Educação Financeira
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
Previdência privada: o que é? Como funciona? Descubra!

Previdência privada: o que é? Como funciona? Descubra!

Redação EuQueroInvestir

Redação EuQueroInvestir

29 Jan 2022 às 10:02 · Última atualização: 29 Jan 2022 · 5 min leitura

Redação EuQueroInvestir

29 Jan 2022 às 10:02 · 5 min leitura
Última atualização: 29 Jan 2022

rentabilidade; previdência privada

Investir em previdência privada é uma ótima ideia para quem quer uma alternativa ao sistema previdenciário público. O sistema de partilha pelo qual este funciona está fadado ao fracasso e quem paga o INSS hoje corre o sério risco de receber um calote no futuro.

Pensando no seu bem, escrevemos este artigo para elucidar melhor o que é a previdência privada, quais são suas características e suas principais vantagens. Você saberá de tudo isso percorrendo esta leitura.

Acompanhe o texto a seguir e fique mais bem informado sobre esse investimento!

O que é previdência privada?

A previdência privada recebe esse nome porque se trata de um plano de aposentadoria feita por entes da iniciativa privada.

Também chamada de previdência complementar, ela pode ter a finalidade de ser uma renda auxiliar para quem pretende se aposentar pela previdência pública, o INSS.

Com as mudanças nas regras de aposentadoria aprovadas pelo governo em 2019, a procura por esse tipo de investimento aumentou bastante.

A razão disso é que, além de se tornar mais difícil se aposentar pelo órgão público, não há esperança de que esse sistema dê certo.

Apesar da reforma, o sistema de pagamento continua sendo o de partilha, já que se rejeitou a capitalização.

Assim, o quadro se assemelha mais a uma pirâmide, com os novos entrantes bancando o pagamento dos mais antigos.

Como a população brasileira envelhece mais a cada ano que passa, por conta do aumento da qualidade de vida, naturalmente existirão mais recebedores que pagadores e o sistema inevitavelmente quebrará.

Perceba: não se trata de uma possibilidade, mas de uma certeza matemática. O sistema de partilha é fadado ao fracasso, é só uma questão de tempo.

Foi o que verificou-se em países como Itália e Japão. Certamente esse dia chegará também para o Brasil e quem contribui hoje (compulsoriamente) para o INSS corre sério risco de não ter o retorno esperado no futuro.

Vem daí a real importância de construir a própria aposentadoria em vez de contar com um sistema que serve mais para transferência de riqueza do que para assistir seus contribuintes.

Quais são as características básicas de uma previdência privada?

Apresentamos a seguir os três atributos básicos de uma previdência privada.

Lembrando que todos eles são independentes entre si, o que quer dizer que um plano pode ser montado escolhendo qualquer um dos pontos descritos entre si.

Acompanhe.

Regime de tributação

A primeira característica importante de uma previdência privada é o regime de tributação. Nesse sentido, o investidor tem duas opções.

A primeira delas é optar pelo regime progressivo de tributação. Esse modelo segue a tabela de pagamento de IR da Receita Federal e tem esse nome porque a alíquota progride em relação ao valor do saque.

Quanto maior o valor, mais imposto é pago.

No entanto, existe uma faixa de isenção e esse tipo de tributação se mostra vantajosa para quem quer usufruir do recebimento de valores menores.

Já o segundo modelo é a tributação regressiva. Ela tem esse nome porque sua alíquota diminui, mas não em relação ao valor do saque e sim com o passar do tempo.

Quanto mais tempo o recurso permanecer aplicado, menor será o pagamento de imposto de renda. A tabela alcança a tributação mínima após 10 anos de prazo, quando a alíquota será de 10%.

É o menor pagamento de IR de todo o mercado financeiro brasileiro.

Tipo de plano

A segunda característica é relacionada ao tipo de plano de previdência. Este pode ser do tipo VGBL ou PGBL. A distinção entre os dois se dá em um único ponto apenas: a parcela na qual incide o imposto de renda.

Nos planos VGBL, o pagamento de imposto de renda é aplicado apenas sobre o lucro da operação. Se o investimento total foi de R$ 10 mil e o valor no ato do resgate é de R$ 12 mil, irá se pagar imposto apenas sobre o lucro de R$ 2 mil.

Já se o plano for do tipo PGBL, o imposto no exemplo acima incidirá sobre os R$ 12 mil. Ou seja, é preciso pagar tributos sobre o rendimento do período e também sobre o capital aplicado.

A razão disso é que em planos PGBL existe uma dedução possível da base de cálculo do imposto de renda de até 12%.

Assim, supõe-se que esse valor deixou de ser tributado na base comum de ajuste anual de IR e foi para o plano PGBL, sem nunca ter pago imposto.

Por isso, nunca se deve ter um plano PGBL se os ganhos forem abaixo de R$ 144 mil por ano, pois os 12% dedutíveis seriam menores que o desconto máximo permitido pela declaração de IR no modelo simplificado.

Rendimento

Por fim, tem-se a terceira característica básica de uma previdência privada. Ela diz respeito ao rendimento do plano e isso tem relação apenas com uma coisa: o fundo previdenciário no qual são aplicados os recursos.

A indústria de fundos de previdência evolui muito nos últimos anos e hoje é possível encontrar bons fundos de todas as classes possíveis.

Há fundos previdenciários de renda fixa, multimercados e até mesmo de ações. Com tamanha variedade, o mais recomendado é montar uma carteira previdenciária, mesclando alto rendimento e proteção contra grandes variações.

Quais são as vantagens de uma previdência privada?

Existem muitas vantagens em investir em previdência privada. Uma delas é a ausência de inventário em caso de morte do titular do plano.

Isso quer dizer que a previdência pode ser usada como instrumento de sucessão patrimonial, pois o dinheiro é transferido para os beneficiários imediatamente, sem questões burocráticas e gastos adicionais.

Outro ponto importante é o benefício fiscal por meio dos planos PGBL, o que valoriza ainda mais o dinheiro do investidor.

Além disso, é um investimento flexível por conta da portabilidade. É possível transferir o recurso de um fundo para outro sem nenhum custo.

Por fim, há uma grande liquidez. Geralmente os planos costumam liquidar os resgates em apenas uma semana, o que confere grande mobilidade de recurso para o investidor.

Quer conhecer mais investimentos? Então preencha este formulário que um assessor da EQI Investimentos entrará em contato para mostrar as aplicações disponíveis!

newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias