Renda Variável
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
Quem são os 4 milhões de investidores da B3? Saiba quais os ativos mais procurados

Quem são os 4 milhões de investidores da B3? Saiba quais os ativos mais procurados

Redação EuQueroInvestir

Redação EuQueroInvestir

09 Nov 2021 às 14:47 · Última atualização: 08 Jun 2022 · 5 min leitura

Redação EuQueroInvestir

09 Nov 2021 às 14:47 · 5 min leitura
Última atualização: 08 Jun 2022

mercados

No mês de outubro, a B3 registrou o recorde de 4 milhões de contas pessoas físicas, ou 3,4 milhões de CPFs (uma pessoa pode ter mais de uma conta). O mesmo levantamento mostra dados atuais sobre o perfil do investidor na bolsa brasileira, o qual veremos com mais detalhes a seguir.

Perfil do investidor na bolsa brasileira

De acordo com o relatório da B3 divulgado em novembro sobre o perfil do investidor na bolsa brasileira, foram 800 mil novos investidores no último ano. Do total de investidores, 48% começam a operar no segmento de equities (ações à vista, fundos imobiliários, BDRs, ETFs e outros produtos de renda variável) entre 25 e 39 anos. Logo após, vem a faixa entre 19 e 24 anos, que representa 24%.

Segundo Felipe Paiva, diretor de Relacionamento com Clientes e Pessoa Física da bolsa, o ingresso das novas gerações também é um ponto que chama atenção desde 2019.

Atualmente, as pessoas físicas são responsáveis por 24% do volume de negociação da bolsa. Desde o ano passado, a média de investidores que operam ao menos uma vez por mês supera 1 milhão.

Aumenta a diversificação do investidor na bolsa brasileira

Outro ponto que chama atenção é o aumento da diversificação da carteira nos últimos anos. Segundo o relatório, em 2016 o percentual de pessoas físicas que detinham somente ações era de 78%. Já em 2021, a proporção é de 49%.

perfil B3

Atualmente, a maior diversificação é observada também dentro da categoria de um mesmo ativo. Isso porque hoje, um a cada dois investidores possui mais de cinco tickers.

Em 2016, 39% das pessoas físicas detinham apenas um ativo em sua carteira. Já em 2020, esse percentual caiu pela metade entre os investidores.

 

Para o diretor da B3, “cada vez mais, os investidores possuem uma combinação de ações com outros produtos de bolsa. Nesse sentido, consegue trazer para a prática o conceito da diversificação de carteira.”

Paiva também acrescenta que o brasileiro precisa sair do debate entre renda fixa e renda variável. Isso porque é possível diversificar a carteira em ambas as modalidades.

b3

Reprodução/B3

Ao final de setembro de 2021, as 10 companhias brasileiras com mais pessoas físicas em sua base acionária eram Banco do Brasil, Bradesco, Itaú, Itausa, Magazine Luiza, Oi, Petrobras, Sanepar, Taesa e Via Varejo.

Em relação aos BDRs, os 10 com mais investidores pessoas físicas na mesma data eram Apple, Amazon, Alibaba, Coca Cola, Walt Disney, Facebook, Alphabet (Google), Mercado Livre, Microsoft e Tesla.

Ticket médio do investidor na bolsa brasileira reduz

Em setembro de 2021, o valor médio do primeiro investimento na bolsa foi de R$ 273, o menor desde janeiro de 2014. Se considerarmos os 86 mil novos investidores que entraram na bolsa em setembro, veremos que 46% investiram até R$ 200.

Nesse sentido, a B3 atribui a maior diversificação às recentes mudanças de regras de alguns investimentos. No último trimestre do ano passado, tivemos a liberação de BDRs para investidores comuns. Atualmente, já são 715 BDRs de ações e 45 BDRs de ETFs disponíveis para o pequeno investidor.

Além disso, há também o aumento da oferta de ETFs no mercado, incluindo índices internacionais e criptoativos, por exemplo.

Para Paiva, “pode-se inferir que é uma parcela do patrimônio do investidor, ainda mais combinando com o número da carteira mediana de R$ 8 mil. Ou seja, a pessoa física entre com aportes baixos, mas os mantém de forma recorrente.”

A B3 também mencionou um portal específico sobre ETFs, para auxiliar o investidor que se interessa pelo produto. Ao acessar o site, é possível comparar os diferentes ETFs e BDRs de ETFs disponíveis na bolsa.

Participação das mulheres na bolsa

Ao longo dos anos, o perfil de gênero dos investidores em equities mudou pouco. Apesar de mais mulheres investirem hoje na bolsa, a proporção entre homens e mulheres não sofreu grandes alterações.

 

perfil B3

Reprodução/B3

Por outro lado, as mulheres costumam entrar com valores maiores do que os homens:

 

perfil B3

Reprodução/B3

Investidores por região

Historicamente, a região Sudeste concentra a maioria dos investidores na bolsa. No entanto, as outras regiões têm apresentado crescimento relativo maior de investidores nos últimos anos, como demonstra o gráfico abaixo:

 

B3

Reprodução/B3

Evolução dos investidores no Tesouro Direto

Segundo o relatório da B3, o número de investidores no Tesouro Direto vem crescendo menos desde 2019. Isso porque a queda acentuada dos juros desde o início de 2020 estimulou os investidores a buscarem opções mais rentáveis.

Em setembro de 2021, havia 1,7 milhão de investidores ativos no Tesouro, um aumento de, aproximadamente, 16% no comparativo anual. Em relação ao estoque, percebe-se um ligeiro aumento, de R$ 65,8 bilhões em setembro de 2020 para R$ 70,7 bilhões 12 meses depois. Por fim, percebe-se também uma queda no saldo médio investido, de R$ 5 mil no final de 2019 para R$ 2 mil em 2021.

Outro ponto que chama atenção em relação ao Tesouro Direto é a maior participação de mulheres na modalidade. Diferentemente do mercado de equities, aqui as mulheres apresentaram crescimento considerável. Atualmente, elas representam 41% da base de investidores no produto, um aumento de 16 pontos percentuais comparado a 2013.

Evolução dos investidores brasileiros na renda fixa

O mesmo estudo da B3 aponta que, atualmente, são 9,6 milhões de pessoas físicas que investem em algum produto de renda fixa. Entre os investimentos, foram considerados Certificado de Depósito Bancário (CDBs), Recibo de Depósito Bancário (RDBs), Letra de Crédito (LC), Letras de Crédito Imobiliário e do Agronegócio (LCI e LCA), Certificados de Crédito Imobiliário e do Agronegócio (CRI e CRA), notas comerciais, debêntures e Letras Hipotecárias (LH).

Na comparação com 2020, há um aumento de 11% no número de CPFs e 17% em volume financeiro.

B3

Reprodução/B3

Entre os produtos de renda fixa, o CDB é o destaque, com 6,8 milhões de investidores e saldo de R$ 473 bilhões. Em segundo lugar, vêm os RDBs, que estão nas carteiras de 2,3 milhões de pessoas físicas. Por fim, seguem na preferência os produtos isentos de IR, como LCs, LCIs e LCAs.

A retomada das Criptos?
newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias