Educação Financeira
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
Recessão: entenda o que é e como investir neste cenário

Recessão: entenda o que é e como investir neste cenário

Redação EuQueroInvestir

Redação EuQueroInvestir

04 Abr 2022 às 22:28 · Última atualização: 24 Jun 2022 · 6 min leitura

Redação EuQueroInvestir

04 Abr 2022 às 22:28 · 6 min leitura
Última atualização: 24 Jun 2022

recessão: ilustração com prédios, investidor e uma seta vermelha para baixo, indicando queda

Reprodução/Pixabay

Um cenário de recessão é ruim para todos os envolvidos. Tanto um governo deixa de arrecadar quanto seus cidadãos ficam com sua renda comprometida. Investir em um momento desses pode ser bastante difícil.

Este artigo explica melhor como agir em um momento de recessão. Leia-o até o fim e aprenda de vez o que fazer!

O que é recessão?

Não é novidade ouvirmos as palavras recessão e crise no Brasil. No entanto, não é só aqui que isso acontece. Independente do local onde o evento ocorre, a caracterização se dá da mesma forma.

Assim, podemos afirmar sem medo de errar que entrar em recessão está ligado diretamente com o Produto Interno Bruto (PIB) de um local. Quando há retração de acordo com modelos pré-existentes, diz-se que a situação se instalou.

Logicamente, é preciso que haja um desempenho ruim do PIB para determinar a ocorrência de uma recessão. O início de todo o processo é a queda desse indicador por dois trimestres consecutivos.

Como estamos abordando efeitos de crise, logicamente seus efeitos são ruins para a população. Dependendo da gravidade do processo, pode levar um tempo considerável para a recuperação se concretizar.

Quais são os tipos de recessão existentes?

Existem pelo menos 3 etapas em um quadro de recessão econômica. Acompanhe maiores detalhes a seguir.

Recessão Técnica

A recessão técnica é o início de um processo de recessão e atende especialmente os conceitos técnicos econômicos. Dizemos que esse cenário é caracterizado quando há resultado negativo do PIB por 2 trimestres consecutivos.

Como esse é o início do processo, não se pode decretar uma recessão de fato. O local em questão pode se recuperar e a queda da atividade econômica pode se mostrar pontual.

Recessão econômica

No entanto, se o cenário perdurar indicando que não houve recuperação do PIB após os 2 trimestres ruins, pode-se afirmar que uma situação de recessão está sendo vivida.

Medidas austeras precisam ser tomadas e, a depender do caso em questão, até mesmo um socorro externo pode ser necessário. Isso pode se fazer necessário para evitar o pior dos cenários, a depressão econômica.

Depressão econômica

Uma depressão é caracterizada por longos períodos de recessão e por uma queda acentuada do PIB. Níveis negativos acima de 10% já indicam um cenário bastante preocupante.

É normal que haja redução da atividade econômica em ciclos. Mas quando a queda é grande e a situação se arrasta por muito tempo, é sinal que existem graves problemas.

Nenhuma crise deve durar mais de um ano e meio. E quando altas taxas negativas perduram por mais de três anos, está instalado um cenário depressivo da economia.

Quais são as causas de uma recessão econômica?

Veja a seguir o que pode causar uma recessão econômica.

Condução equivocada da política econômica

A execução de uma política econômica ligada aos interesses do país e ao bem-estar dos cidadãos que nela residem é essencial para a prosperidade. Não seguir esse tipo de filosofia pode custar muito caro para uma nação.

Sendo assim, os fatores racionais de mercado precisam ser seguidos e não diretrizes ideológicas. Medidas equivocadas dessa natureza têm levado a economia de alguns países à ruína.

Manipulação de preços, uso político de estatais e elevação indiscriminada da taxa de juros, aumentando a dívida pública se inserem nesse pacote de medidas.

Como exemplo, podemos citar a profunda recessão econômica vivida pelo Brasil na década passada. O PIB interno retraiu mais de 6% em apenas 2 anos.

Instabilidade política

Cenários políticos conturbados também podem levar a períodos de recessão. Quando os investidores externos veem ameaça ao capital privado, é normal que haja fuga desse tipo de recurso.

Muito desse dinheiro está aplicado em empresas que geram empregos. Quando essas empresas mudam para outros países por ocasião de políticas públicas desordenadas, muitos empregos são perdidos.

Recentemente, vimos o país vizinho da Argentina passar por uma situação semelhante, com empresas transferindo-se para o Uruguai e causando desemprego em massa.

Desastres ambientais de grandes proporções

Nem sempre uma recessão está ligada a aspectos políticos, é verdade. Podem acontecer catástrofes de cunho ambiental que prejudiquem o avanço da economia por ocasião de um direcionamento de esforços.

É o caso de terremotos e ciclones, que são capazes de destruir toda uma região. Ou ainda eventos isolados como uma pandemia.

Desastres de grandes proporções em instalações industriais também podem ter grandes efeitos destrutivos. É o que ocorre em vazamentos de óleos nos oceanos, rompimento de barragens e acidentes nucleares.

Como investir em períodos de recessão?

Os períodos de recessão econômica talvez sejam os mais delicados para fazer os investimentos. Dependendo do agente causador da situação de crise, investir pode se tornar inviável, até por ocorrência de confisco.

Que todos lembrem do acontecido com a caderneta de poupança na década de 90. Até hoje existem pessoas tentando reaver valores por meio da via judicial.

No entanto, nem sempre a situação é essa e existe alguma “brecha” de mercado para fazer aportes. Mas é preciso algum grau de conhecimento.

Um exemplo de uma ação equivocada nesse sentido pode ser adquirir títulos públicos considerados “podres” pelo mercado financeiro.

Algum investidor pode pensar que está se protegendo da crise por buscar papéis do governo de seu país. No entanto, não foi isso que se verificou em relação ao governo da Venezuela em um passado não muito distante.

Uma saída pode ser buscar mercados externos que não estejam passando por dificuldades financeiras. Antigamente, esse tipo de estratégia era de alta complexidade e acessível somente a grandes investidores.

No entanto, o cenário mudou e hoje é possível abrir conta em corretoras americanas com poucos cliques. A remessa de dinheiro também ocorre de maneira facilitada e o capital fica disponível para investir em outros países.

O certo é que deve-se contar com uma assessoria de qualidade, pois assim o investidor pode ser bem orientado em um momento difícil como o de uma recessão.

Recomendações da EQI Investimentos

De acordo com as recomendações da EQI Investimentos, papéis pré-fixados, IPCA+ e ações de valor são os investimentos mais recomendados em caso de recessão.

“Quando a inflação começar a ceder, em função dos juros altos que já estamos tendo, abre-se espaço para a queda dos juros e, assim, inicia-se uma nova fase de expansão. Imagino que passadas as eleições, em 2023, já iniciaremos um novo ciclo”, diz Denys Wiese, economista e head de renda fixa da EQI.

  • Quer entender mais sobre recessão e como ela impacta os seus investimentos? Então preencha este formulário que um assessor da EQI Investimentos entrará em contato!
newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias