Economia
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
EUA: prévia da confiança do consumidor sobe a 55,1 em agosto

EUA: prévia da confiança do consumidor sobe a 55,1 em agosto

Osni Alves

Osni Alves

12 Ago 2022 às 11:27 · Última atualização: 12 Ago 2022 · 2 min leitura

Osni Alves

12 Ago 2022 às 11:27 · 2 min leitura
Última atualização: 12 Ago 2022

Imagem mostra pessoas próximas a um centro comercial dos EUA.

A leitura preliminar da confiança do consumidor nos Estados Unidos (EUA) subiu 55,1 pontos em agosto, acima do consenso de 52,5 pontos.

O levantamento é feito pela Universidade de Michigan e a pesquisa elenca que a expectativa de inflação em 1 ano cai 5%, de 5,2%; em 5 anos sobe a 3%, de 2,9%.

Conforme a instituição, o sentimento do consumidor subiu muito ligeiramente este mês para cerca de 5 pontos do índice acima da baixa histórica alcançada em junho.

Também disse que todos os componentes de expectativas melhoraram este mês, principalmente entre os consumidores de baixa e média renda para os quais a inflação é particularmente relevante.

E acrescentou que as perspectivas econômicas para o ano seguinte aumentaram substancialmente para um pouco acima da leitura média do segundo trimestre de 2022, enquanto os outros dois componentes do índice de expectativas permanecem iguais ou abaixo das médias do segundo trimestre.

Gráfico mostra a evolução da confiança do consumidor dos EUA.

Prévia da confiança do consumidor nos EUA

Ainda de acordo com o levantamento, ao mesmo tempo os consumidores de alta renda, que geram uma parcela desproporcional dos gastos, registraram grandes quedas tanto nas finanças pessoais atuais quanto nas condições de compra de bens duráveis.

Com quedas contínuas nos preços de energia, a taxa de inflação mediana esperada para o ano seguinte caiu para 5,0%, sua leitura mais baixa desde fevereiro, mas ainda bem acima da leitura de 4,6% de um ano atrás.

Em 3,0%, as expectativas medianas de inflação de longo prazo permaneceram na faixa de 2,9-3,1% observada no ano passado.

A incerteza sobre a inflação de longo prazo recuou um pouco, com o intervalo interquartil nas expectativas caindo de 4,7 no mês passado para 3,8 neste mês, permanecendo acima do intervalo de 3,3 observado em agosto passado.

Ainda assim, a parcela de consumidores que culpam a inflação pela erosão de seus padrões de vida permaneceu perto de 48%.

newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias