Educação Financeira
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
Como funciona a portabilidade na previdência privada? Saiba aqui!

Como funciona a portabilidade na previdência privada? Saiba aqui!

Redação EuQueroInvestir

Redação EuQueroInvestir

15 Fev 2022 às 21:15 · Última atualização: 15 Fev 2022 · 6 min leitura

Redação EuQueroInvestir

15 Fev 2022 às 21:15 · 6 min leitura
Última atualização: 15 Fev 2022

idoso calculando aposentadoria

Como escolher o plano de previdência privada. Crédito da imagem: Reprodução/Internet

Fazer a portabilidade na previdência privada significa buscar melhores condições de rendimento para um capital de longo prazo. Por meio desse mecanismo, é possível movimentar recursos sem perder nada do patrimônio. Essa é a única modalidade de transferência de dinheiro que não se paga nada a intermediário nenhum (nem mesmo o governo).

Confira no artigo abaixo tudo o que é preciso saber para se beneficiar desse importante meio de mudar de plano de previdência privada!

Aproveite o texto e tenha uma boa leitura!

O que é a portabilidade na previdência privada?

Em todos os aspectos da vida, quando se está insatisfeito com algum serviço prestado, a tendência é fazer a troca para um melhor. Se “em time que está ganhando não se mexe”, em time perdedor a mudança é mais que necessária.

Com os planos de previdência ocorre a mesma coisa, mas ainda existem pessoas que não sabem disso.

Trata-se do sofisticado mecanismo de portabilidade, no qual é possível mudar de fundo previdenciário, instituição ou os dois ao mesmo tempo.

A sofisticação mencionada remete ao fato de que essa é uma movimentação de capital que não gera qualquer tipo de custo. Isso não acontece em nenhum outro veículo de investimento em todo o mercado financeiro brasileiro.

Sim, isso mesmo: a portabilidade é exclusiva dos fundos de previdência.

Para se ter uma ideia desse grande benefício, imagine movimentar recursos de um fundo de investimento tradicional: é preciso pedir o resgate, esperar a liquidação para só então obter o valor líquido, descontado os impostos.

Nesse caso, intermediários ficam com uma parte do patrimônio antes de ele ser devolvido ao investidor para ser reaplicado em outro investimento.

Com a previdência isso não acontece. A portabilidade permite que todo o recurso seja movimentado sem perder um centavo sequer do patrimônio já acumulado.

Nem mesmo o governo mete a mão no dinheiro nessa movimentação. É muito poder para uma aplicação só!

Quais são as razões para fazer uma portabilidade de previdência privada?

Acompanhe os principais motivos que podem levar um investidor a optar pela portabilidade. Confira.

Rentabilidade

Um dos principais motivadores para proceder à portabilidade é uma baixa (ou baixíssima) rentabilidade de um plano de previdência privada.

E isso não é difícil de acontecer, já que grande parte dos fundos previdenciários tradicionais rendem abaixo do CDI.

É uma vergonha para o patrimônio de longo prazo da nação, pois há nada menos que R$ 1 trilhão em previdência hoje no Brasil.

Tanto dinheiro assim rendendo pouco significa baixa geração de riqueza e desperdício de grande potencial.

Dessa forma, assim que o investidor constatar que seu plano rende pouco, deve buscar outro melhor.

É possível constatar o rendimento passado de um fundo de previdência digitando seu nome ou seu CNPJ em ferramentas como o comparador de fundos.

Taxas

Outro forte motivador de uma portabilidade é a existência de taxas em grande número ou de altos percentuais cobrados das taxas que não deixam de incidir.

A famosa “taxa de carregamento” é um verdadeiro desastre e não tem nenhuma obrigatoriedade de existir. Ela pode incidir na aplicação de recursos ou no resgate e pode chegar a incríveis 5% do valor transacionado.

Isso quer dizer que a aplicação do investidor valerá apenas 5%. É inacreditável…

Já as taxas obrigatórias, como a taxa de administração, devem corresponder à realidade do mercado. Fundos de renda fixa têm taxas mais baixa e fundos de renda variável cobram mais.

Tudo bem se o rendimento final se justificar, mas existem fundos de renda fixa que cobram taxa de fundo de renda variável. Aí não dá, né?

Estratégia

É comum que haja mudanças nos objetivos do investidor em prazos muito longos e esse é o caso do investimento em previdência privada.

Pode ser que uma estratégia muito concentrada em renda fixa mude para ter alguma parcela do capital empregado em renda variável.

Caso o fundo atual não comporte tal estratégia, pode ser interessante mudar de plano.

Um ponto importante cabe aqui: a mudança não precisa ser integral. O capital pode ser “fatiado” de modo que diferentes percentuais sejam destinados a fundos com diferentes estratégias de alocação.

Esse é o conceito de carteira previdenciária, no qual o patrimônio é distribuído em diversos fundos com volatilidade e risco diferentes, de modo a aumentar a rentabilidade do investidor no médio e longo prazo.

Instituição

Por fim, existe também a probabilidade do investidor se sentir mal atendido pela instituição na qual mantém sua previdência privada.

Pedidos não atendidos, falta de contato, distanciamento no relacionamento… Tudo isso contribui para que um investidor perca o interesse por determinada instituição.

Se somado a esses fatores existir algum dos outros citados, certamente é o momento de buscar outros planos e instituição para se relacionar.

Previdência é investimento de longo prazo a é preciso ter um bom tratamento para que os resultados sejam os melhores possíveis.

Como fazer a portabilidade?

Para fazer a portabilidade de uma previdência privada, basta observar se o interesse é em mudar apenas de fundo de previdência (portabilidade interna) ou se de instituição (portabilidade externa).

No primeiro caso, o investidor muda de fundo de investimento, escolhendo algum outro que faz parte da instituição da qual já é participante.

Nesse caso, ele pode decidir mover todo o capital ou apenas uma parte, fatiando o recurso investido.

Já o segundo caso ocorre geralmente quando um investidor não se sente mais à vontade com a instituição com a qual se relaciona. Nesse caso, será uma portabilidade externa, pois seu recurso irá para outra gestora.

Para fazer esse procedimento, basta entrar em contato com a instituição fim e informar seu desejo de migrar. Ela fará os procedimentos necessários e o investidor apenas confirmará a operação junto à antiga instituição.

A portabilidade na previdência privada é um sofisticado mecanismo de migração de capital. Com ele, é possível migrar de plano ou mesmo distribuir melhor o capital em vários fundos previdenciários, montando uma carteira de previdência. Esse tipo de estratégia é muito inteligente, pois assim a gestão de recursos não fica a cargo de uma única gestora de recursos.

  • Quer conhecer melhor os investimentos em renda variável? Então preencha este formulário que um assessor da EQI Investimentos entrará em contato!
  • Confira aqui como um assessor de investimentos pode te ajudar em 2022!
newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias