Economia
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
Inflação norte-americana pelo CPI sobe 0,1% em agosto, ante previsão de queda de 0,1%

Inflação norte-americana pelo CPI sobe 0,1% em agosto, ante previsão de queda de 0,1%

Osni Alves

Osni Alves

13 Set 2022 às 09:45 · Última atualização: 13 Set 2022 · 4 min leitura

Osni Alves

13 Set 2022 às 09:45 · 4 min leitura
Última atualização: 13 Set 2022

Imagem mostra a cidade de Nova Iorque.

A inflação norte-americana medida pelo Índice de Preços ao Consumidor (CPI) subiu 0,1% em agosto, ante previsão de queda de 0,1%. Os dados foram divulgados na manhã desta segunda-feira pelo governo dos Estados Unidos (EUA).

De acordo com o relatório encaminhado ao mercado, nos últimos 12 meses, o índice de todos os itens aumentou 8,3% antes do ajuste sazonal.

Também disse que os aumentos nos índices de abrigo, alimentação e assistência médica foram os maiores de muitos contribuintes para o aumento mensal de todos os itens de base ampla.

E acrescentou que esses aumentos foram principalmente compensados por um declínio de 10,6% no índice de gasolina.

O índice alimentar continuou a subir, aumentando 0,8% no mês, com o índice de alimentação em casa subindo 0,7%.

Já o índice de energia caiu 5,0% no mês, com o índice de gasolina caindo, mas o os índices de eletricidade e gás natural aumentaram.

 CPI em 12 meses, por categoria. Fonte: BLS
CPI em 12 meses, por categoria. Fonte: BLS

Inflação norte-americana pelo CPI

Ainda de acordo com o levantamento, o índice para todos os itens – menos alimentos e energia – subiu 0,6% em agosto.

Os índices de abrigo, assistência médica, mobiliário doméstico e operações, veículos novos, seguro de veículos motorizados e educação estavam entre aqueles que aumentou ao longo do mês.

Houve alguns índices que caíram em agosto, incluindo os para tarifas aéreas, comunicação e carros e caminhões usados.

Já o índice de todos os itens aumentou 8,3% nos 12 meses encerrados em agosto, um valor do que o aumento de 8,5% para o período encerrado em julho.

Todos os itens – menos comida e o índice de energia – subiram 6,3% nos últimos 12 meses. O índice de energia aumentou 23,8% para os 12 meses encerrados em agosto, um aumento menor do que o aumento de 32,9% para o período que termina em julho.

Por fim, o índice alimentar aumentou 11,4% no ano passado, o maior aumento em 12 meses desde o período que terminou em maio de 1979.

Federal Reserve (Fed)

O Federal Reserve (Fed, espécie de banco central dos EUA) aguardava esta divulgação para, por meio dela, ler melhor o ambiente econômico do país para, assim, determinar o que fará com os juros na reunião do FOMC, agendada para 21 de setembro de 2022.

Boa parte do mercado já havia precificado uma alta de 75 pontos-base, e o resultado desse CPI ajuda a clarificar melhor os movimentos que a autoridade monetária precisará fazer para segurar a inflação nos EUA, atualmente acima dos 8,5%, um recorde para os padrões norte-americanos.

Tá, e aí?Stephan F. Kautz, economista-chefe da EQI Asset

Economista-chefe da EQI Asset, Stephan F. Kautz disse que o dado de inflação foi uma surpresa, visto que asset esperava uma queda de 0,20%, principalmente porque o núcleo veio em 0,60%, quando a projeção era de 0,30%.

Neste contexto, a queda de gasolina que entra no número cheio foi exatamente o que a Asset projetava, porém, as medidas de núcleo acabaram sendo mais altas.

“Olhando a composição, se vê um dado ruim porque o setor de serviços subiu bastante, e um aumento da difusão dos itens do núcleo, ou seja, não foi somente um ou outro produto, mas o serviço foi espalhado em diversas categorias”, disse.

Segundo Kautz, trata-se de um sinal ruim e uma péssima notícia para o banco central americano, mesmo com o mercado já precificando uma alta de 75 pb. “O movimento que a autoridade monetária fará lá, acerca dos juros, refletirá na curva de juros do Brasil, bem como o dólar voltando a se apreciar por conta dessa preocupação com a inflação”, frisou.

  • Quer saber mais sobre a inflação norte-americana pelo CPI e aprender a investir com assertividade? Clique aqui!
newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias