Educação Financeira
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
Qual é o melhor título do Tesouro atualmente? Saiba agora!

Qual é o melhor título do Tesouro atualmente? Saiba agora!

Redação EuQueroInvestir

Redação EuQueroInvestir

15 Jan 2022 às 10:00 · Última atualização: 15 Jan 2022 · 6 min leitura

Redação EuQueroInvestir

15 Jan 2022 às 10:00 · 6 min leitura
Última atualização: 15 Jan 2022

tesouro IPCA

Tesouro e BC mudam leilão de títulos

A plataforma do Tesouro Direto oferece diversos tipos de papéis. A missão é descobrir qual deles se encaixa melhor na carteira do investidor, considerando seus objetivos e o cenário macro econômico.

Para ajudar nesse quesito, este artigo esmiúça melhor o assunto. Siga na leitura e descubra qual é o melhor título do Tesouro.

Confira!

Fundos de investimento são opção para diversificar carteira

O que é o Tesouro Direto?

Todo governo de todo país tem a possibilidade de buscar recursos junto à sociedade para custear suas despesas. A isso damos o nome de dívida pública e o Brasil também tem um mecanismo desses.

Trata-se do Tesouro Direto, um nome meigo para designar a plataforma na qual são negociados os títulos emitidos pelo Governo Federal, um dos três grandes emissores da renda fixa.

A forma de investimento é bastante simplificada e foi criada em 2002 em uma parceria entre governo e B3, a bolsa de valores de São Paulo.

Por meio dessa plataforma, qualquer investidor interessado pode fazer seu cadastro e começar a investir com valores a partir de R$ 30,00.

É uma forma de democratizar o acesso aos títulos do Tesouro Nacional e também de facilitar a captação de recursos por parte do emissor.

No entanto, é preciso algum conhecimento para adquirir os papéis. Até mesmo porque dependendo do cenário macro econômico e da curva de juros, é possível que haja rentabilidade negativa.

Portanto, a melhor forma de investir é se informando primeiro sobre os tipos de títulos que estão à disposição do investidor.

Quais são os títulos negociados na plataforma?

Existem atualmente três tipos de papéis negociados no Tesouro Direto. Acompanhe a seguir um breve descritivo de cada um deles e suas características.

Tesouro Prefixado

O primeiro título do Tesouro que descreveremos é o prefixado. Trata-se de um papel cujo retorno já é sabido no início do investimento.

Sua rentabilidade é expressa na própria nomenclatura do título, como 10% ao ano, por exemplo. Assim, quem segurar o investimento até o prazo de resgate receberá a taxa acordada inicialmente.

No entanto, como alguns desses títulos são de longo prazo, pode ocorrer a necessidade de resgate antecipado. Na verdade, isso é mais comum do que se possa imaginar.

Nesse cenário as coisas mudam um pouco, pois haverá um evento chamado de marcação a mercado. Nessa situação, o valor pago pelo papel para fazer o resgate não é o da taxa acordada, e sim o valor que o mercado oferta no momento.

Se o ciclo de juros for de alta, a rentabilidade auferida provavelmente será negativa. Isso porque o mercado estima o valor do papel e traz a valor presente.

Assim, a quantia resgatada poderá ser menor que o valor investido inicialmente.

Para consultar a rentabilidade acumulada dos papéis do Tesouro, basta clicar aqui e conferir a tabela fornecida pela própria plataforma.

Perceba que há títulos prefixados com perdas de mais de 10% em 12 meses, como é o caso do Tesouro Prefixado com vencimento em 2027, 2029 e 2031.

Tesouro Selic

Já o Tesouro Selic é classificado como um papel do tipo pós-fixado. Isso quer dizer que não é possível determinar qual será a rentabilidade ao final do período de aplicação.

Sabe-se que ela será positiva, mas em quanto será positivo não se sabe. Por isso o nome de pós-fixado.

A razão para isso acontecer é muito simples: o Tesouro Selic é atrelado a um indexador. Isso quer dizer que sua referência de rentabilidade é dada por tal indicador e a “tarefa” do título é apenas de segui-lo.

Nesse caso, estamos falando da taxa Selic. Vem daí o nome do título.

Como essa é a taxa básica de juros da economia brasileira, ela sofre variações. De acordo com a política econômica do governo em questão e das condições macroeconômicas, a Selic pode estar mais alta ou mais baixa.

Quem decide isso é o Banco Central por meio das reuniões do COPOM, o Comitê de Política Monetária. O encontro se dá a cada 45 dias e a taxa pode ser mantida, elevada ou rebaixada.

O Tesouro Selic renderá mais ou menos em um cálculo diário de acordo com o nível da taxa Selic, acumulando a rentabilidade do papel a cada dia que passa.

Nesse caso, não existe marcação a mercado. O investidor saca o rendimento do período que ficou aplicado e ponto final. Até mesmo por isso esse papel é recomendado para aplicar a reserva de emergência.

Tesouro IPCA

Por fim, temos o Tesouro IPCA. Ele tem esse nome porque também é atrelado a um indicador. Nesse caso é a inflação, também conhecida pela sigla em questão.

Esse papel é um título híbrido. Isso quer dize que sua rentabilidade é composta de uma parte prefixada e outra pós-fixada. Esse mecanismo confere um artifício muito interessante chamado proteção contra a inflação.

Ocorre que sua rentabilidade é expressa por um percentual fixo acrescido da inflação do período, IPCA + 6% ao ano, por exemplo.

Dessa forma, o rendimento do papel será de 6% ao ano acima da inflação, não importando qual é o seu valor. Se a inflação estiver em 10% ao ano, o papel oferece 16% ao investidor.

Essa é uma ótima opção de proteção do principal e vale lembrar que, da mesma forma que os prefixados, esses títulos também sofrem marcação a mercado no caso de resgate antecipado.

Qual é o melhor título do Tesouro na atualidade?

A princípio, a escolha pelo “melhor” título depende dos objetivos do investidor. Se quer fazer reserva de emergência, por exemplo, provavelmente a opção sempre será o Tesouro Selic.

No entanto, também é necessário considerar as condições de mercado.

Conforme vimos, títulos prefixados não são recomendados para ciclos de alta de juros, pois a rentabilidade pode acabar sendo negativa para casos de resgate antecipado.

Outro ponto importante é considerar o aumento expressivo da inflação, impulsionado principalmente pela crise causada pela pandemia.

Assim, quem tiver a intenção de proteger seu capital contra a perda do poder de compra, pode optar por esses papéis também.

Lembrando que o ideal é segurar até o vencimento, pois também pode ocorrer o efeito da marcação a mercado.

Por fim, vale lembrar que existe a opção do pagamento de juros semestrais e, de acordo com a intenção de cada alocação, essa também pode ser uma alternativa a ser considerada.

Quer conhecer mais investimentos? Então preencha este formulário que um assessor da EQI Investimentos entrará em contato para mostrar as aplicações disponíveis!

newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias