Educação Financeira
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
Dexco (DXCO3): com resultado sólido, BTG Pactual (BPAC11) recomenda compra

Dexco (DXCO3): com resultado sólido, BTG Pactual (BPAC11) recomenda compra

Redação EuQueroInvestir

Redação EuQueroInvestir

11 Fev 2022 às 17:53 · Última atualização: 11 Fev 2022 · 2 min leitura

Redação EuQueroInvestir

11 Fev 2022 às 17:53 · 2 min leitura
Última atualização: 11 Fev 2022

Dexco (DXCO3)

Divulgação

Após a publicação do balanço financeiro do 4º trimestre de 2021, os analistas do Banco BTG Pactual (BPAC11) recomendam a compra das ações da Dexco (DXCO3), com preço-alvo de R$ 23,00. Atualmente, o ativo da empresa abriu a cotação na B3, nesta sexta-feira (11), em R$ 13,55. Assim, há um potencial de valorização de 69%.

De acordo com a equipe de research, a Dexxo é uma empresa que está em constante transformação, liderada por uma equipe de gestão com uma agenda voltada para o retorno. Com essa introdução, relatório aponta que a história de crescimento da companhia alcançou um novo patamar, com os R$ 2,5 bilhões em investimentos, que foram anunciados em julho de 2021.

Com isso, a empresa do setor de construção deve manter um desempenho em uma combinação de forte momento operacional, perspectivas de crescimento de longo prazo e uma valuation atraente.

Dexco (DXCO3): Custos e despesas altas atrapalham destaques operacionais

Os painéis de madeira apresentaram um EBTIDA de R$ 385 milhões, 4% abaixo da expectativa do BTG Pactual. Os preços subiram 11%, visto que a empresa conseguiu implementar com sucesso uma nova rodada de aumentos nos preços. Por isso, a diferença em relação à análise do BTG foi impulsionada pelos aumentos dos custos da caixa, que foi 7%. 

Em relação a deca, o EBITDA foi de R$ 118 milhões, 2% abaixo do esperado. A diferença de números pode ser explicada pelo aumento do custo caixa/unidade em aproximadamente 30%. Isso ocorreu devido à menor diluição do custo fixo, um tempo de inatividade não planejado e outros fatores não recorrentes

E por último, os revestimentos cerâmicos registraram um EBITIDA de R$ 84 milhões, um recuo de 7% da projeção do banco de investimentos. Este fato foi causado pelos custos de caixa mais altos, por causa do aumento do gás natural, e pelos impactos não recorrentes de despesas gerais e administrativas.

Capex de expansão fluindo… próximo a zero de fluxo de caixa

A Dexco investiu cerca de R$300 milhões em sua expansão e com projetos especiais no trimestre, que incluem aquisição da ABC, desembolsos de DWP, expansão de painéis de madeira e outros. 

A geração de caixa foi quase zero no trimestre, mas ao excluir o capex de crescimento, a empresa teria gerado um yield anualizado de 11%. 

Em relação a dívida líquida/EBTIDA, a Dexco conseguiu manter em 1,1x no trimestre. Embora tenha realizado altos pagamentos de dividendos.  Mesmo assim, o balanço sólido permanece para o próximo ciclo de investimentos.

newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias