Educação Financeira
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
IPO da Corsan: conheça a companhia de saneamento do Rio Grande do Sul

IPO da Corsan: conheça a companhia de saneamento do Rio Grande do Sul

Redação EuQueroInvestir

Redação EuQueroInvestir

20 Dez 2021 às 18:21 · Última atualização: 20 Dez 2021 · 8 min leitura

Redação EuQueroInvestir

20 Dez 2021 às 18:21 · 8 min leitura
Última atualização: 20 Dez 2021

Corsan

A Companhia Riograndense de Saneamento, a Corsan, entrou na fila para fazer IPO (Oferta Pública Inicial).

A oferta será com distribuição primária e secundária de ações.

A Corsan é uma sociedade de economia mista, uma das maiores empresas de saneamento do Brasil em termos de população atendida, faturamento líquido e Ebitda.

Até 30 de setembro de 2021, a Corsan prestava serviços de saneamento básico em 3173 dos 497 municípios do Estado do Rio Grande do Sul, dentre os quais alguns dos maiores do Estado, como Canoas, Santa Maria, Gravataí, Passo Fundo, Rio Grande, Alvorada, Viamão, Cachoeirinha, Bento Gonçalves e Sapucaia do Sul, atendendo aproximadamente 6,3 milhões de habitantes, o que corresponde a dois terços da população urbana do Estado.

História e negócio da empresa

A Corsan foi criada em 21 de dezembro de 1965 e oficialmente instalada em 28 de março de 1966, sendo esta a data oficial de sua fundação. A empresa que surgia tinha pela frente o desafio de proporcionar ao Rio Grande do Sul e à sua população melhor qualidade de vida. E a imagem do aguadeiro, que precariamente abastecia as populações no início do século, ficou definitivamente na história.

A Corsan acredita ser referência na prestação de serviços de saneamento básico no estado do Rio Grande do Sul, realizando a construção, operação e ampliação de instalações para buscar a universalização do abastecimento de água potável e coleta e tratamento de esgotos sanitários nos municípios em que atua com contratos de longo prazo.

A infraestrutura para realizar os serviços de saneamento básico é composta por 29 mil km de redes e adutoras e por 168 Estações de Tratamento de Água (ETAs), atingindo um volume faturado de água de 233,9 milhões de m³ em 30 de setembro de 2021.

Além disso, a infraestrutura da Corsan conta com 5 mil km de redes coletoras e interceptores e com 91 Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs), alcançando um volume faturado de esgoto de 36,5 milhões de m³ em 30 de setembro de 2021, tanto para a população residencial como para a população não residencial, representando índices de cobertura de, aproximadamente, 97% e 18% da população urbana dos municípios em que atua com relação ao abastecimento de água e coleta de esgoto, respectivamente.

Contratos de concessão longos

A companhia atua por meio da celebração de contratos de concessão ou contratos de programa, os quais são negociados individualmente com cada prefeitura dos municípios do Estado do Rio Grande do Sul, em grande parte, com prazos de vigência acima de 15 anos.

No exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2020, 33% da receita operacional foi proveniente de contratos com os 10 municípios mais relevantes que a Corsan atende, o que demonstra uma baixa concentração.

A duração média dos contratos de concessão ou contratos de programa com os 307 municípios atendidos com contratos válidos, ponderado pela receita proporcional de cada um dos municípios, é de 28 anos. Destes, aqueles que representam aproximadamente 96% da receita operacional até 30 de setembro de 2021 possuem prazo de vencimento posterior a 2030.

Com o objetivo de acelerar a universalização do serviço de esgotamento sanitário nos municípios de Alvorada, Cachoeirinha, Canoas, Eldorado do Sul, Esteio, Gravataí, Guaíba, Sapucaia do Sul e Viamão, a Corsan levou a mercado um projeto de parceria público-privada (PPP). O leilão ocorreu em novembro de 2019 na B3, em São Paulo, e sagrou-se vencedor o Consórcio Aegea.

O contrato de PPP foi firmado em 24 de março de 2020 e, em 1º de junho de 2021, houve a transferência operacional definitiva à Ambiental Metrosul, controlada pela Aegea, que passou a operar exclusivamente os sistemas de esgotamento sanitário dos municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre, com uma população atendida de aproximadamente 1,7 milhões de habitantes.

A operação ocorre sob fiscalização da Corsan, que permanece titular dos contratos de prestação de serviços com os municípios, além de realizar a cobrança dos usuários finais dos serviços e fazer o repasse da contraprestação à Ambiental Metrosul. O prazo da PPP é de 35 anos e a concessionária terá como escopo realizar a operação e a manutenção das instalações.

Além disso, a Ambiental Metrosul assumiu compromisso de realizar investimentos no valor de R$ 1,4 bilhões – com o objetivo primordial de universalizar a coleta e tratamento de esgoto na região atendida pela PPP e realizar melhorias operacionais, o que inclui a renovação do parque de hidrômetros.

Pontos fortes e vantagens competitivas da Corsan

Oportunidades mapeadas para ganhar eficiência e destravar valor. Considerando a atual caracterização como companhia estatal, a Corsan entende que existem diversas oportunidades para aumento de eficiência operacional a serem capturadas, gerando crescimento orgânico via aumento de Ebitda e Margem Ebitda com baixo risco de implementação. Estas oportunidades se apresentam ainda mais claramente quando se compara alguns dos principais indicadores-chave com os principais pares do setor. O processo de desestatização trará consigo maior flexibilidade para que a gestão implemente iniciativas de racionalização nas frentes de pessoal, contratação de serviços e produtos, e cadeia de suprimentos, além de oportunidades para redução de perdas.

Modelo de negócios resiliente e com alta previsibilidade de fluxos de caixa. Os serviços da Corsan são pulverizados e têm grande penetração sobre o território do Estado do Rio Grande do Sul. A maior parte da população atendida está distribuída em municípios que possuem renda per capita alta (34% da população atendida) e média (49% da população atendida). Além disso, não há grande concentração da receita em nenhum dos municípios, sendo que o mais relevante – Canoas – representa aproximadamente 6% do faturamento total anual.

Gestão pautada em forte estratégia ESG. A agenda ESG, que incorpora temas relacionados ao impacto ambiental, social e de governança, o setor e as atividades de saneamento são especialmente relevantes, diz a Corsan. A gestão busca desenvolver iniciativas com impacto ESG positivo. Na frente de meio-ambiente, a companhia alcançou 99% no índice de qualidade da água (IQA), e está desenvolvendo um programa de redução de perdas em parceria com o IFC, com compromisso de reduzir o índice atual de 43% para 35% até 2024.

Setor subpenetrado e com regulação estável, gerando grande potencial de crescimento. Devido ao histórico de investimentos muito aquém do necessário, o setor de saneamento no Brasil ainda é subpenetrado, apresentando níveis de cobertura do abastecimento de água, de coleta e de tratamento de esgoto significativamente aquém dos ideais. A atual situação de cobertura também se mostra bem distante das metas de universalização requeridas pelo Novo Marco do Saneamento, sendo 99% de cobertura para o abastecimento de água e 90% para a coleta e tratamento de esgoto. Esta grande lacuna entre os índices atuais e as metas governamentais evidencia a necessidade de robustos investimentos do setor.

Estratégias de crescimento da companhia

A estratégia da Corsan para o futuro consiste em:

  • Adequação dos contratos para inclusão das metas de universalização apresentadas pelo Novo Marco do Saneamento, nos termos do artigo 11-B da Lei nº 14.026/2020, bem como alongamento do prazo de prestação de serviço até 2062 por meio de assinatura de aditivos contratuais com os municípios, de acordo com a faculdade trazida pelo parágrafo 2º do artigo 14 da mesma lei;
  • Execução de ambicioso plano de investimentos, da ordem de aproximadamente R$ 1 bilhão ao ano até 2033, ano limite para o cumprimento das metas do Novo Marco do Saneamento, que viabilizará a universalização da distribuição de água potável e, principalmente, de coleta e tratamento de esgotamento sanitário;
  • Implementação do plano para destravamento de valor, que inclui diversas iniciativas no sentido de ganho de eficiência operacional e melhora nos indicadores de rentabilidade do negócio;
  • Implementação das melhores práticas de governança corporativa;
  • Participação ativa para fortalecimento de ambiente regulatório saudável e previsível, que equilibre a relação da concessionária com os usuários finais, garantindo a sustentabilidade do negócio, e permita a prestação de serviços de excelência e sua universalização – observando os melhores princípios de regulação.

Principais fatores de risco da Corsan

O desempenho financeiro da companhia poderá ser adversamente afetado se ela não for capaz de reajustar as tarifas adequadamente.

A Corsan pode encontrar dificuldades no financiamento e na execução do seu Plano de Investimentos, falhando no atingimento das metas de universalização dos serviços de saneamento e perdendo contratos com os municípios.

A empresa pode não conseguir obter, manter ou renovar tempestivamente suas licenças, outorgas, registros, autorizações e alvarás para a instalação e operação dos empreendimentos, o que pode afetar negativamente a companhia.

Eventual insuficiência de investimentos e a incapacidade de reduzir os índices de perdas de água poderão causar um efeito relevante adverso nas operações e condição financeira da companhia.

Os municípios poderão suscitar a rescisão dos contratos de concessão e de programa, o que poderia ocorrer a partir de declaração de caducidade ou encampação antes da expiração do prazo de tais contratos, em determinadas circunstâncias.

Os pagamentos de indenização a receber nesses casos podem ser menores do que o valor dos investimentos realizados pela companhia, ou podem ser pagos por um período prolongado, afetando adversamente os negócios, condição financeira ou resultados operacionais da companhia.

newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias