redação EuQueroInvestir

20 Abr 2022 às 14:28 · 4 min leitura
Última atualização: 24 Jun 2022

Foro mostra praia com guarda-sóis na metade inferior e mar azul na metade superior. O setor de serviços teve impacto positivo no aumento da previsão do PIB segundo a Fundação Getúlio Vargas

Pixaby

O Monitor do PIB-FGV apontou aceleração da atividade econômica no Brasil no mês de fevereiro, com crescimento de 0,6% em comparação com janeiro e de 1,1% no trimestre móvel encerrado em fevereiro, em comparação com o fechamento de novembro.

Gráfico do PIB estimado pelo monitor do PIB-FGV que mostra alta puxada pelo setor de serviços

Na comparação interanual a economia cresceu 1,2% em fevereiro e 1,7% no trimestre móvel findo em fevereiro. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (20) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV Ibre).

Em termos monetários, estima-se que o acumulado do PIB no primeiro bimestre de 2022, em valores correntes, tenha sido de R$ 1,332 bilhões.

Serviços em alta por causa de demanda reprimida

“O crescimento da economia brasileira em fevereiro continua sendo explicado, principalmente, pelo desempenho do setor de serviços. Este setor segue com variação interanual acima da observada na agropecuária e na indústria, em praticamente todos os meses, desde meados do ano passado”, explica Juliana Trece, coordenadora da pesquisa.

Para a pesquisadora, o bom resultado de serviços é natural neste retorno a uma espécie de “normalidade pós-pandemia”, já que foi o setor econômico mais impactado pelos efeitos do cenário de prevenção e combate à covid-19.

Mas ela alerta que as perspectivas para o setor são preocupantes no médio de longo prazo. “O combo formado por inflação, juros e desemprego elevados podem prejudicar a sustentação do crescimento da atividade de serviços no decorrer do ano e, consequentemente, do próprio PIB”, afirma Juliana Trece.

Consumo das famílias também em alta

O consumo das famílias cresceu 2,1% no trimestre móvel encerrado em fevereiro em comparação ao mesmo período do ano passado. Pelo quinto mês consecutivo, no entanto, o componente de serviços foi o único a apresentar taxas positivas que foram influenciadas, principalmente, pelo desempenho dos segmentos de transporte e de outros serviços (serviços de alojamento, alimentação e domésticos).

Destaca-se, no entanto, a forte queda de -8,6% do consumo de bens duráveis. O setor, com produtos mais caros, geralmente sofre em cenários de queda da renda, no qual a prioridade para a ser o consumo de alimentos e produtos mais baratos.

Formação bruta de capital fixo

O índice de FNCF (Formação Bruta de Capital Fixo) cresceu 0,4% no trimestre móvel encerrado em fevereiro em comparação ao mesmo trimestre do ano anterior. Apenas o componente de máquinas e equipamentos apresentou retração, nesta comparação devido a quedas disseminadas entre diversos segmentos deste componente, com destaque para os caminhões, outros veículos e outras máquinas e equipamentos.

Comércio exterior

A exportação apresentou crescimento de 12,5% no trimestre móvel encerrado em fevereiro em comparação ao mesmo período do ano passado. O principal responsável por esse crescimento foram as exportações de produtos agropecuários. Em contrapartida, apenas as exportações de produtos da extrativa mineral apresentaram retração, nesta comparação.

Já a importação apresentou retração de 2,1% no trimestre móvel findo em fevereiro em comparação ao mesmo período do ano passado. O desempenho de bens de capital e bens intermediários, que caíram -20,1% e -5,7%, foram os que mais influenciaram na retração das importações. Além deles, a importação de produtos agropecuários também recuou -17,8%.

Taxa de investimento

Gráfico mostra eolução da taxa de investimento, que em fevereiro ficou em 19,9% do PIB, segundo dados do Monitor do PIB-FGV

O gráfico acima mostra que a taxa de investimento em fevereiro de 2022 foi de 19,9%, na série a valores correntes. Este resultado apresenta uma taxa de investimento acima dos meses anteriores e também superior à taxa de investimento média mensal, considerando tanto o período desde 2000 como o recorte desde janeiro de 2015.

O que é o Monitor do PIG-FGV

O Monitor do PIB  foi criado pela FGV a fim de prover a sociedade de um indicador mensal do da atividade econômica, tendo como base a mesma metodologia das Contas Nacionais Trimestrais (CNT) do IBGE. Nos meses em que não há a divulgação da estatística oficial, o monitor serve como antecipação de tendências da indicação do PIB.

  • Quer saber se vale a pena incluir empresas de serviços nos seus investimentos? Preencha este formulário e um assessor da EQI Investimentos entrará em contato para tirar todas as suas dúvidas!
A retomada das Criptos?
newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias