Educação Financeira
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
Como investir em ações? Passo a passo para começar a investir na bolsa

Como investir em ações? Passo a passo para começar a investir na bolsa

Redação EuQueroInvestir

Redação EuQueroInvestir

13 Mai 2022 às 19:00 · Última atualização: 24 Jun 2022 · 9 min leitura

Redação EuQueroInvestir

13 Mai 2022 às 19:00 · 9 min leitura
Última atualização: 24 Jun 2022

Homem aprendendo a investir em ações.

Nos últimos anos, a bolsa brasileira tem batido recordes no número de pessoas que começam a investir em ações. No entanto, ainda há muitas dúvidas em relação ao assunto, especialmente em relação aos riscos e à escolha das empresas.

Você está pensando em investir em ações e não sabe bem por onde começar? Então, confira esse guia que a EQI Investimentos preparou com tudo o que você precisa saber para dar os primeiros passos na bolsa de valores. Continue a leitura!

Como investir em ações?

Antes de mais nada, é importante ter claro o que são ações e o que elas representam.

As ações são títulos que representam partes do capital social de uma empresa. Dessa forma, quando você adquire uma ação, torna-se sócio da companhia que a emitiu.

Para que possa vender suas ações a investidores, a empresa precisa antes fazer a abertura do seu capital. Esse processo é conhecido como IPO (oferta pública inicial), e há diversas regras que as companhias precisam cumprir para que sejam autorizadas a negociar seus títulos na bolsa.

Quem adquire uma ação, naturalmente deseja ganhar com os resultados da companhia, e isso acontece de duas formas principais. Uma delas é quando o título se valoriza ao longo do tempo. Assim, se o investidor que pagou menos pela ação no passado resolve vendê-la, terá lucro nessa negociação.

A outra forma é por meio do recebimento de dividendos. No Brasil, as empresas listadas em bolsa são obrigadas a distribuir parte de seus lucros. Ou seja, sempre que há lucro líquido em determinado período, parte desses recursos deve ir para as mãos dos acionistas.

Nesse sentido, a forma mais comum de distribuir esses lucros é por meio de dividendos. A periodicidade dessa distribuição é determinada pela própria empresa, podendo ser trimestral, semestral ou anual na maioria dos casos.

Quais os tipos de ações

Na bolsa de valores, os principais tipos de ações negociadas são as ordinárias e as preferenciais. Ambas são chamadas de nominativas, pois quem as possui tem seu nome identificado nos livros de registro das companhias emissoras.

A seguir, confira as características de cada uma delas.

Ações ordinárias (ON)

Quando ouvimos sobre ações de uma forma genérica, normalmente é sobre as ordinárias que se está falando.

As ações ordinárias (ON) levam o dígito 3 depois das letras que formam o seu código. Por exemplo, PETR3 e OIBR3 são as ações ordinárias nominativas da Petrobras e Oi.

Para quem deseja ter alguma influência sobre as decisões da empresa, as ações ON são as mais indicadas. Isso porque a sua principal característica é o direito a voto concedido ao investidor.

Segundo a legislação, para ter o controle societário da empresa, é preciso ter metade das ON mais uma ação dessa categoria.

Mesmo que o acionista detenha o controle da empresa, ele não responde pessoalmente pelas dívidas da organização. Porém, no caso de falência, os detentores de ações ordinárias receberão os valores investidos somente depois dos investidores das ações preferenciais (PN), as quais veremos a seguir.

Ações preferenciais (PN)

No caso das ações preferenciais (PN), há garantia de recebimento de dividendos fixos permanentes, o que não ocorre com as ON. Por isso, esses títulos são mais indicados para quem deseja investir com foco em renda passiva.

As ações preferenciais possuem o dígito 4 depois do seu código. Por exemplo, PETR4 é a ação PN da Petrobras.

Normalmente, o detentor de ações PN não tem direito a voto nas assembleias. Mas isso é flexível e pode variar de acordo com o estatuto da companhia.

Outro benefício das ações preferenciais são os dividendos, no mínimo, 10% maiores do que os das ações ON. Além disso, como vimos acima, os detentores das ações PN têm prioridade para receber de volta seu capital no caso de falência da companhia.

Quanto custa investir em ações

Na bolsa brasileira, não existe um valor mínimo para investir em ações. Nesse sentido, você pode encontrar ações no pregão de diversas faixas de valores.

Mas há uma regra em relação à quantidade de ações que é importante conhecer: na bolsa brasileira, as negociações são feitas em lotes de 100 ações.

Por exemplo, se você deseja comprar uma ação que custa R$ 20, precisará de R$ 2.000 para adquirir o lote no mercado à vista.

A opção ao mercado à vista é o mercado fracionário. Nesse ambiente, é possível negociar menos de um lote de ações, com quantidades entre um e 99 títulos.

No entanto, os títulos no mercado fracionário costumam ser mais caros para o investidor. Além disso, os volumes de negociação são bem menores do que no mercado à vista, e isso pode atrapalhar o investidor na hora de vender o título.

Em relação aos custos, é importante também saber que há taxas de corretagem envolvidas nas negociações de ações. Nesse sentido, algumas corretoras cobram taxas fixas sobre as operações. Em outras, as taxas são variáveis e correspondem a um percentual da operação.

Lembrando que também há incidência de Imposto de Renda de 15% sobre o lucro que o investidor obtém na venda da ação. Só não haverá cobrança do IR se a venda no mês for abaixo de R$ 20 mil.

Estratégias para investir em ações

Outro aspecto importante para quem quer investir em ações é saber que há várias formas de fazer esses investimentos. A seguir, mostraremos três das estratégias mais conhecidas: buy and hold, day trade e dividendos.

Buy and hold

Traduzida do inglês, a expressão buy and hold significa, literalmente, “comprar e segurar. Ou seja, o objetivo da estratégia é comprar o ativo e permanecer com ele muito tempo na carteira.

Essa é a mais tradicional das estratégias para investir em ações. Isso porque, quem investe no mercado acionário, normalmente faz isso com vistas ao longo prazo. Leva tempo para que os negócios das empresas maturem e gerem resultados. Além disso, há diversos ciclos na economia que afetam diretamente o desempenho das empresas, e é preciso ter paciência para lidar com essas fases.

Dessa forma, quem pratica o buy and hold leva em consideração os fundamentos da empresa e suas perspectivas de crescimento ao longo dos anos. Inclusive, essa é a estratégia do megainvestidor Warren Buffett há anos.

Leia também:

Day trade

Embora as ações sejam, tipicamente, um investimento de longo prazo, também há chances de lucrar com elas no curtíssimo prazo.

No day trade, o prazo é curtíssimo mesmo, pois estamos falando de operações que duram menos de 24 horas. Ou seja, o investidor compra e vende a ação no mesmo dia, tentando aproveitar uma curta janela de valorização do título.

Há quem consiga identificar boas oportunidades no day trade e lucrar com a técnica. No entanto, é preciso uma boa bagagem técnica e muita experiência nessas operações para reduzir as chances de prejuízos.

Dividendos

Outra conhecida estratégia para investir em ações é montar uma carteira de dividendos.

Como vimos no início, uma das formas de ganhar com ações é por meio do recebimento periódico do lucro das empresas.

Nesse caso, o investidor está mais preocupado com o recebimento de dividendos do que com a valorização dos títulos em si.

Normalmente, empresas que atuam em setores mais consolidados costumam ser boas pagadoras de dividendos. Alguns exemplos desses setores são saneamento, infraestrutura, telecomunicações, bancos, entre outros.

Pelo fato de não precisarem reinvestir no negócio com tanta frequência, empresas que atuam nesses setores acabam tendo mais caixa para distribuir entre os acionistas. Além disso, a previsibilidade de resultados dessas empresas também costuma ser maior, uma vez que esses setores têm o desempenho mais constante. Isso também contribui para que possam pagar dividendos maiores e com mais regularidades aos investidores.

Riscos e vantagens de investir em ações

De forma geral, quem decide investir em ações está em busca de retornos superiores aos da renda fixa. Para que isso aconteça, as empresas precisam apresentar bons resultados. Dessa forma, a sua participação de mercado aumentará e, consequentemente, os seus títulos serão valorizados.

A seguir, confira alguns dos principais riscos e vantagens de investir em ações.

Principais riscos

Mesmo que a empresa faça o dever de casa, somente isso não basta para garantir um bom desempenho. Como vimos, a atividade empresarial está sujeita às diversas ondas da economia, sobre as quais, muitas vezes, não se tem controle.

Por isso, ao mesmo tempo que oferecem grande potencial de retorno, as ações carregam risco muito maior do que outras modalidades de investimentos.

Diferentemente da renda fixa, não há nenhuma garantia de rentabilidade para quem investe em ações. Na pior das hipóteses, o investidor pode, inclusive, receber menos do que pagou pelo título.

Além de não ter ganhos garantidos, quem deseja investir em ações precisa contar também com a volatilidade do mercado. De acordo com as negociações realizadas, os preços das ações variam todos os dias. E nem todos os investidores conseguem lidar bem com essas oscilações.

Principais vantagens

Por outro lado, investir em ações proporciona uma grande diversificação à carteira. Isso porque há empresas de diversos segmentos e portes sendo negociadas na bolsa. Logo, se o investidor seleciona bons papéis de segmentos distintos, consegue diluir melhor o risco desses ativos.

Outra vantagem de investir em ações é a dupla possibilidade de ganhar com esse ativo. Como vimos, o investidor tanto pode obter lucro com a valorização dos títulos quanto com o recebimento de dividendos.

Por fim, vale destacar que há diversas empresas listadas na bolsa ainda pouco conhecidas e com grande potencial de crescimento e valorização. Logo, quem adquire seus títulos cedo, tem grandes chances de multiplicar o patrimônio.

Leia também:

Se você quiser saber mais sobre como investir em ações ou em outros ativos, preencha o formulário abaixo para que a assessoria da EQI Investimentos possa lhe ajudar a montar a sua carteira!

 

A retomada das Criptos?
newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias