Ações
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
BTG Pactual (BPAC11) recomenda compra da PetroReconcavo (RECV3) em sua primeira análise

BTG Pactual (BPAC11) recomenda compra da PetroReconcavo (RECV3) em sua primeira análise

Victor Meira

Victor Meira

09 Set 2022 às 16:11 · Última atualização: 09 Set 2022 · 6 min leitura

Victor Meira

09 Set 2022 às 16:11 · 6 min leitura
Última atualização: 09 Set 2022

Bomba de extração de petróleo

Divulgação PetroReconcavo (RECV3)

A equipe de research do BTG Pactual (BPAC11) inicia a cobertura de análise da PetroReconcavo (RECV3), uma das principais empresas petrolíferas do Brasil. Inclusive, os analistas do banco de investimentos recomendam a compra do ativo, com preço-alvo de venda de R$ 40 por ação.

Nesta sexta-feira (09), a RECV3 opera em alta de 3,16%, com preço negociado a R$ 28,39. Em 2022, apesar de ser um ano bastante volátil no mercado acionário, os papéis valorizaram 65,10%.

Gráfico de linhas sobre o desempenho da PetroReconcavo (RECV3) em 2022
Google Finanças

No relatório, o BTG Pactual informa que a PetroReconcavo é uma empresa focada na produção de petróleo e gás na Bacia do Recôncavo, na Bahia. Dito isso, os analistas apontam três pontos de destaque da companhia:

  • crescimento médio de produção de 26% nos próximos 3 anos;
  • exposição exclusiva a ativos onshore e a uma carteira madura (as reservas 1P são 79% das reservas 2P), significando simplicidade e menor risco de execução; 
  • custos baixos (breakeven) de US$ 37/bbl desde o dia 1, que podem cair para US$ 27/bbl até 2026, de acordo com nossas estimativas, oferecendo uma boa proteção para tempos voláteis.

Além disso, o relatório aponta que a RECV3 está fazendo um ótimo trabalho em monetizar e aumentar a visibilidade da geração de caixa a partir da sua produção de gás, que corresponde por 38% da produção total. 

Haja vista que a RECV lidera o desenvolvimento do incipiente mercado de gás do Brasil, que deverá crescer a médio prazo devido à  ‘Nova Lei do Gás’ do país. 

Por que investir na PetroReconcavo (RECV3)?

De acordo com a equipe de research do BTG, a tese de investimento na RECV é bem simples. Uma vez que o principal objetivo da empresa é ter ativos onshore com baixos fatores de recuperação ou abaixo do potencial e desenvolvê-los por meio de operações mais focadas e eficientes. 

“Como a maioria dos custos associados a esses ativos são fixos, o sucesso dessas campanhas de revitalização traz outro ponto positivo: a alavancagem operacional, permitindo que a empresa dilua fortemente os custos à medida que a produção aumenta”, explica o relatório do banco de investimentos. 

Com isso, o fato da PetroReconcavo ser exposta somente ao onshore brasileiro contribui para a redução da percepção de risco no caso. Há dois motivos para esse sentimento: 

“Primeiro, porque significa um menor grau de complexidade em relação às operações em águas rasas/profundas. Segundo, porque os baixos investimentos na revitalização desses campos nas últimas décadas significam que uma parte relevante do crescimento da produção deve ser oriunda de técnicas convencionais de intervenção (ou seja, usando tecnologias conhecidas e de baixo custo)”, explica o relatório.

Devido ao programa de desinvestimentos da Petrobras, a RECV acelerou sua estratégia de crescimento em 2019, com a aquisição do cluster RDF, logo seguido pela Remanso e depois pela Miranga. Atualmente, a empresa aguarda a assinatura e o fechamento da aquisição do cluster Bahia Terra.

Produção e custos

Antes de ver a explicação sobre a produção e custos, veja os dados financeiros da PetroReconcavo:

Dados financeiros da PetroReconcavo (RECV3)
Divulgação BTG Pactual

Desde 2017, a produção de petróleo e gás se multiplicou por quase cinco vezes diante do programa de aceleração da companhia.

“Uma das características mais atraentes da RECV é sua estrutura de custos. Olhando para os ativos já adquiridos e sob sua administração, os custos médios de extração são baixos US$ 14/bbl. Enquanto isso, os custos médios de extração de onshore no Brasil são de US$ 17/bbl, o que significa que a RECV já é mais eficiente do que a maioria das operadoras locais”, informa o relatório. 

Ademais, os analistas projetam que até 45% dos custos operacionais sejam fixos, o que significa que a alavancagem operacional pode ser grande, levando a custos unitários ainda mais baixos nos próximos anos. 

“Dos atuais 3,6 milhões de boe/d de óleo e gás produzidos no Brasil, este último responde por 23%. A produção de gás no Brasil cresceu significativamente nas últimas duas décadas, sustentada, principalmente, pela descoberta e desenvolvimento do pré-sal. Uma grande parte da produção de gás do país é realmente reinjetada e usada para aumentar a eficiência da produção em campos de petróleo. Na tentativa de dar uma virada no cenário regulatório do setor para melhorar a economia do setor, o governo brasileiro aprovou a Nova Lei do Gás”, cita o BTG Pactual. 

Quais são os riscos da RECV?

Como todo investimento em renda variável, há riscos ao aplicar o seu dinheiro na PetroReconcavo. O BTG indica os seguintes riscos:

  • preços de petróleo e gás, uma vez que potenciais desequilíbrios futuros de oferta e demanda podem resultar em um mercado de petróleo mais solto do que a maioria espera; 
  • taxas de juros mais altas, pois reduziriam o apetite dos investidores por crescimento (e a RECV é uma história de crescimento); 
  • riscos de execução, pois a menor produção acabaria reduzindo a capacidade da empresa de diluir custos fixos, e campanhas de revitalização menos bem-sucedidas aumentariam o capex por barril nos projetos da RECV.

Além disso, é preciso se preocupar com os riscos regulatórios, uma vez que as renovações de concessões são importantes para a empresa no longo prazo. 

Aliás, caso não consiga capturar os benefícios fiscais da Sudene, isso pode significar em um downside significativo para nosso cenário base. 

“Dito isso, achamos que ambos os riscos são muito limitados com base na agenda da ANP para promover o renascimento da indústria de P&G onshore no Brasil”, conclui o relatório do BTG Pactual.

Quer saber mais sobre PetroReconcavo (RECV3) e como investir melhor? Preencha o cadastro que um assessor da EQI Investimentos irá entrar em contato.

newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias