Educação Financeira
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
IGC-NM: conheça o Índice de Governança Corporativa – Novo Mercado

IGC-NM: conheça o Índice de Governança Corporativa – Novo Mercado

Redação EuQueroInvestir

Redação EuQueroInvestir

24 Dez 2021 às 19:00 · Última atualização: 08 Jun 2022 · 3 min leitura

Redação EuQueroInvestir

24 Dez 2021 às 19:00 · 3 min leitura
Última atualização: 08 Jun 2022

IVBX-2

Team of stockbrokers Discussing with display screens Analyzing data, graphs and reports of stock market trading for investment

Empresas com boa governança corporativa têm ganhado cada vez mais destaque no mercado financeiro pois prezam pela transparência e redução dos riscos aos investidores.

Por conta disso, há um indicador que vale a pena consultar no ambiente do mercado de capitais é o índice IGC-NM. Para saber mais sobre esse índice, acompanhe nosso artigo!

O que é o IGC-NM?

O IGC-NM, Índice de Governança Corporativa – Novo Mercado, é o índice que apresenta o rendimento médio das empresas com as melhores governanças corporativas.

No entanto, antes de nos aprofundarmos nesse índice é interessante saber de forma mais detalhada sobre o que se trata a governança corporativa.

Na verdade, ela nada mais é do que um conjunto de práticas adotadas pela gestão de uma empresa que assegura um nível maior de transparência, equidade, prestação de contas e responsabilidade corporativa.

Portanto, empresas com governança corporativa possuem um diferencial junto a investidores visto que demonstram uma preocupação maior com o futuro da companhia.

Nesse sentido, o índice IGC-NM possui uma grande importância dentro do mercado financeiro pois serve de métrica para gerar informações relevantes aos investidores.

Importante destacar que este é um índice de retorno total. Dessa forma, ele reflete as variações de preços dos ativos que compõem o índice, ao mesmo tempo em que considera o impacto da distribuição de proventos.

O índice não está atrelado a nenhum ETF, então não pode ser adquirido como forma de investimento na bolsa de valores.

Além disso, o IGC serve como complemento para o índice IGCT (Índice de Governança Corporativa Trade). No entanto, enquanto o primeiro possui menos critérios restritivos para a sua composição, o último filtra as melhores ações para compor a carteira.

Como funciona o IGC-NM?

Em primeiro lugar, para compor o IGC-NM é preciso que a ação esteja listada no segmento do Novo Mercado, da B3, que classifica as empresas com o mais elevado grau de governança corporativa.

Além disso, assim como qualquer outro índice, ele precisa estabelecer algumas regras e critérios para a construção da carteira teórica de ativos.

Sendo assim, relacionamos abaixo algumas das regras que a empresa precisa respeitar para poder fazer parte do índice:

  • Não pode oferecer ações preferenciais (PN), sendo composta exclusivamente de ações ordinárias (ON);
  • O conselho de administração da empresa deve ser composto de 2% a 20% de conselheiros independentes;
  • Pelo menos 25% das ações precisam estar em circulação no mercado;
  • Realizar reunião pública anual de forma obrigatória;
  • Ativos com presença em pregão de, no mínimo, 50% no período de vigência das 3 carteiras anteriores;
  • Oferecer Tag Along de 100% para suas ações ordinárias.

No entanto, o ativo precisa atender ainda a uma outra regra: não ser classificado como uma ação “Penny Stock”, ou seja, ter sua cotação negociada a menos de R$ 1,00.

A partir do cumprimento dessas normas, a empresa está apta a ingressar no IGC-NM.

Quais empresas compõem o índice?

Em novembro de 2021, o IGC-NM era composto por 193 ativos divididos entre mais de 30 setores econômicos diferentes.

Desse montante, os dez mais relevantes equivalem a 47,67% da participação no cálculo desse índice:

  1. Vale (VALE3): 17,34%
  2. B3 (B3SA3): 5,49%
  3. Weg (WEGE3): 3,72%
  4. Rede D’or (RDOR3): 3,62%
  5. JBS (JBSS3): 3,55%
  6. Banco do Brasil (BBAS3): 3,35%
  7. Suzano (SUZB3): 3,05%
  8. Intermédica (GNDI3): 2,96%
  9. Localiza (RENT3): 2,38%
  10. Lojas Renner (LREN3): 2,2%

A cada quatro meses – janeiro, maio e setembro – é feito o rebalanceamento da carteira, ou seja, é feita uma análise dos ativos da carteira onde se define quais serão mantidos, incluídos ou excluídos. Também pode ser alterado o peso de cada ativo da carteira.

newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias