Educação Financeira
arrow-bc
Notícias
arrow-bc
Como fica a renda fixa com o fim do ciclo de alta da Selic? Entenda!

Como fica a renda fixa com o fim do ciclo de alta da Selic? Entenda!

Redação EuQueroInvestir

Redação EuQueroInvestir

21 Mai 2022 às 19:00 · Última atualização: 21 Mai 2022 · 6 min leitura

Redação EuQueroInvestir

21 Mai 2022 às 19:00 · 6 min leitura
Última atualização: 21 Mai 2022

Selic

Reprodução/Pixabay

Como fica a renda fixa com o fim do ciclo de alta da Selic?

É provável que estejamos no fim de um ciclo de elevação da taxa Selic. Se isso se confirmar, todo o mercado de renda fixa é afetado.

Para saber como serão esses possíveis efeitos, o artigo a seguir analisa melhor o cenário.

Siga na leitura e confira o texto!

Porque a taxa Selic subiu?

Os acontecimentos recentes deixaram marcas profundas nas economias de todos os países. Sim, estamos falando da crise causada pela pandemia e, mais recentemente, do conflito entre a Rússia e a Ucrânia.

Com a primeira crise, veio o fechamento dos portos para restringir a circulação de pessoas com vistas a frear o avanço da pandemia. Com isso, diversas mercadorias importantes tiveram seu fluxo interrompido.

Como consequência, seus preços se elevaram. Estamos falando de suprimentos básicos, sendo o principal deles os alimentos. Os efeitos foram sentidos por todos os países.

Posteriormente, o conflito armado no leste europeu afetou ainda mais o preço das commodities. E entre elas está o petróleo, que tem efeitos sobre o transporte de mercadorias.

Foi dessa forma que a inflação disparou e atingiu a economia de nosso país. E medidas emergenciais precisaram ser tomadas, sendo uma delas (talvez a principal) a elevação da taxa básica de juros, a Selic.

A intenção é reduzir a liquidez do mercado e, assim, diminuir a inflação atual da nação. Com um mercado consumidor desaquecido, a procura por itens de maior duração tende a reduzir e os preços diminuem também.

Porém, isso leva algum tempo, mas já aparentamos estar no fim do ciclo de alta dos juros. Outro efeito indesejado que ocorre nessas situações é o aumento do desemprego.

Já que o consumo é reduzido, não há porque manter os níveis de produção elevados. Assim, a tendência é que mais pessoas sejam demitidas de seus empregos. Infelizmente.

Qual é o impacto da alta da Selic na renda fixa?

A taxa Selic é o principal indicador da política de crédito em nosso país. Quando falamos nessa política, estamos nos referindo tanto à tomada de crédito quanto à sua cessão.

Em termos práticos, isso quer dizer que a taxa Selic serve de parâmetro para o dinheiro que pegamos emprestado e também o recurso que emprestamos. Pelo menos no mercado formal é assim. Agiotagem não entra nessa conta.

Como consequência, a rentabilidade dos recursos que investimos no mercado de renda fixa obedece aos níveis estabelecidos para a taxa Selic. Se ela é fixada em altos patamares, o mercado de renda fixa passa a render muito.

Da mesma forma, uma redução na taxa básica de juros também arrefece esse mesmo mercado. Uma baixa na Selic diminui a rentabilidade da renda fixa.

Esses movimentos de subida e de descida nas taxas de juros caracterizam as curvas de juros e também os ciclos econômicos. Quando há elevação, a curva de juros é ascendente e quando há baixa, a curva é descendente.

Por conta do atual estágio do mercado, pode ser que o ciclo de alta da taxa Selic pode estar se encerrando.

Taxa Selic: gráfico com evolução

Evolução da taxa Selic. Fonte: EQI

Porque o ciclo de alta da taxa Selic pode estar chegando ao fim?

A intenção inicial que motivou o início do ciclo de alta na taxa de juros foi conter a inflação. Para isso, o nível dos juros precisam estar acima da inflação, o que caracteriza um ganho real para as aplicações financeiras.

E esse ponto parece estar próximo de ser alcançado. No último dia 4 de maio de 2022, o Comitê de Política Monetária do Banco Central, o Copom, fixou a Selic em 12,75% ao ano.

A inflação rondava a casa dos 10% ao ano, mas no acumulado de 12 meses com fechamento em abril de 2022 ficou em 12,13%.

Pode ser que ainda tenhamos algum novo aumento da taxa Selic, mas essa elevação não deve perdurar durante muito tempo, visto que seu valor já superou a inflação. Para a EQI Asset, a Selic deve ter mais duas altas de 0,5%, chegando a 13,75% em agosto.

projeções da EQI Asset para PIB, Selic, inflação e dólar

Projeções dos principais indicadores. Reprodução/EQI Asset

Se esse cenário se confirmar, possivelmente teremos um período de manutenção da Selic e, com o rebaixamento da inflação, deve iniciar-se um novo ciclo, agora de baixa.

Como fica a renda fixa com o fim do ciclo de alta da Selic?

Obviamente, os rendimentos da renda fixa que acompanham o nível da taxa Selic também deixam de subir com um possível fim do ciclo de alta.

Os sucessivos aumentos dos juros “engordaram” a renda fixa, mas pararão se a Selic deixar de subir.

infográfico com melhores investimentos para cada fase do ciclo econômico

Indicações dos melhores investimentos em cada etapa do ciclo econômico. Fonte: EQI

Nesse caso, temos duas possibilidades apenas. A primeira delas é referente à manutenção da taxa de juros em níveis elevados. Enquanto um cenário desses perdurar, a renda fixa terá bons ganhos, sobretudo os papéis pós-fixados.

Já o segundo caso é em uma redução da taxa de juros, ou seja, o início de um ciclo de baixa nas taxas de juros. Nesse cenário, dois efeitos serão sentidos. Um deles mais óbvio e outro perceptível apenas ao investidor mais sagaz.

Esse primeiro efeito é aquele mais óbvio: com a redução da taxa Selic, a renda fixa passa a render menos. Assim, todos os títulos pós-fixados terão suas rentabilidades reduzidas, já que o rendimento anual da Selic será menor.

Já um segundo efeito é sentido apenas pelos títulos prefixados, ou que têm uma parcela destes, como os papéis híbridos. Esses títulos estão sujeitos à marcação a mercado e é possível aproveitar um cenário de baixa nos juros.

Como o rendimento final é travado, uma queda na taxa Selic implicaria em um aumento do capital inicialmente investidor para que o montante acumulado seja o mesmo prometido na contratação do título.

Esse seria o efeito em uma possível marcação a mercado, quando se dá um resgate antecipado do papel antes de seu vencimento. A consequência é trazer a valor presente os ganhos que seriam obtidos no final da aplicação.

Portanto, um investidor mais atento pode aproveitar a oportunidade da inversão da curva de juros e se posicionar em papéis desse tipo, visando um resgate antecipado no futuro.

Dessa forma, teria um retorno sobre o capital investido bem maior do que a mera rentabilidade prefixada expressa na nomenclatura do papel.

Como dissemos, essa oportunidade poderá ser aproveitada apenas pelos investidores mais atentos e que realmente conhecem o modo de funcionamento da marcação a mercado.

  • Leia este artigo e fique por dentro do assunto você também!
  • Quer entender mais como fica a renda fixa com o fim do ciclo de alta da Selic? Então preencha este formulário que um assessor da EQI Investimentos entrará em contato para apresentar as aplicações disponíveis!
newsletter
Receba informações exclusivas em seu email

Últimas notícias