Educação Financeira
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
Vale a pena investir na Petz (PETZ3)? Ritmo de expansão acelerado é uma boa opção para 2022

Vale a pena investir na Petz (PETZ3)? Ritmo de expansão acelerado é uma boa opção para 2022

Redação EuQueroInvestir

Redação EuQueroInvestir

22 Fev 2022 às 16:00 · Última atualização: 22 Fev 2022 · 6 min leitura

Redação EuQueroInvestir

22 Fev 2022 às 16:00 · 6 min leitura
Última atualização: 22 Fev 2022

Petz (PETZ3)

Divulgação/Petz

Desde o início do sua oferta pública inicial (IPO em inglês), em setembro de 2020, a Petz (PETZ3) sempre foi um dos principais destaques positivos na B3 (B3SA3).

Porém, o fraco desempenho apresentado pelo Ibovespa no segundo semestre derrubou o preço das ações da única empresa de pet shops listada na bolsa.

Será que essa queda representa uma entrada de oportunidade na companhia? Ou será que é mais um indicativo de não alocar o dinheiro nela?

Pensando nisso, fizemos um artigo com as principais informações sobre a Petz para você, investidor, avaliar se vale a pena ou não investir na principal companhia de pets do Brasil.

Breve histórico sobre a Petz na B3

A Petz abriu as negociações na bolsa de valores no dia 11 de setembro de 2020, com os papéis cotados a R$ 16,70. Após um mês de setembro com seguidas desvalorizações, as ações da da companhia começaram um bom ciclo de altas até agosto de 2021, quando atingiu o preço de R$ 27,83.

Quem colocou dinheiro na pet shop desde o início do IPO, conseguiu lucrar 39,99% em menos de um ano. Um desempenho elogiável para qualquer ativo.

Google Finanças

Gráfico da Petz (PETZ3) desde o IPO, em setembro de 2020 – Google Finanças

Na época, o Brasil apresentava uma boa perspectiva econômica com a reabertura gradual, mas cada vez mais intensa no comércio, e a diminuição das medidas de prevenção contra a pandemia de covid-19.

Entretanto, o segundo semestre chegou com a patada do urso no mercado, ou seja, os ativos que se destacaram bastante sofreram uma grande desvalorização, principalmente no varejo. A Petz foi uma dessas empresas que sofreu nos últimos seis meses de 2021, mesmo com resultados operacionais considerados excelentes e planos de expansão.

Do auge até o último dia útil de 2021, as ações da companhia apresentaram uma desvalorização de 70%.

Gráfico da Petz (PETZ3) dos últimos seis meses – Google Finanças

Ano novo, vida nova. Esse é um ditado bastante comum nas festas de final de ano. Mas também pode ser aplicado com a Petz. Do início de 2022 até hoje, a empresa registrou um lucro de aproximadamente 15%.

Este pode ser um indicativo de recuperação da companhia, uma vez que os indicadores macroeconômicos já apresentam índices de recuperação e o próprio setor de varejo parece estar saindo da lama.

Gráfico da Petz (PETZ3) EM 2022- Google Finanças

Petz aposta na expansão para ter crescimento

O Brasil é o segundo maior mercado consumidor, atrás apenas dos EUA, de produtos destinados aos animais de estimação. Além disso, o país segue aumentando a demanda por serviços e produtos para os pets. Em muitos casos, os pais de pets não ligam para o valor a ser pago para manter um ambiente confortável para seus “filhos”.

Apesar disso, esse mercado é segmentado e bastante fragmentado, o que dificulta a presença dominante do grupo de empresas. Para se ter uma ideia disso, as principais pet shops no Brasil contam com um Market Share de apenas 11%, sendo 6% da Petz e 5% da Cobasi.

De olho neste cenário, Sérgio Zimerman, CEO da Petz, aposta em um plano de expansão ambicioso. “A princípio, a gente não pensava sequer em ter duas lojas. A ideia era abrir somente uma loja, para sustentar a família. Porém, depois que uma loja dá certo, a veia do empreendedorismo começa a perguntar: por que não uma segunda ou uma terceira loja? E assim foi indo, até que, em setembro desse ano, atingimos a marca de 150 lojas, distribuídas entre 18 estados”, afirmou

A empresa conta hoje, com aproximadamente, 150 lojas distribuídas em 18 estados. Para 2022, a companhia quer ampliar para mais de 200 lojas e entrar no Pará, Maranhão e Piauí. Essa operação será financiada após uma capitalização de R$ 779 milhões, com emissão de novas ofertas, em novembro de 2021.

Aquisições para aumentar participação no mercado de pets

Além de aumentar o número de lojas, a Petz está ativa no mercado com incorporação de outras empresas que atuam no segmento de pets. No ano passado, foram adquiridas a Petix (produtora de tapetes higiênicos), Zee.Dog (produz acessórios para cães), Cansei de Ser Gato e Cão Cidadão (produtoras de conteúdo e serviços).

Zimerman citou que 2022 será o ano da integração das empresas adquiridas pela companhia. Um exemplo citado por ele é a possibilidade de a Zee.Dog deixar de importar tapetes higiênicos com a aquisição da Petix, que fabrica o produto, resultando na redução de custos com câmbio e frete. Zimmerman citou também a expansão da companhia para o mercado norte-americano, onde a Petix atua em 2,4 mil lojas espalhadas por todo o país.

Segundo um analista do mercado financeiro, as aquisições têm o objetivo de ampliar a rede de produtos e serviços oferecidos pela família Petz e aumentar a sua participação neste mercado tão promissor. Além disso, a compra de produtoras de conteúdo, como a Cansei de Ser Gato, é uma iniciativa para reforçar a equipe de marketing e mostrar uma imagem de empresa querida entre os pets.

Afinal de contas, vale a pena investir na Petz?

Assim como as empresas ligadas ao varejo, a Petz depende de um bom ambiente macroeconômico para decolar, assim como aconteceu no final de 2020 e primeiro semestre de 2021. Dessa forma, os juros e a inflação devem baixar para melhorar o desempenho dela.

Pelo menos, o ano de 2022 começou positivo para a pet shop. Já indica sinais de recuperação e conseguiu um lucro de 15% em menos de dois meses. Diversos analistas do mercado explicam que a tendência, mesmo com ano eleitoral, é um arrefecimento da inflação no segundo semestre.

Como a Petz já faz um belo dever de casa, com um plano de expansão ambicioso, mas dentro de uma realidade aceitável, e com aquisições e um marketing mais agressivo, é uma boa recomendação de compra. Embora ainda apresente um certo risco diante da economia brasileira.

newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias