Educação Financeira
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
Ibovespa recua com peso da reforma tributária e inflação local

Ibovespa recua com peso da reforma tributária e inflação local

Redação EuQueroInvestir

Redação EuQueroInvestir

29 Jun 2021 às 16:57 · Última atualização: 29 Jun 2021 · 3 min leitura

Redação EuQueroInvestir

29 Jun 2021 às 16:57 · 3 min leitura
Última atualização: 29 Jun 2021

bolsa-b3-ibovespa

O Ibovespa opera em queda de 0,62%, aos 126.634 pontos, perto das 13h42, nesta terça-feira (29). 

O Ibovespa recua, abaixo dos 127 mil pontos, com ações de shopping centers entre os destaques negativos. Enquanto isso, investidores buscam avaliar os potenciais efeitos no desempenho das companhias na bolsa por conta da proposta da reforma tributárias, divulgadas pelo governo federal na sexta-feira passada.

O que mais mexe no Ibovespa

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, afirmou na segunda (28) que há a possibilidade de a proposta de tributação de dividendos cair de 20% para 15%. O fim da isenção de Fundos Imobiliários também é analisada na reforma tributária. As informações melhoraram um pouco o humor do mercado.

O destaque entre os indicadores fica por conta do IGP-M, da FGV, que reajusta os aluguéis e tem projeção de alta de 1% em junho, depois de subir 4,10% em maio.

A FGV também divulgou os índices de confiança de Serviços e do Comércio de junho. A confiança de Serviços subiu 5,7 pontos, chegando a 93,8 pontos, maior valor desde o início da pandemia. Já a confiança do Comércio subiu 2 pontos, chegando a 95,9 pontos, nível mais alto desde setembro de 2020.

Os preços na indústria desaceleraram em maio, na comparação com abril. O Índice de Preços ao Produtos (IPP), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apurou uma elevação de 1%.

Na passagem de março para abril, o IPP havia crescido 2,19%. Esta é considerada a menor variação de preços no ano. No acumulado de 2021, o índice atingiu 17,58%. Já o acumulado nos últimos 12 meses foi de 35,86%.

Sai ainda o resultado primário do Governo Central, que inclui Tesouro, Banco Central e Previdência.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) define hoje o valor do reajuste das bandeiras tarifárias, em meio à crise hídrica. O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, falou em rede nacional na noite de ontem (28), pedindo o uso consciente de água e energia, mas descartando racionamento.

Ainda em Brasília, seguem os desdobramentos das acusações sobre possíveis irregularidades nas negociações para compra da vacina indiana Covaxin e da chinesa CanSino, que atingem aliados do governo.

Exterior

Nos EUA, segue em discussão no Congresso o novo pacote de infraestrutura de Joe Biden. Apesar de ter conseguido o apoio de um grupo bipartidário, ele ainda não tem adesão da maioria.

O Índice de Confiança do Consumidor, dos Estados Unidos, atingiu em junho o mais alto nível desde março do ano passado. O índice chegou atingiu 127,3 pontos, ante 120 pontos da leitura passada – revisto para cima.

Mas o principal indicador da semana sai na sexta, com o payroll, folha de pagamentos oficial, que pode modificar as projeções de posicionamento para o Fed e sua política monetária.

Ibovespa: ações

As ações do Braskem (BRKM5) são destaque no início da tarde na sessão desta terça. Por volta das 13h33, as ações da empresa operavam com valorização de 4,69%. Já as ações do CSN (CSNA3) tinham alta de 4,31%.

Em seguida, aparece Banco Inter (BIDI11), que registra ganhos de 3,99%. Já a Usiminas (USIM5) tem alta de 2,59%. Por fim, as ações da Bradespar (BRAP4) sobem 2,04%.

Dólar

O dólar tem alta de 0,39%, a R$ 4,9436, por volta das 13h33.

De acordo com a Agência Estado, o dólar acelerou a alta no mercado à vista ao redor das 11h. A razão foi a segunda coleta de taxas nas mesas de operação, realizadas pelo Banco Central, feitas para formação da Ptax de hoje. Desta forma, foi ampliado novamente o ganho intraday.

O ajuste ocorreu após o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmar que a intenção é transferir aumento permanente de impostos para empresas, além do mercado precificar a valorização do dólar no exterior e alta dos rendimentos dos Treasuries.

newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias