Economia
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
Criptomoeda Luna está de volta? Entenda o que acontece

Criptomoeda Luna está de volta? Entenda o que acontece

Redação EuQueroInvestir

Redação EuQueroInvestir

08 Jun 2022 às 19:42 · Última atualização: 09 Jun 2022 · 8 min leitura

Redação EuQueroInvestir

08 Jun 2022 às 19:42 · 8 min leitura
Última atualização: 09 Jun 2022

criptomoeda luna

A criptomoeda Luna praticamente desapareceu do mercado em uma semana de maio. Seu valor de mercado saiu de US$ 27 bilhões para quase zero.

Agora, os desenvolvedores prometem uma volta, inclusive com distribuição gratuita de tokens.

Mas o que ocorreu com o projeto Terra, responsável por esse criptoativo?

Para saber tudo a esse respeito, continue a leitura e fique bem informado sobre os acontecimentos recentes.

Prossiga agora!

O que você verá neste artigo:

O que é o projeto Terra?

No mundo das criptomoedas, os ativos são gerados por meio de projetos que desenvolvem determinada solução. No caso do projeto Terra, seu objetivo era se igualar a uma stablecoin.

Como o próprio nome sugere, uma stablecoin seria uma criptomoeda estável, que não sofreria tanto com as volatilidades do mercado cripto.

Para tanto, é necessário que haja paridade com alguma moeda fiduciária tomada como referência. Usualmente, a moeda em questão é o dólar.

Assim, um projeto como o Terra visava manter sua paridade com o dólar por meio da stablecoin UST. A lógica é simples: cada UST deveria ter o valor de US$ 1,00. Nem mais, nem menos.

No entanto, já era esperado que em alguns momentos essa paridade sofreria ágio ou deságio, pois estamos falando de uma criptomoeda que não tem lastro no mundo real.

Já o dólar é largamente usado por todos os países em diversas negociações e serve também como reserva de valor para um grande número de nações.

É nesse momento que entra em cena a criptomoeda do projeto Terra. Ela é chamada de Luna e seu mecanismo de funcionamento deveria dar suporte à paridade desejada pelo projeto.

Como funcionava a criptomoeda do projeto Terra?

Conforme dito, a criptomoeda Luna tinha uma função específica dentro do projeto Terra. Como o projeto se tratava de um protocolo de paridade com a stablecoin UST, a cripto Luna desempenhava papel importante.

Sua função era justamente a de ser uma espécie de lastro que dava pano de fundo para essa paridade. Como a Luna era capitalizada com dinheiro real (já que era negociada no mercado cripto), ela possuía valor equivalente.

Seu modo de funcionamento era relativamente simples: quando uma determinada quantia de UST era sacada, o protocolo Terra vendia uma quantidade de LUNA equivalente ao valor do saque.

Da mesma forma, quando o UST era comprado, o protocolo do projeto Terra comprava automaticamente seu equivalente em criptomoeda Luna.

Assim, mantinha-se o valor total de criptomoedas Luna em equivalência à stablecoin UST.

Perceba que o mecanismo era inteligente de certa forma. Uma quantidade de moeda fiduciária dava suporte à paridade do UST com o dólar.

No entanto, isso não era feito com o depósito verdadeiro de dólares como lastro para a stablecoin UST. E esse foi um dos motivos que fizeram a criptomoeda Luna entrar em colapso entre os dias 5 e 12 de maio de 2022.

O que aconteceu com a criptomoeda do projeto Terra (Luna)?

Um fato precisa ser considerado para entender tudo o que aconteceu com a criptomoeda Luna. Na verdade, ela vinha sendo considerada uma das altcoins (criptomoedas alternativas ao Bitcoin) mais promissores ultimamente.

Devido a seu mecanismo automático de funcionamento atrelado ao algoritmo do projeto Terra, seu valor veio se incrementando de forma significativa.

Para se ter ideia, a Luna chegou a valer US$ 118,00 em determinado momento, algo em torno de R$ 600,00 a depender da cotação do dólar considerada na conversão.

Isso lhe conferiu uma capitalização de mercado de nada menos que US$ 27 bilhões. Novamente convertendo, isso daria mais de R$ 135 bilhões.

No entanto, em apenas uma semana todo esse valor foi enxugado para quase zero. Por incrível que pareça, o pior aconteceu.

Em apenas uma semana, a Luna viu seu valor derreter em nada menos que 99,98%. Praticamente zerou.

Em 5 de maio de 2022, seu valor era de US$ 86,04 (R$ 432,78). Uma semana após, em 12 de maior de 2022, a cotação indicava um valor de US$ 0,33 (R$ 0,076). Uma derrocada brutal.

Ilustração Criptomoedas
Criptomoedas

O que ocasionou a queda vertiginosa no valor da criptomoeda Luna?

Com uma queda tão abrupta (para não dizer a aniquilação da criptomoeda), é natural se perguntar quais foram os motivos que ocasionaram tamanho colapso.

E por mais estranho que possa parecer, o que houve não foi uma intervenção diretamente na cripto Luna em si. Em vez disso, o acontecimento se deu com a stablecoin UST e em consequência atingiu a Luna.

Segundo especialistas do mercado cripto, uma carteira muito grande em valor de mercado entrou fazendo fortes operações em relação ao UST.

Isso quer dizer que grandes somas de UST foram compradas e vendidas em um tempo muito rápido. O valor total de cada operação de compra e venda de UST chegou à casa do bilhão de dólares.

Com isso, a rede UST acabou ficando sobrecarregada e a criptomoeda Luna, que tinha seu funcionamento determinado baseado na stablecoin por meio de um algoritmo, acabou sendo afetada.

Como muitas USTs estavam sendo negociadas de forma acelerada, a automação do projeto Terra começou a criar novas unidades de cripto Luna para tentar manter a paridade. Foi aí que os problemas se instalaram.

Com bilhões de novas moedas em circulação, o seu preço naturalmente começou a cair. Como as operações se davam de forma rápida, o mercado percebeu a desvalorização.

Assim, quem detinha criptomoeda de fato também começou a se desfazer dos ativos. Nesse momento, a combinação explosiva já estava lançada e pouco podia ser feito.

Com bilhões de novas moedas e com os investidores vendendo suas Lunas no mercado a qualquer custo para não acumular mais prejuízos, o valor não teve outro destino que não tender a zero.

Foi assim que o valor de mercado da Luna foi praticamente reduzido a pó.

O que esperar do projeto Terra e de sua criptomoeda LUNA a partir de agora?

Em mensagem pelo Twitter, o cofundador da criptomoeda Luna Do Kwon disse que o ocorrido foi um tropeço e que isso não representa o trabalho do projeto Terra em si.

Uma nova blockchain, Terra 2.0 ou Luna 2.0, está programada para ser anunciada quarta-feira (26 de maio), com distribuição gratuita da nova criptomoeda a quem ainda possui Lunas. Pelo menos é o que afirmam os desenvolvedores.

Segundo reportagem da CNBC, cerca de 30% dos novos tokens irão para um grupo de investidores na comunidade Terra; 35% irão para aqueles que detinham Luna antes de seu colapso; 10% para titulares de UST pré-colapso. Outros 25% dos tokens serão alocados para traders que ainda possuem Luna e UST após o crash.

No entanto, sabemos que após a perda de credibilidade, torna-se muito difícil recuperar a confiança. Nesse caso, talvez nem seja possível.

Apesar de ninguém saber o dia de amanhã, é difícil dizer que a criptomoeda se valorizará novamente. Casos assim já aconteceram antes e o mercado não costuma dar uma segunda chance.

Já para os investidores, fica o alerta. Criptomoedas são ativos de alto risco e precisam ser bem avaliadas antes de ser feito qualquer investimento.

Vários projetos são bons e têm se mostrado resilientes ao longo do tempo. O mais importante é sempre investir com responsabilidade e respeitando os percentuais de alocação.

  • Quer conhecer mais sobre a criptomoeda Luna e alternativas de investimentos? Então preencha este formulário que um assessor da EQI Investimentos entrará em contato para apresentar as aplicações disponíveis!
BTG Talks
newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias