Economia
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
Nubank estreia em NY nesta quinta, com BDRs negociadas no Brasil

Nubank estreia em NY nesta quinta, com BDRs negociadas no Brasil

Redação EuQueroInvestir

Redação EuQueroInvestir

08 Dez 2021 às 23:00 · Última atualização: 08 Jun 2022 · 8 min leitura

Redação EuQueroInvestir

08 Dez 2021 às 23:00 · 8 min leitura
Última atualização: 08 Jun 2022

Nubank

O Nubank fixou hoje (8) o preço de US$ 9 por ação em seu IPO na Nyse. O valor ficou no ponto máximo da faixa indicativa, que iniciava em US$ 8. O banco digital vai chegar ao mercado avaliado em mais de US$ 41,5 bilhões, cravando o maior valor de mercado entre os bancos listados da América Latina.

Amanhã (9), as ações estreiam na Bolsa de Valores de Nova York, com BDRs negociados na B3, a bolsa brasileira.

Vamos conhecer melhor a empresa?

Por dentro do Nubank

O Nubank se define como uma empresa líder em tecnologia financeira na América Latina. A fintech criada no Brasil ganhou destaque internacional e está prestes a abrir seu capital.

Seu primeiro produto, lançado em 2014, é um cartão de crédito gratuito totalmente gerenciado por um aplicativo móvel.

Mais de 41 milhões de pessoas solicitaram o produto desde o lançamento, e a empresa ultrapassou a marca de 12 milhões de clientes em outubro de 2021.

Com escritórios no México, Argentina, Alemanha, Colômbia e EUA, o banco tem mais de 4.500 colaboradores espalhados pelo mundo.

Recentemente, o Nubank foi eleito a empresa mais inovadora da América Latina e ocupou a posição nº 36 na classificação das 50 empresas mais inovadoras da Fast Company.

Hoje com um valor de mercado de US$ 30 bilhões (há informações de que possa ultrapassar os US$ 50 bilhões), a empresa está prestes a abrir seu capital nos Estados Unidos.

Em 27 de outubro o banco anunciou seu pedido confidencial de registro preliminar de IPO (Oferta Pública Inicial). E em 1 de novembro publicou o prospecto preliminar da oferta.

nubank

Histórico de rodadas de investimentos e aquisições

Depois de vivenciar como a experiência bancária era frustrante para os clientes no Brasil, o colombiano David Vélez decide iniciar uma nova startup de serviços financeiros no Brasil. Em março de 2013, ele levanta US$ 2 milhões como investimento inicial da Sequoia Capital e Kaszek Ventures. Dois meses depois, David Vélez se une à brasileira Cristina Junqueira e o americano Edward Wible para co-fundar o Nubank com a missão de combater a complexidade para empoderar as pessoas.

Primeiro produto do Nubank

Em 2014 a empresa começou a testar seu primeiro produto, um cartão de crédito gratuito, totalmente gerenciado por um aplicativo digital. Depois de menos de um ano de desenvolvimento, o cartão é lançado em roxo, a cor símbolo do Nubank, e a primeira transação ocorreu. Em setembro daquele ano o Nubank recebeu sua Série A: US$ 15 milhões – Investidores: Sequoia Capital e Kaszek Ventures.

Em maio de 2015 o Nubank recebeu sua Série B: US$ 30 milhões – Investidores: Tiger Global, Sequoia Capital, Kaszek Ventures e QED.

E em dezembro veio a Série C: investimento de US$ 52 milhões – Investidores: Founders Fund, Tiger Global, Sequoia Capital e Kaszek Ventures. Naquele ano o aplicativo do Nubank foi eleito o mais inovador da App Store.

A Série D foi feita em dezembro de 2016 e levantou US$ 80 milhões. Os investidores foram a DST Global, Sequoia Capital, Founders Fund e Tiger Global.

Conta totalmente digital

O segundo produto do Nubank foi lançado em outubro de 2017: uma conta totalmente digital. No mesmo ano foi aberto um centro de tecnologia em Berlim, na Alemanha.

A Série E de investimentos, que levantou US$ 150 milhões, foi em 2018 e contou com DST Global, QED Investors, Redpoint Ventures, Ribbit Capital, Dragoneer Investment Group, Thrive Capital. Assim, com esta série, o banco se tornou um unicórnio avaliado até então em US$ 4 bilhões.

Cobertura nacional

O ano de 2018 marcou também o momento em que o Nubank foi disponibilizado para 100% dos municípios do Brasil. E ainda levantou US$ 90 milhões por meio de um investimento da chinesa Tencent.

A Série F de investimentos levantou em 2019 US$ 400 milhões junto aos investidores TCV, Tencent, DST Global, Sequoia Capital, Dragoneer, Ribbit Capital e Thrive Capital.

Série de aquisições do Nubank

Em janeiro de 2020 o Nubank realizou sua primeira aquisição, a empresa de consultoria de software Plataformatec. Em setembro adquiriu a Easynvest, plataforma de investimento digital líder no Brasil. E também comprou a Cognitect, empresa americana que criou as linguagens de programação Clojure e Datomic.

Em janeiro de 2021 veio a Série G, com investimento de US$ 400 milhões. Investidores: GIC, Whale Rock e Invesco. Neste ano o banco se tornou uma das cinco instituições financeiras mais valiosas da América Latina.

Warren Buffett entra na jogada

Em junho de 2021 o Nubank levantou uma extensão de sua Série G, um total de US$1,15 bilhão. Nesta rodada, o Nubank deu as boas-vindas à Berkshire Hathaway, do megainvestidor Warren Buffett, com um investimento de US$500 milhões, além de outros investidores de renome.

Números de destaque

  • Hoje, o Nubank é uma das maiores plataformas de serviços financeiros digitais do mundo, com mais de 40 milhões de clientes no Brasil, México e Colômbia;
  • A empresa tem um NPS no nível 90 com produtos que abrangem as cinco frentes do universo financeiro: Gastos, Poupanças, Investimentos, Empréstimos e Proteção;
  • Recebe, em média, 1,4 milhão de novos clientes por mês (período de três meses, finalizado em 30 de junho de 2021);
  • O Nubank acredita ter economizado aos clientes US$4,5 bilhões em taxas bancárias e mais de 100 milhões de horas em tempo de espera.

Primeiro lucro do Nubank veio em 2021

Após operar desde sua criação no prejuízo, o Nubank reportou lucro pela primeira vez em outubro deste ano. O lucro foi de R$ 76 milhões em suas operações no Brasil, após atrair mais clientes para seu cartão de crédito. No mesmo período do ano anterior, o Nubank teve prejuízo de R$ 95 milhões.

Desde o seu início, em 2013, a empresa levantou US$ 2,3 bilhões nas rodadas de investimentos (R$ 12,7 bilhões).

As receitas de intermediação financeira do Nubank no Brasil atingiram cerca de R$ 4 bilhões no primeiro semestre de 2021. Ou seja, aumento de 91% em relação ao mesmo período de 2020. O resultado chegou a R$ 1,8 bilhão nos primeiros seis meses de 2021, um crescimento de 98% em comparação com o ano anterior.

A carteira de crédito da empresa no Brasil chegou a R$ 22,971 bilhões e o resultado bruto da intermediação financeira foi de R$ 502,645 milhões. Já as receitas de tarifas e serviços bancários atingiram R$ 1,464 bilhão e as despesas administrativas e de pessoal somaram R$ 1,492 bilhão.

“Em resumo, o primeiro semestre de 2021 foi mais um reforço de que seguimos no caminho certo ao colocar nossos clientes no centro de tudo o que fazemos. Crescemos com foco nos clientes, desenvolvemos novos produtos e serviços e chegamos a ainda mais pessoas”, afirmou o Nubank.

Expansão pelo Brasil

Mas o IPO do Nubank fora do Brasil não quer dizer que a empresa queira deixar o país. A companhia destacou, em reportagens recentes, que o país tem muito “chão” para ser conquistado.

Isso por que os grandes bancos detêm 86% do mercado e há muitas pessoas ainda “desbancarizadas”. Ou seja, o Nubank vai pra cima das instituições convencionais a fim de ganhar terreno e também vai correr atrás de quem não tem conta em bancos.

A briga promete ser boa e o Nubank tem cacife para fazer frente à concorrência, principalmente porque se tornou o único representante do Hemisfério Sul entre as dez maiores startups do mundo, além de ser o único decacórnio (startups que valem mais de US$ 10 bilhões) no Brasil de capital fechado – até agora.

IPO do Nubank está próximo

Após meses e meses de especulações, o Nubank anunciou em 27 de outubro que vai abrir seu capital por meio da Nu Holdings.

O objetivo da companhia é lançar ações nos Estados Unidos e, no Brasil, negociar BDRs – papéis vendidos por meio da B3 que representam aqui as ações no exterior.

No dia 1 de novembro, o Nubank anunciou o protocolo público de seu pedido de oferta pública inicial na Securities and Exchange Comission (SEC) e na CVM.

Além disso, o Nubank anunciou a criação do programa Nu Sócios, no qual seus clientes serão convidados a serem sócios da empresa, por meio do recebimento de um BDR por pessoa, sem custo. De acordo com o comunicado, serão destinados entre R$ 180 milhões e R$ 225 milhões para a compra de BDRs para os clientes do banco, que terão o direito de se inscrever a partir do dia 9 de novembro por meio do app para participar do programa.

(Por Felipe Alves)

newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias