Economia
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
Vendas no varejo recuam 0,8% em julho, ante expectativa de alta de 0,2%

Vendas no varejo recuam 0,8% em julho, ante expectativa de alta de 0,2%

Osni Alves

Osni Alves

14 Set 2022 às 09:20 · Última atualização: 14 Set 2022 · 9 min leitura

Osni Alves

14 Set 2022 às 09:20 · 9 min leitura
Última atualização: 14 Set 2022

Imagem mostra uma loja de varejo de roupas.

Em julho de 2022 o volume de vendas no comércio varejista nacional caiu 0,8% frente a junho, ante expectativa de alta de 0,2%. A média móvel trimestral foi de 0,9%, e o acumulado no ano está em 0,4% e o dos últimos 12 meses, em queda de 1,8%.

Os dados foram divulgados na manhã desta quarta-feira (14) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com a autarquia, no comércio varejista ampliado, que inclui as atividades de Veículos, motos, partes e peças e de Material de construção, o volume de vendas caiu 0,7% frente a junho. A média móvel trimestral recuou 0,9% no trimestre encerrado em julho.

Também disse que o volume de vendas frente a julho de 2021 caiu 6,8%. O acumulado no ano está em -0,8% e o dos 12 meses chegou a -1,9%.

E acrescentou que, em julho, na série com ajuste sazonal, houve taxas negativas em sete das oito atividades pesquisadas: Tecidos, vestuário e calçados (-17,1%), Móveis e eletrodomésticos (-3,0%), Livros, jornais, revistas e papelaria (-2,0%), Equipamentos e material para escritório informática e comunicação (-1,5%), Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (-1,4%), Hiper, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-0,6%), e Outros artigos de uso pessoal e doméstico (-0,5%). Apenas a atividade de Combustíveis e lubrificantes (12,2%) mostrou crescimento.

Gráfico mostra a evolução das vendas no varejo.

Vendas no varejo pelo IBGE

Ainda de acordo com o IBGE, no comércio varejista ampliado, ambas os setores tiveram queda: Veículos e motos, partes e peças (-2,7%) e Material de construção (-2,0%).

Na comparação com julho de 2021, o comércio varejista recuou 5,2%, com taxas negativas em cinco das oito atividades: Outros artigos de uso pessoal e doméstico (-28,7%), Tecidos, vestuário e calçados (-16,2%), Móveis e eletrodomésticos (-14,6%), Equipamentos e material para escritório informática e comunicação (-0,4%) e Hiper, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-0,1%).

Três atividades cresceram, nesta comparação: Combustíveis e lubrificantes (17,4%), Livros, jornais, revistas e papelaria (11,2%) e Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (4,0%).

No comércio varejista ampliado, Veículos e motos, partes e peças, e Material de construção recuaram frente a julho de 2021 (-8,5% e -13,7% respectivamente).

Tá, e aí?Stepnhan F. Kautz, economista-chefe da EQI Asset

Economista-chefe da EQI Asset, Stepnhan F. Kautz disse que o resultado das vendas no varejo no Brasil, conforme divulgado pelo IBGE, veio bem ruim.

“No ano contra ano o consenso esperava uma queda de 1,3%, mas veio uma queda de 6,8%, ou seja, números bem abaixo do que se imaginava. O consumo tem vindo um pouco melhor, porém, não dá para ficar super otimista com essa perspectiva, visto que a renda real continua contraindo, apesar da melhora do mercado de trabalho”, destacou.

E disse mais: “o nível de endividamento de consumo das famílias continua subindo. Então, a perspectiva de crédito é de que o aumento da taxa de juros vá começar a afetar também o custo desse lado.”

Para Kautz, em termos da abertura do varejo, em especial os setores relacionados com crédito tiveram as piores performances, principalmente em relação à parte de vendas de automóveis. “Somente o setor de combustível reportou alta, e provavelmente muito por conta da questão da deflação”, ressaltou.

Segmentos

A pesquisa elenca, ainda, que a atividade Outros artigos de uso pessoal e doméstico, que engloba lojas de departamentos, óticas, joalherias, artigos esportivos, brinquedos, etc., apresentou queda de 28,7% frente a julho de 2021, a terceira consecutiva e maior contribuição na composição da taxa (-4,5 p.p. no total de -5,2%). Até julho o setor acumula queda de 7,5%, frente ao mesmo período de 2021, intensificando ritmo de perda desde maio (-2,8% em junho e -0,9% em maio). O acumulado nos últimos doze meses foi de -0,8% até junho para -6,2% em julho.

O setor de Tecidos, vestuário e calçados, na comparação interanual, caiu 16,2% frente a julho de 2021, primeiro resultado negativo desde dezembro de 2021 (-1,0%). A atividade deu a terceira maior contribuição para este indicador, contribuindo com -1,3 p.p. no total de -5,2%. O acumulado no ano foi de 11,0%, e o dos últimos dozes meses, de 4,8%.

O grupo Móveis e eletrodomésticos apresentou queda de 14,6% frente a julho de 2021, quarto resultado consecutivo no campo negativo e segunda maior influência no indicador interanual para o varejo (-1,4 p.p. no total de -5,2%). O acumulado no ano, ao passar de -9,3% até junho para -10,1% em julho, intensifica do ritmo de perdas. O acumulado nos últimos doze meses (-15,3%) encontra-se próximo ao registrado até junho (-15,0%). 

Demais setores

A atividade de Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação apresentou variação de -0,4% frente a julho de 2021, primeiro resultado no campo negativo após dois meses de crescimento no volume de vendas. No indicador acumulado do ano, o setor vem registrando resultados similares nos últimos meses: 0,5% até maio, 0,7% até junho e 0,6% até julho de 2022, na comparação com o mesmo período do ano anterior. Nos últimos dozes meses, o valor de -3,8% até julho representa o quarto negativo consecutivo. 

O grupamento de Hiper, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo variou -0,1% nas vendas frente a julho de 2021, contra aumento de 2,2% em junho de 2022 frente a junho de 2021. No acumulado no ano, os últimos quatro meses indicam estabilidade no ritmo de crescimento: 0,4% até abril, 0,2% até maio, 0,5% até junho e 0,4% até julho. O acumulado dos últimos 12 meses está em -0,9% até julho.

O setor de Livros, jornais, revistas e papelaria cresceu 11,2% frente a julho de 2021, terceiro consecutivo e o sexto no ano de 2022 dentre os sete apurados até julho (abril foi o único a registrar queda: -0,9%). No ano o setor vem acumulando 17,4% de ganho em relação ao mesmo período do ano anterior. Em doze meses, o crescimento é de 7,2%, maior valor, para este indicador, deste março de 2022, quando registrou 9,7%.

Mais grupos pesquisados

A atividade de Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria apresentou aumento de 4,0% no volume de vendas frente a julho de 2021, alcançando o nono mês consecutivo a registrar crescimento (outubro de 2021 apresentou -0,2% em relação a outubro de 2020). O setor exerceu a segunda maior influência no campo positivo para o indicador interanual (0,4 p.p. de um total de -5,2%). No ano, até julho, o ganho ficou 7,5% acima do mesmo período de 2021 e em doze meses o resultado foi positivo em 6,1%. 

O grupamento de Combustíveis e lubrificantes subiu 17,4% frente a julho de 2021 quinto mês consecutivo a registrar variações no campo positivo. O mês de julho também foi influenciado pela queda nos preços dos combustíveis – cabe lembrar que no IPCA, o item Combustíveis teve queda de 14,15% na passagem de junho para julho de 2022.

Com isso, o setor exerceu a maior influência positiva no mês: 1,6 p.p. do total de -5,2% para o indicador interanual. O acumulado no ano, ao passar de 5,1% até junho para 7,0% no mês de referência, a atividade mostra crescimento de ritmo de vendas. O mesmo se dá para o acumulado nos últimos doze meses que, ao passar de 0,9% até junho para de 1,9% em julho, mostra aumento de intensidade de crescimento. 

Volume de vendas

O volume de vendas de Veículos e motos, partes e peças caiu 8,5% nas vendas frente a julho de 2021, a segunda seguida (-7,1% em junho de 2021). Com isso, o acumulado do ano foi de -1,0%, primeiro valor negativo desde fevereiro de 2021 (-10,0%). Nos últimos dozes meses, o acumulado foi 0,8%, menor valor desde abril de 2021 (-3,7%).

O grupo de Material de construção caiu 13,7% frente a julho de 2021, a quarta consecutiva (-9,9% em abril, -7,7% em maio e -12,0% em junho). O acumulado no ano, ao passar de -7,4% até junho para -8,3% no mês de referência, a atividade intensifico ritmo de queda, mesma trajetória do acumulado de 12 meses: -7,7% até junho e -8,5% até julho.

Comparativo com junho

Na série com ajuste sazonal, houve resultados negativos em 20 das 27 Unidades da Federação, com destaque para: Bahia (-3,1%), Rio de Janeiro (-3,1%) e Maranhão (-2,8%). Por outro lado, pressionando positivamente, figuram 7 das 27 Unidades da Federação, com destaque para Mato Grosso (3,5%), Paraná (1,7%) e Amapá (1,5%).

Nessa mesma comparação, no varejo ampliado, houve resultados negativos em 23 das 27 UFs, com destaque para Sergipe (-5,7%), Rondônia (-5,3%) e Tocantins (-4,2%). Por outro lado, as taxas positivas foram no Espírito Santo (0,8%), Paraíba (0,7%) e Amapá (0,1%).

Frente a julho de 2021, a variação das vendas no comércio varejista foi de -5,2% com resultados negativos em 20 das 27 UFs, com destaque para: Rondônia (-24,1%), Tocantins (-11,4%) e Acre (-11,3%). Por outro lado, pressionando positivamente, figuram sete UFs, com destaque para Roraima (10,1%), Alagoas (5,8%) e Ceará (2,5%). 

Já no comércio varejista ampliado, a variação ante julho de 2021 foi de -6,8% com resultados negativos em 26 das 27 UFs, com destaque para: Pernambuco (-14,0%), Bahia (-13,9%) e Rondônia (-12,9%). Houve alta apenas em Roraima (1,5%).

  • Quer saber mais sobre as vendas no varejo e aprender a investir com assertividade? Clique aqui!
newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias