Economia
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
Preços ao produtor (IPP) na Alemanha pulam para 7,9% em agosto, muito acima da projeção

Preços ao produtor (IPP) na Alemanha pulam para 7,9% em agosto, muito acima da projeção

Victor Meira

Victor Meira

20 Set 2022 às 09:33 · Última atualização: 20 Set 2022 · 2 min leitura

Victor Meira

20 Set 2022 às 09:33 · 2 min leitura
Última atualização: 20 Set 2022

Bandeira da Alemanha

Pixabay

O Índice de Preços ao Produtor (IPP) da Alemanha registrou alta de 7,9% em agosto em comparação ao mês anterior, que já tinha apresentado um avanço de 5,3%. O indicador ficou bem acima da projeção do mercado, que esperava uma subida de 1,6%.

Os dados foram divulgados, nesta terça-feira (20), pela Destatis, agência oficial de estatísticas dos alemães.

Com este resultado, o IPP alemão acelerou para 45,8% em comparação com agosto de 2021, ante a estimativa de 37,2% dos investidores. 

De acordo com a Destatis, o avanço do IPP foi motivado pelo aumento dos preços da energia. Além disso, houve um crescimento significativo nos bens intermediários (17,5%) e nos bens de capital (7,8%), assim como foi observado nos bens de consumo duráveis e não duráveis (10,9% e 16,9%, respectivamente).

Gráfico do IPP da Alemanha
Divulgação Destatis

O que é o IPP?

O IPP é a sigla para abreviar o Índice de Preços ao Produtor. Este indicador é utilizado para medir o acompanhamento do preço médio de venda de produtos e serviços realizados por empresas pertencentes às indústrias extrativas ou de transformação. 

As indústrias extrativas são aquelas que trabalham com a extração de matéria-prima. Geralmente, são denominadas como empresas de commodities, em que podemos citar, por exemplo, a Vale (VALE3), CSN (CSNA3) e a Klabin (KLBN11).

Já as indústrias de transformação usam os produtos vendidos pela extrativistas para transformar este produto em bens de consumo para a população. 

  • Quer saber mais sobre o Índice de Preços ao Produtor (IPP) da Alemanha e aprender a investir de forma a se proteger dos preços de mercado? Clique aqui!
newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias