Educação Financeira
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
Prazo de carência em investimentos: como funciona?

Prazo de carência em investimentos: como funciona?

Redação EuQueroInvestir

Redação EuQueroInvestir

06 Dez 2021 às 16:00 · Última atualização: 06 Dez 2021 · 4 min leitura

Redação EuQueroInvestir

06 Dez 2021 às 16:00 · 4 min leitura
Última atualização: 06 Dez 2021

prazo de carência

O termo prazo de carência é um dos mais adotados no mundo dos investimentos. Na prática, é o período mínimo para que o investidor possa usufruir de um determinado serviço.

Ele representa o prazo mínimo que o investidor tem que respeitar para solicitar o resgate do dinheiro investido. Quanto maior a carência, menos liquidez tem o ativo. Quanto menor a carência, maior a liquidez. Em resumo, a carência se refere ao período em que a pessoa deve aguardar para poder movimentar ou sacar o dinheiro aplicado.

Vale lembrar, que a carência é diferente do vencimento que é a data estabelecida para resgate do capital dentro da rentabilidade total acordada.

O prazo de carência é comum a muitos investimentos de renda fixa. O Tesouro Direto, ao contrário, garante a liquidez diária de seus ativos desde o momento de sua aquisição. Por isso está entre os investimentos mais recomendados para reserva de emergência.

Prazo de carência: quais investimentos possuem?

Entre os principais investimentos que podem apresentar um prazo de carência em relação à liquidez estão: os certificados de depósitos bancários (CDBs), as letras de câmbio (LCs),as letras de crédito imobiliários (LCIs) e as letras de créditos do agronegócio (LCAs).

CDBs

A sigla quer dizer certificado de depósito bancário. Trata-se de um título de dívida emitido por instituições financeiras. Na prática, ao aplicar em um CDB o investidor empresta seu dinheiro ao banco esperando tê-lo de volta no futuro acrescido de uma taxa de juros.

O mercado de títulos de renda fixa é composto por três grandes emissores. O primeiro deles é o Governo Federal que toma recurso emprestado por meio de sua plataforma do Tesouro Direto.

LCs

Assim como o CDB, as Letras de Câmbio são títulos de renda fixa emitidos e negociados por uma instituição financeira. Mas enquanto os CDBs são emitidos somente por bancos, o emissor da LC é normalmente uma financeira. Ou seja, ao adquirir uma LC, o investidor estará “emprestando” dinheiro à financeira em troca de uma remuneração.

De forma geral, as financeiras são instituições de menor porte se comparadas a bancos. Por isso, costumam oferecer rendimentos superiores a outros investimentos de renda fixa, como CDBs e Tesouro Direto.

LCIs

Uma LCI é um título de crédito que é emitido como instrumento de captação dos bancos. Tem como objetivo financiar o sistema imobiliário, ou seja, os recursos captados pelos bancos através de LCIs servem exclusivamente para financiar a compra de imóveis.

Esses títulos têm lastro imobiliário. Isso quer dizer que têm uma garantia imobiliária real que é feita por meio de uma hipoteca ou de uma alienação fiduciária de imóvel (colocação de imóvel em garantia pela dívida) no ato do financiamento.

Resumindo, quando você investe em uma LCI está emprestando dinheiro para que os bancos concedam crédito imobiliário e financiem compradores de imóveis.

LCAs

Um título ligado ao agro brasileiro é uma das melhores opções de investimento em renda fixa. Trata-se da Letra de Crédito do Agronegócio (LCA). O recurso captado por ela deve ter finalidade específica de aplicação e precisa ser destinado ao agronegócio. Até mesmo por conta disso, trazendo excelentes benefícios.

Carência: como escolher os ativos?

O investidor tem que atentar ao prazo de carência para escolher os seus ativos, tendo sempre em mente que é fundamental ter uma reserva de emergência para eventualidades. Isso porque investimentos que tenham carência não estarão disponíveis a qualquer momento.

Mas este não é o único fator que deve ser analisado antes de um determinado investimento. É necessário compreender o mercado e saber como os ativos irão se comportar tendo em vista objetivos pessoais. Por exemplo, títulos relacionados ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) podem ser uma boa alternativa para investidores que querem proteger seus patrimônios da inflação.

Vale lembrar também que os investimentos se diferenciam pela segurança que oferecem. Dentro da renda fixa, algumas alternativas contam com a proteção do Fundo Garantidor de Créditos (FGC) que garante o retorno de até R$ 250 mil ao investidor (por CPF e instituição financeira) em casos de dissolução do banco ou da corretora que intermediou o negócio.

Se o emissor não contar com a garantia do FGC, é necessário fazer uma avaliação cautelosa do risco de crédito para evitar calote. Para obter lucros em segurança, o perfil do acionista tem que estar associado aos ativos no qual ele pretende investir.

Carência e data de vencimento

Diferentemente da carência, a data de vencimento de um ativo é o tempo máximo da aplicação. Após o vencimento, o dinheiro cai automaticamente na conta do investidor, com os rendimentos acordados.

Os ativos de renda fixa possuem as mais variadas datas de vencimento. Investimentos de curto, médio e longo prazo são escolhas pessoais de cada investidor que, novamente, têm a ver com seu perfil e objetivo ao investir.

newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias