Economia
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
Selic pode ter alta acima de 1,5 ponto, admite diretor do BC

Selic pode ter alta acima de 1,5 ponto, admite diretor do BC

Redação EuQueroInvestir

Redação EuQueroInvestir

09 Nov 2021 às 10:10 · Última atualização: 09 Nov 2021 · 2 min leitura

Redação EuQueroInvestir

09 Nov 2021 às 10:10 · 2 min leitura
Última atualização: 09 Nov 2021

Taxa Selic

A taxa Selic, que passou quase todo o ano de 2020 praticamente inalterada, pode voltar a crescer em ritmo acelerado, segundo Bruno Serra, diretor de Política Monetária do Banco Central (BC).

O executivo conversou com jornalistas do Nikkei Asia e, ao veículo de imprensa japonês, indicou que um aumento acima de 1,5 ponto percentual não está descartado para dezembro, quando ocorrerá a próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom).

“Se for necessário aumentar a taxa em mais de 1,50 ponto porcentual, nós precisaremos fazer isso”, sintetizou.

Atualmente, a taxa Selic está em 7,75% ao ano e, caso “seja necessário”, como o diretor do BC disse, aumentar novamente em 1,5 ponto percentual, ela passaria a 9,25% ano ano.

Além da Selic, inflação também preocupa BC

O percentual da taxa Selic está diretamente ligado à preocupação do órgão com a meta da inflação de 2022. Na segunda passada, o Boletim Focus apontou um dado preocupante.

Os números mostraram que a mediana para o IPCA, o índice oficial de inflação, de 2022 aumentou pela 16ª vez consecutiva,  passando de 4,55% para 4,63%, mais perto do teto (5%) do que do centro (3,50%).

O diretor do BC foi taxativo ao falar do assunto para a mídia japonesa. “Nós ainda estamos perseguindo o centro da meta de 2022.”

Serra também abordou rapidamente o cenário externo na entrevista, e pincelou sobre o início da normalização monetária pelo Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA).

Segundo o diretor do BC, o quadro já era esperado, pois todos se prepararam muito bem. O Fed chegou a investir US$ 43 milhões na economia dos EUA durante a pandemia, mas, agora, vai interromper o incentivo.

Serra disse que, diante da situação, é “razoável esperar” que a primeira alta de juros nos Estados Unidos ocorra no segundo semestre de 2022, mas não acredita que o Brasil e outros emergentes sejam impactados por conta disso.

 

A retomada das Criptos?
newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias